3

Algumas conjugações da segunda pessoa do plural (vós) terminam em -des, como pondes, tendes, vedes. Inclusive o infinitivo pessoal («para vós fazerdes») e futuro do subjuntivo («se fizerdes»). Ademais, algumas conjugações que, senão na segunda pessoal do plural, têm a, na segunda pessoal do plural, têm e: veria, verias, veríamos, mas veríeis.

Por que não seguem a regra e são teins, pões/põis, veis, fazêreis, fizéreis, e veríais, mataríais, etc.?

1
  • Uau, um brasileiro a perguntar sobre a segunda pessoa do plural. Estudioso! :)
    – ANeves
    Sep 17 at 8:16
3

O d de vós vedes, pondes, etc. é hoje exceção, mas foi a regra no português antigo. Só que, como explica a Gramática Histórica da Lingua Portuguesa de Manuel Said Ali (1931, p. 139-40), na maioria dos verbos esse d caiu. Exemplificando:

              latim           português antigo         português atual
vós:       amatis               amades                         amais
vós:       habetis              havedes                        haveis
vós:       dormitis            dormides                      dormis

Explica Said Ali que esta desinência -des (e -de no imperativo) se usava ainda no século XIV. Ora o que anconteceu foi que nalguns verbos o d resistiu. São eles: vós credes, ledes, vedes, ides, rides, pondes, tendes, vindes.

Diz Said Ali que o n de pondes, tendes e vindes é um “vestígio da consoante nasal dos radicais primitivos”. Por exemplo, o latin ponere deu no português antigo põer (→poerpôr): com a desinência -des, deu pondes; do mesmo modo (teneretẽerteerter; venire*vẽirvĩirvĩrvir; Said Ali, p. 171)

Estas exceções formam um padrão: são todos verbos monosilábicos (no infinitivo). E são quase todos os monosilábicos. Destes, só perderam o d o dar (vós dais) e o ser (vós sois), que ainda assim o manteve no imperativo (sede).

A desinência -des ficou intacta de regra no futuro do subjuntivo/conjuntivo (se vós fizerdes, souberdes) e no infinitivo pessoal (para vós fazerdes, saberdes); na maior parte dos verbos os dois tempos são iguais (se/para vós comerdes). Said Ali diz que mesmo nestes tempos houve alguma tendência para o d cair (encontam-se exemplos na literatura), e que a sua manuntenção definitiva se deve “naturalmene á necessidade ou conveniência, no tratamento cerimonioso, de diversificar a 2.ª do plural da 2.ª do singular”. É que o d é a única diferença entra as duas: souberes, souberdes; saberes, saberdes.

Ora este argumento aplica-se com igual força nalguns casos do presente do indicativo e imperativo. Caindo o d em vós rides, acabaria por dar vós ris, igual a tu ris. O mesmo com vós pondes: a pronúncia é /põdis/ ou, no português europeu atual, /põdɨs/; caindo o d ficaria igual a pões. Creio que o mesmo aconteceria com vós tendes e tu tens, pois tens é normalmente pronunciado como ditongo /tẽjs/ ou /tẽjʃ/. Nos outros casos, o plural e o singular não ficariam iguais, mas na maior parte deles ficariam muito parecidos: veis e vês, creis e crês. Se foi a necessidade de diferenciar suficientemente as formas que segurou o d também nestes casos, eu não sei. Onde não haveria necessidade nenhuma seria no ides: is, que não vingou mas está atestado, não se confundiria nunca com vais.

Condicional/futuro do pretérito: veríeis, havíeis, etc.

Esta terminação -íeis é a regra. Na língua atual. No português antigo, a terminação era -íades; com a queda do d, as vogais alteraram-se e passaram a -íeis.

Said Ali (p. 156) explica que nas línguas românicas o futuro simples do latim foi substituído por uma aglutinação do infinitivo ao presente do indicativo ne haver na sua forma contraída (sem o av): comerei = comer + hei, comeremos = comer + hemos de havemos. Do mesmo modo, o condicional (terminologia em Portugal) ou futuro do pretérito (Brasil) formou-se do infinitivo acrescido do imperfeito do indicativo de haver também na sua forma contraída: comeria = comer + hia de havia. Ora no português antigo o imperfeito do pretérito de haver era havíades, que deu no pretérito do futuro formas como comeríades, beberíades, etc. Com a queda do d, passaram a comeríeis, beberíeis, etc. Exceções, mas não nas terminações, que são sempre as mesmas, são so verbos dizer, fazer e trazer (no passado, também jazer), que perdem o -ze: eu farei, vós fareis, eu faria, vós faríeis.

6
  • Obrigado pela resposta. Interessante que havia "ris" e "is" na segunda pessoa do plural, e também que "vedes", "credes", "ledes" e "rides" vieram de "veer", "creer", "leer" e "riir". O verbo "ir" já é mais complexo. Obrigado de novo.
    – Schilive
    Sep 14 at 1:45
  • @Schilive, sempre às ordens. No tempo de veer tinhas veedes. Basicamente, no latim era videre, vos videtisveer, veedes (caiu o d e o t passou a d) → ver, vedes; do mesmo modo ridere, vos ridetisriir, riidesrir, rides, etc. A literatura medieval está cheia de veedes, creedes; só encontrei um riides; também há seedes, muito menos comum que sodes (→ sois).
    – Jacinto
    Sep 14 at 7:37
  • Acho interessante que em galego, a língua falada na Galiza (no Noroeste da Península Ibérica), esses tempos continuam a ser como no português antigo em quase todos os verbos, sem tirar o "d".
    – O' Bieito
    Sep 15 at 10:02
  • @O'Bieito, não sabia. Como ficou nos verbos em que o d caiu? Isto no português foi. curioso. Passar o t intervocálico a d foi comum. Cair o d intervocálico latino também aconteceu (sair, cair, ver, crer). Mas acontecer um coisa em cima da outra, passar o t a d, e depois esse d cair, acho que só mesmo nas terminações verbais.
    – Jacinto
    Sep 15 at 11:30
  • 1
    @O'Bieito e Jacinto. Podeis ver a conjugação no Wiktionary, como en.wiktionary.org/wiki/ver#Galician ou en.wiktionary.org/wiki/crer#Galician. Imagino que a evolução de "vedes" tenha sido videtis (latim) > veedes (g.-p.) > vedes (g.-p.), tanto que vedes aparece em textos antigos considerados em galego-português, no século XII; "credes" aparece em 1 texto do século XV, mas "creedes" aparece apenas em oito, então é possível "credes" já ter existido antes. Ou seja, aparentemente, o galego parou de evoluir em relação à segunda pessoa do plural e o português continuou, tirando dd.
    – Schilive
    Sep 15 at 20:37
0

" Porque não seguem a regra? "
Existe uma regra a respeito?

Vejamos alguns verbos da segunda conjugação no futuro do pretérito:

  • veria, verias, veria, veríamos, veríeis, veriam
  • poderia, poderias, poderia, poderíamos, poderíeis, poderiam
  • reveria, reverias, reveria, reveríamos, reveríeis, reveriam
  • leria, lerias, leria, leríamos, leríeis, leriam
  • precaveria, precaverias, precaveria, precaveríamos, precaveríeis, precaveriam
  • teceria, tecerias, teceria, teceríamos, teceríeis, teceriam
  • regeria, regerias, regeria, regeríamos, regeríeis, regeriam

Não parece haver uma regra onde a segunda pessoa do plural teria a terminação "ais"

A regra existente é que pelo verbo ver, conjugamos seus derivados antever, entrever, prever e rever; mas não prover e precaver.

3
  • Centaurus, obrigado pela resposta. Eu acho que não entendeste a minha pergunta. Eu não sei como explicar aqui no comentário, então, ... Obrigado!
    – Schilive
    Sep 13 at 19:59
  • @Schilive Por favor, explique. A sua pergunta é "porque não seguem a regra?". Foi a partir daí que elaborei minha resposta.
    – Centaurus
    Sep 14 at 16:09
  • Centaurus, eu quis perguntar o motivo da irregularidade aparente; p.ex.: por que "vejo" e não "vo"? A melhor resposta seria algo como "video" → "vidyo" → "vedjo" → "vejo". Ou seja, um motivo etimológico para isso. Novamente, obrigado pela resposta.
    – Schilive
    Sep 14 at 20:30

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.