9

In fact, both in Portugal and Brazil the pronunciation of s at the end of a syllable depends, even if you don’t realise it, on what comes after it: it is commonly pronounced /ʃ/ (as shape or ch in the Portuguese word chato) in Portugal and Rio and /s/ (as in samba) elsewhere in Brazil if followed by an unvoiced consonant such as c, f, p, t or by a long pause;...


8

I believe the short answer is: we don't know. Pre-tonic syllables Scholars seem to agree that the Brazilian and European variants of Portuguese began diverging around the XVII and XVIII centuries: PT: Os historiadores da língua portuguesa concordam em afirmar que a pronúncia do PB é mais próxima da do Português Clássico (doravante PCl) do que a do PE. Este ...


8

Yes, [sɐwˈðaðɨ] is how the Portuguese pronounce the word. The [ɐ] is like the last a in samba as pronounced by both Brazilians and Portuguese: /’sɐ̃bɐ/. You can hear samba and saudade pronounced in Forvo; the first Portuguese on the list (Onimo) is not a good example, but the others are. And [ð] is pretty much like th in the word then. This pronunciation of ...


8

(Pessoal, há tempo que acompanho o Portuguese Stack Exchange — e absolutamente o adoro —, mas esta é a minha primeira resposta aqui, então ainda estou me habituando. Queria comentar algumas coisas à parte na pergunta original, mas ainda não tenho pontuação suficiente para isso. :( Se, de algum modo, esta minha resposta fugir ao propósito, avisem-me para que ...


7

O estudo de referência sobre o assunto é ainda a “Nova Proposta de Classificação dos Dialectos Galego-Portugueses” de Lindley Cintra de 1971 (Instituto Camões). Este estudo baseia-se em dados recolhidos pelo autor nos anos 50, mas é ainda nele que se baseia a discussão do assunto na imensa Gramática do Português da Gulbenkian de 2013 (p. 88-104). Pronúncia ...


7

O ⟨uno > um⟩ deve-se por convenção ortográfica. Quanto ao ⟨una > uma⟩, eis o motivo: No galego-português (GL-PT, ou português antigo), palavras latinas paroxítonas e proparoxítonas da forma /-Vna, -Vno/ (onde V é uma vogal qualquer) sofreram uma alteração fonética, na qual o som /n/ fundiu-se com a primeira vogal criando um hiato nasal-oral. No português ...


6

O fenómeno geral de acrescentar sons a palavras chama-se epêntese. Este termo é normalmente usado para os sons intercalados dentro de palavras (em vez de no início ou no fim). Então os /i/ intercalados entre consoantes são vogais epentéticas. Há também um termo mas específico para a epêntese duma vogal, anaptixe, com o adjectivo correspondente anaptíctico. ...


6

A razão pela qual (quase) não há palavras nativas em português começando dessa maneira é porque as mudanças fonológicas do latim que nos dão os dígrafos nh e lh não aconteceram no início da palavra. De The Romance Languages; Harris & Vincent, Oxford University Press, 1990, pp. 139–140: […] In addition, intervocalic /l/ and /n/ were effaced, and ...


6

Centaurus, I understand your question. In Portugal we say "doish", it sounds like "ch". All Portuguese pronounce dois with "sh" in the end. I used this converter and it seems that the phoneme is: dˈojʃ


6

A nossa ortografia não pretende estabelecer uma correspondência biunívoca entre símbolo e som. A letra m em fim de palavra apenas indica nasalidade: não existe nenhum som [m] em falam, tal como também não existe em fim ou bem. As terminações -am e -ão são meras representações convencionais do mesmo fonema: acordam (de acordar) e acórdão (substantivo) são ...


5

According to the Wikipedia article on Portuguese, in central and southern Portugal /e/ can be centralised before palatal sounds (and by context this includes post-alveolar sounds). That is, /e/ will become [ɐ] before /ʃ/, /ʒ/, /ɲ/, /ʎ/. The article about Portuguese dialects also says that In and near Lisbon, /ei̯/ and /ẽi̯/ are pronounced [ɐi̯] and [ɐ̃i̯],...


5

tl;dr: Almost; in the Trás-os-Montes dialect they pronounce it /ʒ/. Long answer The s at end of a sylable is pronounced /ʃ/ in most of Portugal, and that is the correct pronunciation. But in the dialeto transmontano (interior north of Portugal) the /ʃ/ is pronouced /ʒ/, like the j in gajo. With this accent, Viseu would sound like "Vijeu". The Wikipedia ...


5

Acredito que a pronúncia [s] (s não chiado) é a original no latim. Provavelmente, ela chegou ao Brasil sem mudanças e, depois, passou a ser [ʃ] (s chiado) em Portugal e no Rio de Janeiro (talvez pela influência lusitana durante o período em que foi capital do Brasil). Essa mudança, contudo, não afetou dialetos periféricos ou mais conservativos. Quanto à ...


5

O pronome lhe é derivado do pronome illi (dativo de ille) do latim (e lhe + o > lho, lhe + a > lha, etc.). Não sei se é um caso de metátese i ↔ l (illi > /ili/ > /lii/ > /lie/ > /lje/ = lhe) ou se a palatização foi uma consequência da elisão do primeiro i, mas em lhe, lho, etc., o som /lj/ no começo da palavra é um caso raro (e também vem do latim). Muitas ...


4

You’re quite right. All native speakers would pronounce one o only. That’s actually the standard pronunciation. But for this reason you don’t omit the o in writing. Let’s see a counterexample: Vou para Lisboa. In careful, formal, speech you pronounce all the letters in para. In relaxed speech you can elide the first a (so, p’ra) or even the r as well (so,...


4

Apesar da abundância dos encontros consonantais com ⟨l⟩ no português, para mim o vocabulário do português é marcado por certas faltas deles que se transformaram em ch: chamar (/kl/), chama (de fogo; /fl/), chorar (/pl/), chumbo (/pl/), cheio (/pl/), chão (/pl/), chuva (/pl/), etc. Mas isto aconteceu antigamente e não representa nenhum proibição agora. Acho ...


4

A wikipedia explica como se deve proceder á contagem das silabas métricas. Em suma ela é igual á divisão silábica, com algumas regras especiais. No artigo pode encontrar as 3 regras aplicadas: Não se contam as sílabas poéticas que estejam após a última sílaba tônica do verso Ditongos têm valor de uma só sílaba poética. Duas ou mais vogais, átonas ...


3

A pseudorresposta que encontro é que simplesmente é a regra. Parece ser bem estabelecido (ver, e.g., 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7) que se prefere a cedilha em palavras de origem árabe, italiana, africana e indígena E aqui vale observar que não é portanto só no tupi e no guarani, mas também em outras línguas indígenas que se usa o ç (outro exemplo é o kaipó). ...


3

A nasalização de a em mãe é provavelmente resultado de um processo de nasalização progressiva, do mesmo tipo da que ocorre em muito, só com a diferença de que a ortografia portuguesa não permite fazer explícita a nasalização do ditongo ui (*mũito?). Aparentemente não existem muitos estudos sobre esse fenômeno ainda, mas tem pelo menos um, preliminar, que ...


3

Essas palavras não estão presentes no idioma português, portanto não podem seguir essas regras. E, se forem incorporadas, devem seguir a pronúncia original ou alterar a forma da escrita.


3

Vou desenvolver um pouco a resposta de @tchrist, já que a citação que ele fez exemplifica o caso do desenvolvimento ⟨lh⟩ e não explica ⟨nh⟩. Mas em resumo, a resposta é a mesma: não há ⟨lh-, nh-⟩ em início de palavra pois os fenômenos que desenvolveram estes sons não ocorreram em início de palavra (exceto em "lhe(o/a)" e já explico o porque). Primeiramente, ...


3

Havia, sim, mais tardiamente, no latim dois sons róticos distisintos. O /ɾ/ (tepe alveolar sonoro), como o atual e o som /r/ (vibrante alveolar sonora), orindo de "Rs" geminados e no início de palavras. Um sistema como o do castelhano e do italiano atuais. No português, por volta do século XIX, um processo parecido com o que ocorreu no francês, fez com que ...


3

Para responder primeiro à questão, se é natural durante transcrições omitir o artigo, a resposta é não; a questão não é tanto fonética, simplesmente, na maioria dos casos, apenas uma das alternativas, com ou sem artigo, é apropriada para o contexto, embora consigamos encontrar alguns exemplos em que ambas as formas são possíveis: «não tenho passado (o) tempo ...


3

Portugal Em Portugal, o r no fim de palavras é /ɾ/, vibrante simples alveolar (Wikipedia: en / pt). Em http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?action=fonetica&act=list podes consultar um dicionário fonético. Tem um campo para pesquisa do lado direito: Amar; Interior; Mulher. A pronúncia de r no final de palavras em Portugal não é muito ...


2

Nenhuma das pronúncias é a original. Acredita-se que no século XVI todas as sibilantes do português, não apenas aquelas em final de sílaba, fossem realizadas ou como uma sibilante apico-alveolar surda /s̺/ ou como modal/obstruente /z̺/, que ainda são típicas do espanhol europeu, do galego e dos dialetos setentrionais do português europeu. Para os falantes de ...


2

/e/ is a high-mid front vowel: Notice the position of of your tongue when you pronounce the sound /e/. Now, notice the position of your tongue when you pronounce the consonants /ʃ/, /ʒ/, /ɲ/ and /ʎ/, and the vowel /i/. These sounds make your tongue assume a position close to the position it must have when pronouncing the /e/ sound. That's why they are ...


1

Bom, "vowel shift" é algo que acontece a vogais, então as diferentes pronúncias de "x" com certeza não fazem parte de uma Great Vowel Shift. Quanto à redução das vogais finais, não me parece que se enquadrem tampouco. A Great Vowel Shift foi uma mudança generalizada na pronúncia das vogais, tônicas inclusive, enquanto a redução das vogais finais átonas do ...


1

Para começar, é bem estudado o fenômeno pelo qual as consoantes soantes na coda silábica impedem a redução da vogal precedente em casos nos quais deveria acontecer; isto é, não acontece redução (de /o/ para [u], de /e/ para [ɨ]) quando a vogal não acentuada é seguida por nasal, /l/, /r/ ou semivogal. Um paper (A Estrutura da Sílaba em Português Europeu) ...


Only top voted, non community-wiki answers of a minimum length are eligible