6

No passado maçã e eram escritas “maçãa” e “paa”. Essas vogais eram longas? Ou eram vogais distintas, ocorridas em sílabas separadas (como em “micro-ondas, voo e cooperar”)?

Não me refiro às vogais longas do Latim, como as que haviam em “sōbrīnus” (sobrinho), essas se perderam antes da Língua Portuguesa sequer existir. Refiro-me às vogais que eram escritas duplas, tanto orais quanto nasais, formadas pela deleção do /n/ intervocálico (como explico aqui) e do /l/ ou /d/ intervocálico.

Na tabela abaixo explico a evolução fonética e ortográfica que ocorreu com a deleção dos /n/ e /l,d/ intervocálicos. (GL-PT significa “Galego-Português”, outro nome para “Português antigo”).

=====EVOLUÇÃO FONÉTICA====  =====EVOLUÇÃO ORTOGRÁFICA=====
LATINO > GL-PT > PORTUGUÊS  LATINO   > GL-PT  > PORTUGUÊS

/-a.na > -ãa?  > -ã/       ⟨mattiana > maçãa  > maçã⟩
/-o.no > -õo?  > -õ/       ⟨bonus    > bõo    > bom⟩
/-e.ne > -ẽe?  > -ẽ/       ⟨tenet    > tẽe    > tem⟩
/-a.la > -aa?  > -a/       ⟨pala     > paa    > pá⟩
/-o.lo > -oo?  > -ɔ/       ⟨solus    > soo    > só⟩
/-o.do > -oo?  > -ɔ/       ⟨nodus    > noo    > nó⟩
/-e.de > -ee?  > -ɛ/       ⟨sedes    > see    > sé⟩

Existe alguma gramática da época que ateste sobre a qualidade dessas vogais?
A língua Portuguesa já teve, por um certo período de tempo, vogais longas tais como no Latim Clássico?
Noutras palavras, como maçãa e paa eram pronunciadas?

4
  • 1
    O Wikcionário, no verbete “poo” (pó), que veio do Latim Vulgar “pulus” (que por sua vez veio do Latim Clássico “pulvus”, cognato de “pulverizar”), diz que a pronúncia era /ˈpɔ.o/, com duas vogais em sílabas separadas (em vez de uma única vogal longa numa única sílaba). Mas não há fontes. Este verbete está correto?
    – Seninha
    Apr 12 at 23:19
  • 1
    Interessante que, segundo o Wikcionário, além de “poo” ter vogais diferentes, em sílabas diferentes, elas têm qualidades diferentes: uma é aberta (/ɔ/) e a outra é fechada (/o/).
    – Seninha
    Apr 12 at 23:24
  • 3
    A Gramática da Gulbenkian diz que no português antigo eram hiatos, mas que despareceram no sXV. Agora, essas vogais duplas deixaram vestígios no português europeu atual. Exemplo, enquanto o a de cadeira se fechou, o de padeira (paadeira no português antigo) continuou aberto (mais exemplos nesta pergunta). Como esse fechamento no cadeira e similares aconteceu já depois do sXV (não ocorreu no Brasil), alguma coisa desses aa, ee etc. teve de >>
    – Jacinto
    Apr 14 at 8:34
  • 3
    >> sobreviver para bloquear o fechamento em padeira e outras que tinham essas vogais duplas. Terão entre hiato e vogal simples passado por vogal longa? Agora, eu tou a ler a Ortografia da Língua Portuguesa do Duarte Nunes de Leão (1576) e ele continua a escrever com vogais duplas! O problema é que ele é muito confuso. Diz que não há nas vogais distinção longa-breve, mas não diz como pronuncia as duplas.
    – Jacinto
    Apr 14 at 8:44

1 Answer 1

1

Não, o que se representa no galego-português com duas vogais, como em "paaço", é um hiato deixado pela síncope de uma consoante, assim esta dita palavra tem três sílabas: pa-a-ço, sendo o segundo "a" tônico (o mesmo que era tônico no latim). Este hiato posteriormente foi simplificado.

O ancestral mais recente no qual se encontram vogais longas é o latim mesmo. Inclusive, no próprio latim vulgar o sistema de quantidade de vogais já estava gradualmente se tornando um sistema que distingue a qualidade das vogais (como o "ē" tornando-se [e] e o "ĕ" tornando-se "[ɛ]" etc), e que gerou a mudança de timbre e as ditongações que ocorreram em línguas como o espanhol e o italiano.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.