26

De acordo com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, sim, fazem parte do alfabeto. BASE I: DO ALFABETO E DOS NOMES PRÓPRIOS ESTRANGEIROS E SEUS DERIVADOS O alfabeto da língua portuguesa é formado por vinte e seis letras, cada uma delas com uma forma minúscula e outra maiúscula: Obs.: Além destas letras, usam-se o ç (cê cedilhado) e os ...


18

Resposta copiada da wikipédia (e por este motivo, esta resposta é wiki da comunidade): Em Portugal Portugal utilizava o trema da mesma forma que o Brasil até o advento do Acordo Ortográfico de 1945, que suprimiu o trema na grafia de palavras vernáculas, reservando-o somente para palavras derivadas de nomes estrangeiros, como mülleriano (do antropônimo ...


17

Como regra, com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 (AO), as palavras com prefixos levam hífen, se as letras forem iguais, como "anti-infecioso" ou "anti-infeccioso", e não se separa o prefixo se as letras forem diferentes, como em "antimatéria". Na nova grafia, se o prefixo terminar em vogal e o elemento da composição que lhe segue começar ...


14

Na verdade alguns acentos diferenciais como por (preposição) e pôr (verbo) ou pôde (pretérito perfeito do indicativo do verbo poder) e pode (presente do indicativo do verbo poder) foram mantidos. Também foram mantidos os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos ter e vir. Todas alterações introduzidas com o novo acordo ortográfico tiveram ...


14

Confusão comum. O alfabeto oficial brasileiro original tinha 23 letras. Isso se deve ao fato de que não existe qualquer palavra de língua portuguesa que utilize W, K ou Y Porém no acordo ortográfico de 1990 foi instituído o alfabeto latino de 26 letras que deriva do padrão ISO/IEC 646. Note que esse padrão ISO foi criado para uso em informática e por isso se ...


13

São várias as inconsistências na ortografia portuguesa, como as letras diferentes produzindo os mesmo sons. Por exemplo: cedo → selo; ambos se pronunciam "cê" xadrez → chafariz; ambos se pronunciam /ʃ/ gelo → jeito; ambos se pronunciam /ʒ/ exclama → escama; ambos se pronunciam /s/ O trema era uma maneira de diferenciar a pronúncia ao se escrever "que", "...


11

Fazem parte apenas teoricamente, porque na prática são apenas para dar "suporte" a termos em línguas estrangeiras (como o inglês, por exemplo), nomes que usam essas letras (seja de pessoas ou lugares) e siglas (como KM, por exemplo). Ou seja, na língua portuguesa não existem palavras não estrangeiras que usam essas letras. Por exemplo, termos como "...


11

With the new "acordo ortográfico" (orthographic agreement), promulgated in Brazil in 2009, people started to pay more attention to the spelling of words, and were often surprised to notice that "mozzarella" is not written with two s. But it is important to know that this spelling was valid even before the "acordo ortográfico". Mozza, in italian, means ...


11

A grafia facto passou oficialmente a fato no Brasil com o Formulário Ortográfico de 1943, que veio alterar a grafia de centenas (talvez milhares) de palavras, tal como já tinha acontecido em Portugal com a Reforma Ortográfica de 1911. O c foi eliminado da palavra facto no Brasil porque já não era pronunciado. Portugal e nos PALOPs é pronunciado e por isso ...


9

O emprego do hífen seria aceito se "sócio majoritário" fosse um composto homogêneo, duas palavras de gênero igual, como dois substantivos ou dois adjetivos. Ao meu ver neste caso você tem um substantivo "sócio" e um adjetivo ao sócio que seria "majoritário" ou "minoritário", não se referindo ao cargo ou título da pessoa e sim quanto a pessoa têm sobre o ...


8

As grafias diferentes existem por a palavra original ser árabe e haver diferentes tradições lexicográficas em Portugal e no Brasil. Segundo Pedro Mendes, nas dúvidas linguísticas do FLiP: Beringela é a forma preferencial e é a única forma atestada em todas as obras de referência consultadas para o português europeu. A forma berinjela aparece apenas ...


7

O texto integral do acordo ortográfico de 1990, ao qual estamos nos referindo aqui, está disponível na Internet. O anexo II desse documento explica que a razão para introduzi-lo foi justamente reduzir as diferenças ortográficas entre as variantes brasileira e europeia da língua, e explica individualmente os motivos por trás de cada uma das mudanças ...


5

Those differences just reflect differences in pronunciation: that p in assimptota/assintota is pronounced in Brazil but not in Portugal; and that o is pronounced open in Portugal as the o, both in Brazil and Portugal, in roda, pólen, pódio, or gótico, whereas in Brazil it is closed, as in como, ovo or trôpego. Generally nobody sets out to create these ...


5

Pelo novo acordo, as duas :) De acordo com o dicionário Priberam Fato, em Portugal, é um terno. fa·to (origem duvidosa, talvez do árabe hatu, peixes, cardume) Conjunto das peças de roupa. = VESTUÁRIO Fato, no Brasil, é um facto (evento) em Portugal. fac·to |ct| (latim factum, -i, aquilo que se fez, façanha, proeza, acto) Facto não existe no Brasil. O ...


5

O objetivo principal do Acordo Ortográfico de 1990 foi unificar as grafias. Mas neste caso as palavras alteradas já antes tinham grafia igual em todos os países lusófonos, pelo que o motivo foi apenas simplificar as grafias. As palavras afetadas estão listadas abaixo (com links ao Priberam) na grafia antiga; na grafia do AO 90 escrevem-se todas sem acento: ...


5

You are right, with the 2009 rules this is incorrect. Some public figures (such as writers) refused to adopt the new rules, and this is most probably the reason you still words spelled that way. Other cause maybe that some people (most) still haven't adapted to the new rules.


4

Pelo que pude entender numa breve pesquisa pelo Google, essa mudança, como provavelmente tantas outras do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, foi estabelecida pela variedade de regras que havia no seu uso dentre os países que usam a Língua Portuguesa. Logo, na tentativa do Novo Acordo de unificar os países que tem o português como língua oficial, o ...


4

Na verdade, a intenção do acordo ortográfico não foi unir os dois dialetos, até porque isso seria (é) impossível. A real intenção do acordo ortográfico foi fazer com os dois dialetos ficassem mais parecidos e sem tanta inconsistência (na ortografia) e, também, aumentar o prestígio social da língua no cenário internacional. Se pararmos pra analisar, quem ...


4

Existem 63 palavras com ph em português: http://www.palavras.net/search.php?m=ph&d=17, e ainda assim muitas são estrangeiras. Em relação a pronúncia, como nativo afirmo que não está errado. É comum o som de f para ph em siglas.


4

Os dias da semana continuam sendo escritos com hífen mesmo depois do acordo ortográfico. A forma correta de escrita da palavra é segunda-feira, com hífen. As palavras segunda feira, escritas de forma separada, sem hífen, estão erradas. Devemos utilizar o substantivo feminino segunda-feira sempre que quisermos referir o segundo dia da semana, que ...


3

Não existe um órgão unificado da língua portuguesa. Existe a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, mas é uma organização de integração política internacional que não tem nenhuma intenção explícita de normatizar a língua escrita ou falada. Existe, sim, um Acordo Ortográfico que unifica a ortografia das diferentes variações da língua portuguesa. Este ...


3

Se estes ambos links estiverem corretos: http://duvidas.dicio.com.br/optica-optico-otica-ou-otico/ http://g1.globo.com/educacao/blog/dicas-de-portugues/post/qual-e-a-diferenca-entre-otica-e-optica.html Ambas palavras são sinônimos, todavia a palavra ótica/ótico é usado preferencialmente quando falado, acredito que tanto no português europeu, quanto ...


3

Segundo este artigo referido no dicionário Priberam a grafia correcta pré acordo ortográfico era pára e passou a para pós acordo, ainda que segundo a discussão pareça ser incoerente e revelador de algumas inconsistências.


3

As palavras facto e fato são um caso de dupla grafia, mas simplesmente porque possuem a mesma semântica. A dupla grafia não implica que ambas as formas possam ser usadas tanto no português de Portugal como no português do Brasil. Tal como indicado na resposta do Eduardo Fernandes, deve-se na mesma respeitar a regionalidade: em Portugal o c em facto é ...


2

No, it's not correct. Since the 12th of may 2015, the usage of the new rules, as specified in the "Acordo ortográfico de 1999", became mandatory. There are still people using the older rules, because either they don't know the new ones or they feel more comfortable with the old ones.


2

Estuando sobre o assunto li no livro de Almeida(2009) uma explicação excelente e fiz um pequeno resumo para acrescentar mais uma resposta a essa questão. Os caso de emprego do hífen são: a) usa-se hífen na maioria dos substantivos e adjetivos compostos cujos elementos têm acentuação própria e formam uma unidade significativa: guarda-civil, conta-gotas etc;...


2

Segundo o ciberduvidas "por que" tem significado similar a "por qual", e "porque" tem significado similar a "por qual motivo/razão". Portanto a forma correta será escrever: Por que motivo fizeste isto? ou Porque fizeste isto? Se omitirmos o "motivo", escrevendo "porque fizeste isto", ficamos com uma frase com significado similar a "por qual fizeste ...


2

O Acordo Ortográfico de 1990 tem sido utilizado pelas editoras brasileiras desde 2009 (ver estes links: Agência Brasil, Revista Exame) e é comum ver em reedições de livros alguns dizeres como os seguintes: "Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no Brasil em 2009". Vale notar que mesmo entrando em ...


2

Não está mesmo claro na página citada, a palavra chave é ditongos abertos. A regra é fonológica, baseada na pronúncia: "lei" é fechado ([lêi]), enquanto "réis" é aberto (é o que provavelmente se pretende indicar na listagem citada com o acento em "éu, éus, éi, éis, ói, óis", mas não em "a, as, e, es, o, os"). Em várias outras fontes isso é deixado ...


Only top voted, non community-wiki answers of a minimum length are eligible