3

Estou lendo atualmente o clássico Dom Quixote e me deparei com uma construção pronominal que estou tendo dificuldade para entender. A passagem em questão é a seguinte:

"Encheu-se-lhe a fantasia de tudo que achava nos livros, assim de encantamentos, como pendências, batalhas, desafios, feridas, requebros, amores, tormentas, e disparates impossíveis; e assentou-se-lhe de tal modo na imaginação ser verdade toda aquela máquina de sonhadas invenções que lia, que para ele não havia história mais certa no mundo."

Minha dúvida está relacionada à construção "encheu-se-lhe" e "assentou-se-lhe". O uso duplo de pronomes aqui me confunde. O que exatamente essa construção significa neste contexto ? Também gostaria de saber o nome específico dessa construção pois não tenho certeza se chama "ênclise dupla".

Agradeço antecipadamente pela ajuda e pela clarificação desta questão.

1
  • a fantasia se encheu para ele de a, b e c. E: na imaginácão dele se assentou etc.
    – Lambie
    Commented Sep 5, 2023 at 16:12

2 Answers 2

3

Vamos por partes. Primeiro o se:

A fantasia encheu-se de tudo...

Neste caso, estamos perante um se anticausativo. Assim, temos:

A chuva encheu o poço de água. (versão causativa; sujeito a chuva toma o papel de Fonte)

O poço encheu-se de água. (versão anticausativa; sujeito tem o papel de Tema, que é o objeto direto na versão causativa)

Verbos deste género chamam-se verbos de alternância. Na verdade, com encher, o se não é obrigatório. Em português brasileiro, ainda menos é, embora dependa da região. Em português europeu, o poço encheu de água parece-me uma opção duvidosa, mas o poço encheu é melhor do que o poço encheu-se. No texto que citaste, temos uma versão com objeto oblíquo, por isso, ao meu ouvido, a versão com -se é melhor.

Em relação a assentou-se, temos:

Assentou-se na imaginação ser verdade que...

onde ser verdade que é o sujeito. Aqui, a frase já me soa estranha. Não é que assentar-se não exista, mas assentar-se é normalmente usado quando significa sentar-se. Diria:

O depósito assentou no fundo da garrafa.

mas:

Eles assentaram-se à mesa.

Mas enfim, a ideia é a mesma. Temos uma construção transitiva de assentar (ele assentou o filho à mesa) e uma construção anticausativa (ele assentou-se à mesa).

Quanto ao lhe, é o chamado dativo de posse (como em dói-me a cabeça):

Encheu-se-lhe a fantasia de coisas = A fantasia dele encheu-se de coisas

Em português europeu, é possível redobrar o clítico:

Encheu-se-lhe a sua fantasia de coisas

Acontece o mesmo com assentar e imaginação.

Quanto ao facto de haver dois clíticos, a combinação se + dativo é permitida (ao contrário da combinação se + acusativo, que só é permitida nalguns dialetos). O pronome se tem de ocorrer antes do dativo lhe. A mesma ordem ocorreria com próclise:

Não se lhe encheu a imaginação.

1
  • Esse uso dobrado também acontece em lei brasileira. Por exemplo, no ECA no Art.3º há a frase "assegurando-se-lhes".
    – Schilive
    Commented Nov 11, 2023 at 17:55
1

Essa construção na verdade é um castelhanismo; a versão original traz:

Llenósele la fantasía de todo aquello que leía (...) tormentas y disparates imposibles; y asentósele de tal modo en la imaginación...

Naquele idioma, é uma construção corriqueira para substituir o pronome possessivo; de modo que os espanhois não dizem lastimó [machucou] su mano, mas sim se lastimó la mano. Então a sequência original, se traduzida num português mais castiço porém mas informal, diria:

A fantasia dele se encheu de tudo que achava (...) disparates impossíveis; e a ideia se assentou na sua imaginação de tal modo de tudo aquilo ser verdade...

Então, sob certo aspecto, o se no texto faz a vez de pronome possessivo.

2

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.