7

Eu sei que não usamos mais combinações de pronomes (mo, lho, to, no-lo, vo-lo), mas se ainda usássemos, seria possível esse uso da mesóclise com o pronome combinado no-lo ou existe alguma regra que impede isso? Por exemplo: Eles tomarão o carro de nós se torna: Tomar-no-lo-ão eles.

6
  • Nos quem? Os portugueses continuam usando esses pronomes. Eles tomarão o carro de nós. é registro baixo. tomar em que sentido? Eles levarão o nosso carro, por exemplo.
    – Lambie
    Apr 14 at 15:18
  • O sentido de tomar não é relevante para a compreensão da pergunta, tanto que nem eu me mesmo me preocupei com ele. Com “nós” refiro-me a nós brasileiros, já que no Brasil não se usa mais a mesóclise popularmente; não fazia ideia que em Portugal se usava, mas de novo, não é relevante para a compreensão da pergunta, então não importa muito. Apr 14 at 15:29
  • Sim, é melhor indicar o país porque aqui há muitos portugueses que participam. Acho que sim, tomar é importante para a pregunta. Por exemplo, a mesóclise é norma cultura, tomar o carro de nós, não. E os portugueses na fala usam os alguns dos outros.
    – Lambie
    Apr 14 at 15:41
  • @Lambie Tenho certeza que todos, até os portugueses, entendem que “tomar” é um verbo e que “tomar-no-lo-ão” é uma mesóclise desse mesmo verbo no futuro do presente e isso basta para entenderem o fundamento da minha pergunta. Não vejo necessidade em indicar o país, uma vez que é fácil ver que a pergunta não depende do regionalismo para ser compreendida, ou seja, não importa se a mesóclise é usada ou não aqui ou ali. Se você sabe o que é mesóclise, então você consegue responder a pergunta, se não sabe, não tem porque se incomodar e nem a mais ninguém. Apr 14 at 16:00
  • Desculpa, mas quando se faz uma pergunta, o registro tem importância. O problema não é o verbo tomar, e o "tomar de nós" que nunca apareceria numa mesóclise que é por definição norma culta. Em vez de me dizer que incomodo, deveria me agradecer o conhecimento. E se não me acredita, pergunta ao Jacinto. Falei aqui em país, porque ele é português, e sabe mais sobre tudo isso que qualquer outro participante.
    – Lambie
    Apr 14 at 16:15

1 Answer 1

8

Esta construção está atestada desde os primórdios da literatura em português, mas vai rareando hoje em dia. Exemplo de Ramalho Ortigão (1836 – 1915), citado por Manuel da Cruz Malpique (negrito meu em todas as citações):

Sede sátiros apenas, se o puderdes ser com a hipocrisia devida à morigeração das aparências. Satíricos nunca! As classes médias não vo-lo levarão a bem; as classe baixas levar-vo-lo-ão a mal

De outros grandes autores, temos far-no-lo-ão de Oliveira Marques (1988), dir-vo-lo-ei de Alexandre Herculano (1843), dar-vo-lo-ei de Almeida Garret (1842). E não poderíamos saltar Luís de Camões (Filodemo, ato 2, cena 2; edição de 1834)

[…] o caso he este; dir-vo-lo-hei; porém he necessário que primeiro vos alimpeis como marmelo, e que ajunteis para hum canto da casa todos esses maos pensamentos;

Depois temos agradecer-vo-lo-emos em carta do rei D. João II a Cristóvão Colombo (1488), e termino com um cantiga de amigo do século XIII (clica nos quadradinhos à esquerda para notas explicativas):

—Dizede-m’ora filha, por Santa Maria
[…]
Qual est o voss’amigo que mi vos pedia?
Se mi o vós mostrássedes, gracir-vo-lo-ia. [= agradecer-vo-lo-ia]
—Madr’, eu amostrar-vo-lo-ei

A propósito de far-vo-la-ei , diz o Ciberdúvidas (2008) que “é uma combinatória possível, mas complexa e rara”. Jorge Madeira Mendes (A folha, boletim da língua portuguesa nas instituições europeias, 2015), observa que formas como ter-vo-lo-emos e ter-vo-lo-íamos são gramaticais mas que há uma tendência incipiente já avalizada por alguns gramáticos jovens para substituir a mesóclise pela ênclise, resultando em coisas como teremo-las ou teríamo-las. O meu Word assinala erro nestas ênclises, mas não nos ter-vo-lo-ia, far-no-lo-ão, etc.


Observações:

As combinações mo, to, lho, no-la, etc. já não se usam no Brasil, mas usam-se em Portugal. Vê esta pergunta. O no-lo e vo-lo são raros na linguagem coloquial, mas mo, to, lho, etc. são relativamente comuns. A mesóclise é que é também relativamente rara na linguagem coloquial. Contribuem para isso a tendência a substituir o futuro por outros tempos (eu normalmente não digo o livro? levar-to-ei amanhã; digo antes levo-to amanhã ou vou levar-to amanhã) e a substituir o condicional/futuro do pretérito pelo imperfeito do indicativo (se pudesse, ajudava-te em vez de ajudar-te-ia).

7
  • Muito grato, amigo! Esclareceu-me muito. Dec 30, 2021 at 21:18
  • @єυlєтяicσ, com a tua correção, eliminei uma observação que agora seria inútil.
    – Jacinto
    Apr 14 at 15:34
  • Sim, Jacinto, sim, só que""tomar o carro de nós" não é registro alto. E a mesóclise em todo caso é um uso de norma culta, se não me engano. Acho importante falar nisso/disso.
    – Lambie
    Apr 14 at 15:46
  • @Lambie o que queres dizer com registro alto?
    – Fabricio G
    Apr 14 at 17:00
  • @FabricioG Norma culta.
    – Lambie
    Apr 14 at 17:11

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.