1

Tanto na língua informal como na formal usada em Portugal, não mais percebe-se o uso do futuro do pretérito, que, em inglês, teria seu similar no tempo passado de will: would.

Um exemplo recente que vi na TV portuguesa: um jornalista, de modo a evitar empregar o futuro do pretérito, fez a seguinte construção:

"Matou a esposa em Santarém. Terá sido por ciúmes." O que achei insólito.

Creio que isso dificulte o aprendizado do idioma por aqueles que falam a língua inglesa, que, por usarem cotidianamente o would, entendem de imediato o sentido desse tempo quando ensinados. Já o 'terá sido' não possui tradução possível no inglês sem passar pelo equivalente deles ao nosso futuro do pretérito: would.

Ou seja, sem o futuro do pretérito essa tarefa fica muito mais difícil para eles:

"Gostava de viajar" -- já nao gosta mais, pois hoje está velho e cansado. "Gostava de viajar" -- mal pode esperar para as próximas férias.

Como um português consegue ser entendido por outro no caso acima? Ignora-se sempre o primeiro caso? O pretérito imperfeito sempre será interpretado como sendo um tempo futuro?

7
  • A pergunta parece-me um bocado confusa. Que tem o futuro perfeito de terá sido por ciúmes, que exprime incerteza, que ver com o futuro do pretérito?
    – Artefacto
    Jun 21, 2023 at 22:31
  • 1
    @Artefacto, as manchetes jornalísticas do Brasil fazem-se (normalmente) da seguinte forma "teria sido por ciúmes". Jun 22, 2023 at 10:37
  • @Artefacto A pergunta/título "O futuro do pretérito não é mais empregado em Portugal?" foi amparada por um exemplo de um jornalista fazendo uso do futuro perfeito para citar um evento passado, de modo a evitar o uso do futuro do pretérito. Não há qualquer problema de coesão textual. Jun 22, 2023 at 12:16
  • @JoãoMatias esse uso do futuro perfeito não é feito para evitar o futuro do pretérito. Quando muito é feito para evitar o pretérito perfeito: foi por ciúmes. A diferença entre os dois é modal, não temporal. Compara, no presente, no sentido habitual: ele grita com a esposa? vs Gritará ele com a esposa? (ou será que...). O futuro do pretérito seria Matou a esposa. Seria por ciúmes, o que não encaixa (seria necessário um ponto de referência no passado: todas as noites ele gritava com a esposa. Fá-lo-ia por ciúmes)
    – Artefacto
    Jun 22, 2023 at 22:28
  • @ErgativeMan bom, estou a ver. Mas nesse exemplo particular a escolha é entre dois tempos compostos e não entre o futuro do pretérito simples e outro tempo. Em Portugal, teria sido por ciúmes também me parece possível, mas seria mais usado com referência anterior: Ele tinha matado a esposa. Teria sido por ciúmes.
    – Artefacto
    Jun 22, 2023 at 22:52

1 Answer 1

3

Não exatamente, usa-se o "pretérito perfeito", que podemos chamar também de condicional, às vezes. Ao fazer pedidos, é comum o uso do pretérito imperfeito do indicativo, até no Brasil:

"Queria viajar."

Chama-se esta utilização um valor modal do pretérito imperfeito. Em Portugal (e até no Brasil já o vi) é comum usar para coisas hipotéticas o futuro do indicativo com este valor modal mais de hipótese.

No português europeu o condicional é usado, assim como no Brasil, em questões nas quais há de fato uma condição: "se X, então Y" ou quando se trata literalmente de um futuro possível do passado.

Mas, sim, o uso é reduzido na variedade europeia, só ainda não 100% ausente.

Estas diferenças relativas a tempo, modo, aspecto e todas as formas de construí-los, com flexões, afixos, verbos auxiliares etc são naturais entre todas as línguas, é natural que um falante de inglês encontre dificuldades ao aprender português e vice-versa. Pense em quantos falantes de outras línguas sofrem com as cadeias de verbos auxiliares do inglês:

It would have been possible if...

Quanto às duas possibilidades de frases que deu, é outra coisa que toda língua possui: ambigüidades. Estas são quase sempre desfeitas pelo contexto — é a magia da pragmática — e, neste caso, raramente geram confusão, além da clássica piada que todo falante que qualquer falante de português já ouviu:

"Queria férias"/"Gostava de férias"

"Ah, então não quer mais?"/"então não gosta mais?"

Aliás, no Brasil usa-se também uma construção de hipótese como o futuro:

Será que ele foi ao mercado?

4
  • Bons pontos! Mas o que me chama a atenção é que se eu escrevesse "terá" para me referir a algo passado em alguma redação na escola ou universidade, teria sido repreendido pelos professores. "Foi por ciúmes, é uma das possibilidades segundo a PJ" ou "Pode ter sido por ciúmes", parece mais correto do que usar o "terá" para se referir a um evento ocorrido. "Terá gostado do show dos Pearl Jam ontem?" soa bem aos ouvidos portugueses? E se o futuro do pretérito é usado para "indicar algo que pode ocorrer posteriormente a um determinado fato passado", poderia ter sido usado sem qualquer problema. Jun 22, 2023 at 12:54
  • Essas coisas também tornam o inglês mais difícil para portugueses, pois no PT-BR fazemos a tradução natural: "Eu gostaria de viajar"/"I'd like to travel", já no PT-PT o "I'd like to travel" seria traduzido naturalmente como "I liked to travel", o que é incorreto. O não uso do gerúndio também dificulta: PT-BR: "I'm eating" se torna naturalmente "Estou comendo", em PT-PT: "I'm eating" se torna "I am to eat" (forma incorreta de "estou a comer"). Embora em Portugal se veja o futuro do pretérito como um tempo verbal brasileiro, e o gerúndio como uma forma nominal brasileira, isso não é verdade. Jun 22, 2023 at 13:08
  • Em Portugal normalmente se usa aquilo que adicionei à resposta agora, igual ao Brasil: "será que...". Novamente, este futuro não tem valor temporal, apenas modal de dúvida, não é um futuro de fato, é um "levantador de hipótese". Jun 22, 2023 at 21:47
  • Quanto à dificuldade de aprender inglês, tenho as minhas dúvidas, especialmente quanto à forma condicional, é um sistema totalmente diferente de ambas as formas. Também em relação à última parte, não acredito que se tenha o condicional como uma "forma brasileira". Já o gerúndio em construções progressivas é mais associado ao Brasil, apesar de que em lugares no sul de Portugal seja usado em tais construções também. Mas, é claro, o gerúndio é usado em Portugal, no geral, em outros casos, assim como a + infinitivo também o é em outros casos no Brasil. Jun 22, 2023 at 21:52

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.