2

Não consigo perceber pelas entradas no dicionário se afecto é derivação regressiva de afectar ou vice-versa. Portanto em que sentido é feita a derivação (ou conversão como lhe chamam alguns autores)? Se não há uma relação de derivação/conversão entre afecto e afectar por que é?

Dois exemplos habituais de derivação regressiva são:

  • Muro (nome) -> murar (verbo)
  • Colher (verbo) -> colha (nome)

Mas no caso de afecto/afectar não é claro.

1
  • 1
    Deixa outro tentar. Só quero dizer que a etimologia é muito relevante pois é a única maneira para saber se um vocábulo é regressivo OU não. No seu caso, a origem são duas palavras latins diferentes. Um não vem do outro. Um vem de um verbo e o outro de um ajetivo.
    – Lambie
    Commented Mar 29 at 19:04

1 Answer 1

2

Quando fontes históricas ou análises formais não revelam claramente qual palavra surgiu primeiro, parece ser comum se recorrer ao critério de Barreto (1982): se o significado é de ação, então o verbo é primitivo e o substantivo derivado, caso contrário, o substantivo é o primitivo (e.g., "azeitar" derivaria de "azeite", e "abano" de "abanar"). Talvez esse critério tenha sua utilidade, mas obviamente não esclarece a etimologia das palavras. Como Valter Kehdi (1998) coloca:

O critério propos­to por Mario Barreto (e tao divulgado por nossas gramáticas posterio­res), de que o substantivo, quando exprime ação (como luta), é deriva­do, ao passo que, quando expressa uma noção concreta (como disco), é primitivo[Barreto, 1982], não se revela pertinente do ponto de vista sincrônico, pois está baseado exclusivamente no valor semântico do verbo. Ora, este não só exprime ação (com diferentes matizes), como também sen­timento, estado, fenômenos atmosféricos, etc.; trata-se, portanto, de um critério excessivamente genérico, 0 que lhe rouba o caráter operatório. Acresce que, com frequência, em função do uso, esses deverbais adquirem significado concreto (p.ex., caça indica também o resultado da ação): muitas vezes, o significado dinâmico é praticamente desco­nhecido hoje em dia (agasalho (s.), entre outros exemplos).

Se, ainda assim, quiséssemos aplicar esse critério ao par "afetar/afeto", enfrentaríamos a dificuldade que "afetar" expressa ação, mas "afeto" tem vários significados concretos.

Contudo, essa parece ser uma dificuldade com que não temos que lidar. Seguindo a indicação de Lambie, e até onde pude identificar, as origens etimológicas das duas palavras de fato parecem ser diferentes e, portanto, não derivariam uma da outra. Como a Infopédia coloca:

afetar — Do latim affectāre, «aspirar a; afectar»
afeto — Do latim affectu-, «afeição; ternura»

Ou, em maior detalhe, o Houaiss:

afetar (1569 cf. DA)

latim affēcto,as,āvi,ātum,āre no sentido de 'pôr-se a' depois 'tentar obter, buscar', verbo freqüentativo de afficĭo,is,ēci,ēctum,icĕr ou adficĕree (de ad- e facio) 'pôr em certa disposição (física ou moral), afetar, trocar, tratar bem ou mal, mover, comover', por sua vez, derivado de ad + facĕre no sentido de 'fazer'; forma divergente erudita afeitar; ver faz-; forma histórica 1569 afetado, 1619 affectar

afeto (sXV cf. IVPM)

substantivo latim affectus,us no sentido de 'estado psíquico ou moral (bom ou mau), afeição, disposição de alma, estado físico, sentimento, vontade'; forma divergente erudita afeito; ver faz-; forma histórica sXV afecto, sXV feito, sXV afeyto, sXV affecto

afeto (1611 GuerRel)

adjetivo latim affēctus,a,um no sentido de 'afetado, cheio, tomado de, comovido, afetado de vários modos', particípio passado de adfectāre, frequentativo de adficĕre (afficĕre) 'pôr em certa disposição (física ou moral), afetar, trocar'; forma divergente erudita 1 afeito; ver faz-; forma histórica 1562 afeyto, 1611 affectos

Onde também se encontra a explicação para a similaridade das palavras, apesar de suas etimologias distintas, como coloca bad_coder (minha ênfase):

Em GuerRel diz explicitamente affēctus ser participio passado de adfectāre nas declinações do latim. Portanto o radical é comum mas exterior à morfologia do português

Fontes:
Barreto: M. Barreto (1982) "De gramática e de lingugagem", ed. Presenca, pg. 331, via Voitel Kehd (1998) "A derivação regressiva em português", Filologia E Linguística Portuguesa, 2, 205-213. https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i2p205-213
DA: ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA. Dicionário da língua portuguesa. [1793]. Reprodução fac-similada assinalando o II centenário da edição. Lisboa, 1993. Tomo primeiro: A [a-azurrar]. [A obra contém citações de documentos históricos anteriores à sua publicação, que foram aproveitadas para datação de verbetes.]
GuerRel: GUERREIRO, Fernão. Relaçam annual das cousas que fizeram os padres da Companhia de Jesus, nas partes da India Oriental ... nos annos de 600, 601, 602 e 603, 604 e 605, 606 e 607, 607 e 608. Lisboa, 1602, 1605, 1607, 1609, 1611.
IVPM: Índice do vocabulário do português medieval. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. v. 1. (A), 1986; v. 2 (B-C) 1988; v. 3 (D) 1994; suplemento (A-C) (Confluência Revista do Instituto de Língua Portuguesa e do Liceu Literário Português, n. 3, separata, Rio de Janeiro, 1992). [No fichário (FichIVPM), arquivado na Fundação Casa de Rui Barbosa, estão incluídas cerca de 170.000 fichas datilografadas com a transcrição das passagens que documentam os vocábulos medievais, incluídos naturalmente os que se iniciam pelas letras E, F, G ...V, X, Z].

2
  • 1
    Excellente recolha de referências! Gostei especialmente do comentário de Valter Khedi a enquadrar o problema na sincronia! Em GuerRel diz explicitamente affēctus ser participio passado de adfectāre nas declinações do latim. Portanto o radical é comum mas exterior à morfologia do português - assim faz sentido.
    – bad_coder
    Commented Mar 30 at 11:35
  • Comentário pertinente, @bad_coder — inclusive me permiti adicioná-lo à resposta.
    – stafusa
    Commented Mar 30 at 11:54

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.