32

Sim, no Brasil a palavra "cu" é um termo chulo e ofensivo, mesmo quando dita sem a intenção de ofender. Há uma diferença semântica entre ptPT e ptBR nesse sentido. Aquilo que em Portugal chama-se "cu", no Brasil tem a denominação de "bunda". O que nós, brasileiros, chamamos de cu, os Portugueses chamam de "olho do cu". E o "cu", ou "olho do cu" como dizem ...


31

É importante referir que esta dúvida não é tão pertinente em português europeu/de Portugal como no Brasil, porque em Portugal, as expressões não se leem da mesma maneira: "por que" e "porque" leem-se da mesma maneira, e "por quê" (que não se usa) e "porquê" leem-se da mesma maneira, mas os dois grupos são pronunciados de formas diferentes entre si. EM ...


27

Em português do Brasil: Por que Usado para perguntas. Por que temos que fazer novas perguntas? Porque Usado para respostas. Porque novas perguntas fazem aparecer novas respostas. Por quê Usado antes de uma pontuação interrogativa para fazer uma pergunta. Equivalente a "por qual motivo?" Estamos com poucas perguntas. Por quê? Porquê Para se ...


23

Em português europeu/de Portugal, a palavra "presidenta" só é utilizada de forma popular ou pejorativa (ver aqui): pre.si.den.ta [prəziˈdẽtɐ] nome feminino 1. popular mulher que preside 2. popular, pejorativo esposa do presidente Isto deve-se ao facto de "presidente" ter dois géneros e se referir à pessoa que preside, e não ao homem que preside (...


22

A lei federal 2.749, de 1956, do senador Mozart Lago (1889-1974), determina o uso oficial da forma feminina para designar cargos públicos ocupados por mulheres. Era letra morta, até o país escolher sua primeira mulher à Presidência da República. É também interessante notar a existência de "presidenta", desde 1899, pelo dicionário de Cândido de Figueiredo: ...


22

I am a native Portuguese speaker, and this is the very first time I've ever thought of the difference between tornar-se and ficar. I think I got it. (Ok, eight months afte I wrote this answer I can say that it is broadly consistent with the massive Gramática do Português, Fundação Calouste Gulbenkian, 2013, pp. 1315-8; I’ll just add a little quote further ...


21

É importante referir que esta dúvida não é tão pertinente em português europeu/de Portugal, porque as expressões não se lêem todas da mesma maneira: por que e porque lêem-se da mesma maneira, e por quê (que não se usa em português de Portugal) e porquê lêem-se da mesma maneira, mas os dois grupos são diferentes entre si. Em português europeu/de Portugal: ...


20

O “mau” é o contrário de “bom”, e é um adjetivo. O “mal” é o contrário de “bem”, e é um advérbio.


19

Conclusão (TL; DR) Aparentemente, existiu algum uso da palavra presidenta no passado, e agora voltou a ocorrer devido a acontecimentos políticos. Nitidamente, o sufixo é independentemente de gênero, sendo que quem define o gênero é o artigo que o acompanha; por isso eu, particularmente, não vejo necessidade de se permitir o uso correto da escrita presidenta. ...


16

Tanto a palavra "monitoração" quanto "monitoramento" estão relacionadas ao ato de monitorar e podem ser utilizadas a livre escolha, estando elas corretas no ponto de vista morfológico, sendo apenas nominações possíveis do verbo monitorar. Em uma breve pesquisa no Google, descobri que a forma monitorar e os seus derivados são mais frequentes no português do ...


16

Portugal Por ter trabalhado no atendimento ao público numa área que exigia muito formalismo, e sendo eu falante da variante europeia da língua, devo referir-lhe, parece-me, que no trato social em Portugal, há essencialmente três opções, aqui ordenadas do mais informal para o mais formal: tu você o senhor/a senhora Estávamos liminarmente proibidos de ...


14

Mais É usado com o sentido de adição, aumento ou soma. Mas É usado com sentido de oposição ou restrição


14

As duas formas são corretas, depende é de quem está "a escrever" (remetente) o ofício ou memorando. Se for por exemplo uma empresa usamos o "Vimos por meio deste..." porquê se refere a empresa (Nós): Vimos (Nós empresa) por meio deste... No caso de ser eu a escrever em meu próprio nome usa-se "Venho por meio deste": Venho (eu) por meio deste...


14

Efetivamente, o título de doutor nos tempos modernos é dedicado a pessoas com o grau para tal, sejam doutores de medicina (medicinae doctor) ou doutores de filosofia (doctor philosophiae). Nessas situações, devemos tratar essa pessoa por Doutor. Acrescento que o processo de Bolonha rege esta atribuição de título, e este foi oficialmente adotado por Portugal ...


13

O significado do pronome indefinido "algum" depende da sua posição em relação ao substantivo, tem valor positivo quando vem antes e negativo quando vem depois. Por sua vez o pronome "nenhum" tem sempre valor negativo. Assim, o pronome "algum" pode substituir o pronome "nenhum" se for usado depois do substantivo: "De forma alguma irei jantar consigo." "Em ...


12

Esse tipo de expressão é um pleonasmo (Wikipédia). O pleonasmo é uma redundância (propositada ou não) numa expressão, enfatizando-a.


12

[English] Actually, at least in Brazil, no. It is a "feature" of the language, a way that feels natural. As pointed by bfavaretto, natural languages are different than programming ones. In Japanese, for instance, if a question is asked in a negative way, a confirmation means confirming the negative, whereas in (Brazilian) Portuguese you are usually ...


12

A palavra atriz vem do latim actrix, -īcis. Por que para o caso do ator, a palavra no feminino não é atora? Nesse caso acho que é uma questão de etimologia. No caso de cantora, também tem uma forma semelhante: cantatriz [Do lat. cantatrice.] substantivo feminino Cantora profissional; cantora. Fonte: Aurélio, 5ª edição No caso ...


12

"Caráter" refere-se a um conjunto de características de personalidade de uma pessoa ou de um grupo de pessoas; "Carácter" (ou ainda "caractere", apenas no Brasil), refere-se a um sinal gráfico não composto por sinais menores, como como uma letra do alfabeto, um algarismo, um sinal de pontuação ou um símbolo utilizado na imprensa ou na informática.


12

Sim, é ofensivo. No Brasil "cu" é equivalente a "olho do cu" em Portugal. Existem dois jeitos que não são ofensivos para designar essa parte do corpo humano (o traseiro) no português brasileiro: bunda e bumbum. Eu traduziria os exemplos que você citou assim: Tens as calças sujas no cu. = Você está com as calças sujas na bunda (ou "no bumbum", para soar ...


12

Os nomes próprios dos monarcas, faraós e czares estrangeiros são praticamente todos traduzidos, pelo menos aqueles que já entraram, há muito tempo, na variante europeia da Língua Portuguesa. É o caso de Eduardo, Isabel, Luís, Catarina, Carlos Magno, Napoleão, Balduíno, Gustavo, Jorge, Maximiliano e Ulrica Leonor, Faiçal (ou Faisal). Dos não traduzidos, ...


12

Eu já tinha visto cabides em forma de cruz, não sabia era que se podiam chamar cruzetas. Segundo o Aulete digital, este nome é usado em Portugal e no Norte e Nordeste brasileiro. Eu sou da zona de Lisboa, e não conhecia a palavra. Este artigo do Ciberdúvidas diz que parece ser mais usado no norte. Em coerência com o Aulete, a ocorrência mais recente de ...


12

As duas expressões estão corretas e estão ambas em uso pelo menos desde o século XVI. A expressão risco de morte é mais fácil de analisar, pois podemos parafraseá-la por risco de morrer, enquanto risco de vida não é risco de viver. Mas risco de vida é logo o primeiro exemplo dado pelo dicionário Houaiss (abreviaturas desabreviadas): 1 risco s. m. 1 ...


11

"favor" (faça o favor de) é seguido por verbo no infinitivo e soa mais como um aviso mas pode até mesmo parecer uma ordem, dependendo de contexto e intonação. Favor solicitar a alteração. Favor não sujar o tapete. Favor não cuspir no chão. Favor apresentar seus documentos no balcão. Por favor, soa mais como um pedido pessoal e também soa mais educado. Não ...


11

Normalíssimo da Silva em Portugal e pelos vistos não completamente desconhecido no Brasil. Encontrei o verbo em autores brasileiros recentes. O Aulete digital tem também a definição relevante, e não a restringe a Portugal: Saber 9 Ter sabor; ter sabor de ou parecido com o sabor de [int. : Experimente este vinho, veja como ele sabe!] [tr. + a : Seus beijos ...


11

O que dizem os dicionários? Segundo o dicionário Aulete, a bolacha é um tipo de biscoito. Veja: biscoito Alimento assado ao forno, ou frito em óleo, ger. em forma de pequenos quadrados, rodelas etc., que leva farinha, ovos, leite, sal ou açúcar e outros ingredientes bolacha Biscoito achatado, feito de farinha pouco levedada, em forma de disco ou ...


10

A principal diferença é que mil é um quantificador (um caso específico de modificador) e milhar é um substantivo. Ambas podem ser usadas para representar quantidades exatas, arredondadas ou apenas aproximadas/estimadas (ex: "duas mil pessoas" ou "dois milhares de pessoas"). Mas certamente, como mencionado na pergunta, a tendência principal é para a ...


10

Barriga Em geral é o termo mais usado, sobretudo em um contexto coloquial, embora não seja necessariamente informal. Aparece em expressões como "de barriga cheia", "de barriga para baixo", etc. Acho que é seguro dizer que, quando em dúvida sobre qual usar, "barriga" é uma boa opção. Pança Segundo o Wikicionário, "pança" em primeiro lugar se refere a um ...


10

Definitivamente carreteiros em viagem. Viagem nessa frase é um substantivo, é a viagem que eles estão fazendo, e não uma forma do verbo viajar. O verbo poder-se-ia usar, por exemplo em espero que os carreteiros viajem bem. É a mesma coisa com soldados em guerra. Guerra é um substantivo, é a guerra em que os soldados estão a combater. Com o verbo poderia ser ...


10

ENGLISH This applies to puto as used in Portugal, and, I think, other Portuguese-speaking countries except Brazil. Putinho is a diminutive form of puto, and is not offensive when referring to a young boy. Puto (from Latim putus, little boy) is a common, informal word meaning a boy, especially a little one. It emphasises the boy is still a child and junior ...


Only top voted, non community-wiki answers of a minimum length are eligible