5

Nunca entendi o porquê disso. Pra mim sempre foi um caso de sujeito oculto.

O sujeito de "Está chovendo" é a chuva, pois é ela quem chove. Analogamente o de "Chove lá fora" é a chuva e o de "Está nevando" é a neve.

É redundante, sim, mas não quer dizer que seja errado só por ser redundante.

Estou muito errado em pensar assim? Por quê?

3 Answers 3

6

Em muitos casos a aplicação dessas classificações tem algum grau de subjetividade, e não é incomum haver divergências inclusive entre especialistas. Então sua posição talvez não seja errada, mas apenas incomum.

Por exemplo, um caso bem interessante, relacionado à pergunta, é o da "Qual o sujeito da frase "Parece que você cometeu um erro"?", em que o sujeito pode ser visto como inexistente ou como sendo a frase que começa com "que" (caso em que "parecer" é implicitamente "parecer verosímil/verdade/provável/real").

De volta à questão:

"Está chovendo", "Chove lá fora" e "Está nevando"

A justificativa usual para classificar esses exemplos como de sujeito inexistente é que neles não haveria um sujeito claro ou mesmo necessário. Numa frase com sujeito subentendido (antigamente chamado de sujeito oculto), ele é claro e necessário: "[eu] comi bolacha", "[nós] estamos perdidos"; no caso do sujeito indeterminado, ele é necessário, mas não claro: "comeram o bolo", "roubaram o carro". Enquanto em "está chovendo" ou "são duas horas" se considera que não cabe um sujeito, que ele não é nem necessário (é um fenômeno da natureza, apenas algo que acontece, uma situação), muito menos claro (a chuva chove, ou as nuvens chovem? ou o tempo chove, ou o céu..?): ou seja, que ele é inexistente.

Vale notar que mesmo em línguas como o francês ou o inglês, em que há um sujeito ("It's raining.") ele só está presente por força do rigor gramatical e é semanticamente vazio, sem significado, e não se refere a nada, a nenhum antecedente.

Isso obviamente não impede o uso figurado de verbos impessoais, por exemplo:

Amanheci mal-humorado. (Sujeito desinencial: eu)
Choveram candidatos ao cargo. (Sujeito: candidatos)
Fiz quinze anos ontem. (Sujeito desinencial: eu)

Também relevante: Quando é que uma oração não tem sujeito?.

4
  • 1
    Uma curiosidade: em certos idiomas, a chuva (ou neve etc) é o sujeito. Por exemplo, em japonês: 雨が降っている Ame ga futte imasu Chuva está caindo (lit.)
    – kamekura
    Oct 24, 2022 at 4:11
  • Interessante, @kamekura . Em português, "a chuva cai/está caindo" também funciona, em japonês não há o equivalente a "está chovendo"?
    – stafusa
    Oct 24, 2022 at 6:33
  • no meu comentário acima, "chuva está caindo" é simplesmente uma tradução literal para ilustrar a gramática japonesa (eu poderia ter usado uma glosa interlinear mas me pareceu desnecessário...). A tradução normal de "Ame ga futte imasu" seria simplesmente "Está chovendo". "A chuva cai" soa mais literário, né?
    – kamekura
    Nov 4, 2022 at 14:02
  • 2
    Que eu saiba, não há verbo em japonês coloquial que signifique "chover" (mas não ficaria surpreso se houvesse um termo usado me poesia etc). Mas sujeito subtendido é muito comum: 1. Ame ga futteimasen ne? glosa: "chuva caindo não está (certo)?", Não está chovendo, né? 2. Futte imasu yo. glosa: "caindo está (enfático)", Está chovendo sim.
    – kamekura
    Nov 4, 2022 at 14:10
0

Sujeito inexistente não faz muito sentido neste caso,pois toda ação é realizada por algo,seja por uma força maior ou coisa do tipo. Esse "algo" é o sujeito e sem ele a ação não se realizaria. É uma questão de lógica.

4
  • Desculpe, mas não entendi a sua asserção final: «Mas quem somos nós [...]». Os membros da Academia Brasileira de Letras não regem nem a ortografia nem a gramática. Eles têm especialistas, como Evanildo Bechara, mas também tem escritores como Fernando Henrique Cardosos, Gilberto Gil e Fernanda Montenegro. Estes talvez entendam de gramática, mas não são vistos como especialistas. Ainda, a Academia de Letras de Portugal também não rege a gramática, outrossim. Obrigado pela contribuição e seja bem-vindo a fazer mais respostas!
    – Schilive
    Jan 24, 2023 at 19:51
  • Sim, me referia aos grandes mestres da gramática da língua portuguesa que compõe a cadeira. Mas obrigado por me lembrar deste detalhe.
    – portuglish
    Jan 24, 2023 at 22:14
  • 1
    @Schilive Salve! Comentario editado.
    – portuglish
    Jan 24, 2023 at 23:33
  • 1
    @portuglish Eu diria que, mais comum do que denotar "visto", o upvote no comentário pode denotar concordância.
    – stafusa
    Jan 25, 2023 at 20:55
0

Se não tô enganado, e espero que não :P, há uma diferença entre sujeito oculto e indeterminado: o primeiro é da primeira e segunda pessoas enquanto o segundo da terceira pessoa (singular e plural), estando em ambos os casos elíptico. O sujeito inexistente é quando não há um ator do verbo, o que, me parece, é diferente do que disse o Stafusa. Vejamos: a chuva cai, mas ela não chove. Há uma diferença entre uma frase e outra. Acho que a confusão persiste no pensamento de reafirmação: "a chuva chove" é como "estou subindo pra cima". Então diríamos apenas "chove" (com algum complemento eventualmente), mas não a chuva chove. Do ponto de vista da palavra falada não há problema nenhum nas frases, já o da norma culta, acho que diverge disto.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.