2

Vejo na mídia o termo "Inteligencia artificial generativa" sendo usado.

Contudo, o neologismo me soa áspero e estranho. Não seria melhor "gerativa" ou "geradora" para estes modelos que criam imagens e conversas?

De acordo com a norma culta, qual o termo que deveríamos usar, ignorando a pressão da imprensa?

2
  • Por uma vez que as palavras são as mesmas....
    – Lambie
    Dec 18, 2023 at 17:26
  • Os termos são criados pelas pessoas do campo. Tipo, "Ei, João! Isto é uma I.A. que gera coisa. Estou chamando de 'I.A. generativa' para facilitar." Não há regra. Num mesmo artigo de matemática, toda hora se inventa um termo. Então, desde que a pessoa saiba ao que você se refere, pode usar qualquer coisa... "Inteligência artificial geradora".
    – Schilive
    Dec 19, 2023 at 22:55

2 Answers 2

4

Na verdade não se trata de um neologismo. O termo já consta, por exemplo, no Priberam:

  1. Que gera ou tem a propriedade de gerar.
  2. [Linguística] Que é capaz de gerar o conjunto infinito das frases de uma língua por meio da aplicação de um conjunto finito de regras.

Em que fica claro que "generativo" não apenas pode atuar como um sinônimo dos termos "gerador" e "gerativo", como também tem um significado técnico na linguística.

Outros dicionários também contém o termo: Michaelis, Houaiss, TheFreeDictionary, Infopédia, Aulete, Dicio, o Novo Diccionário da Língua Portuguesa por Candido de Figueiredo, Lisboa, 1913:

Verbete "generativo": Relativo a geração; que póde gerar. (Do la. generare)

e o Diccionario da Lingua Portugueza Recopilado, Tomo Segundo de Antonio de Moraes Silva, Lisboa, 1813:

enter image description here

Quanto à questão central, sobre se "generativo" seria a melhor tradução, veja a resposta do bad_coder.

6
  • Claro, seria o mais óbvio, né?
    – Lambie
    Dec 18, 2023 at 17:28
  • Que o termo consta nos dicionarios online, fáceis de se editar e com grande interesse em se manterem atuais e relevantes, não é surpresa. Portanto, este fato tem pouco peso ao se classificar a palavra como neologismo ou não. Dec 19, 2023 at 12:09
  • @MindwinRememberMonica Seria improvável que todos esses dicionários se atualizassem tão rápido mas, por via das dúvidas, adicionei referências a obras mais antigas que já continham o verbete.
    – stafusa
    Dec 19, 2023 at 20:56
  • Há uma diferença de sentido entre "linguística generativa" (que é a teoria linguistica iniciada por Noam Chomsky - há inclusive diferenças de opinião sobre se gerativo ou generativo é o termo mais correcto) e o sentido de generativo como é usado na inteligência artificial.
    – bad_coder
    Dec 23, 2023 at 7:43
  • @bad_coder Sim, eu percebi. Por isso também não opino sobre qual termo seria o melhor aqui, só que não se trata de um neologismo usado devido à "pressão da imprensa".
    – stafusa
    Dec 23, 2023 at 11:23
1

Responder à questão exige uma perspectiva etimológica e morfológica.

Ao confrontar generativo com gerativo estamos a lidar com radicais diferentes! Vamos separar a desinência do infinitivo da forma citacional do verbo gerar e o sufixo de generativo para evidenciar os radicais:

ger-ar

Priberam Origem etimológica gero, -are. Enquanto para:

gener-a-tivo

Priberam Origem etimológica francês génératif.

Se formos ver os dicionários ingleses em geral a origem é apresentada como incerta entre o latim e o francês,

Oxford English dictionary generative is of multiple origins. Either (i) a borrowing from French. Or (ii) a borrowing from Latin.

Etymons: French generatif; Latin generativus. O Online Etymology Dictionary dicionário etimológico justifica a diferença por ambiguidade do sufixo -ive que pode ser do francês ou adaptado do latim.


Em qualquer caso, o radical gener(-ativo) pode não parecer ser um radical opaco em português, porque coincide com o radical (nominal) da palavra géner-o nossa conhecida. Mas aqui econtramos o primeiro problema, o radical verbal gener-ar é de facto um radical opaco em português, e uma prova disso é o sufixo -tivo na nossa lingua ser necessariamente deverbal, ou seja: só deriva de bases verbais!

Não exista um verbo gener-ar, mas recuperamos o mesmo radical (verbal) no verbo re-gener-ar ou de-gener-ar que também reconhecemos. Portanto o radical verbal é opaco mas o radical nominal não o é. O radical verbal gener(-ar) por si está indisponível para formação de novas palavras na sincronia. (Notem que o segmento -a- entre o radical e o sufixo em gener-a-tivo é o chamado "tema do grupo do presente" que o sufixo seleciona até hoje em português).

As palavras acima tem a mesma raiz, como podemos ver do latim para gĕnĕro -> rĕ-gĕnĕro mas são distintos do radical gĕro de ger(-ar). (Não consigo perceber se tem uma raiz comum no latim genus mas mesmo que tenham esse facto é exterior à morfologia do português.)

Há portanto boas razões para não devermos considerar as palavras gener-ativo e ger-ativo intercambiáveis:

  1. A semântica é próxima, mas as propriedades morfológicas são muito diferentes.
  2. Um dos radicais é opaco e portanto indisponível.
  3. Lendo os autores dos campos científicos -seja o campo linguístico ou informático- vemos que foi adoptado pela maioria generativo.

Sendo o generativo um conceito científico tornou-se parte de nome próprio composto. Faz por isso sentido aproveitar a palavra já existente nos dicionários portugueses há pelo menos 200 anos (como a resposta do Stafusa acima bem demonstrou) e assim evitar a introdução de um termo que fosse diferir ainda mais no radical da literatura estrangeira!

Embora, naturalmente, isto possa suscitar dúvidas ao falante que vai interrogar-se sobre se um ou outro radical é o mais correcto e qual a diferença entre eles.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.