4

Estava lendo as confissões de Santo Agostinho (editora petra, tradução de Frederico Ozanam Pessoa de Barro, p.124 do primeiro volume), quando me deparo com o seguinte texto:

Por isso Manés, afastando-se dessa regra, falou tanto sobre essas coisas, que, convencido de ignorante pelos que as conhecem bem, viu-se claramente o crédito que merecia em matérias mais obscuras.

Contexto:

  • Manés é o profeta criador do maniqueísmo.
  • As "coisas" se referem aos assuntos e discussões trazidas pelo profeta que, no entender do santo, não são proveitosas, por isso as classifica "como matérias obscuras".

Não entendi o que significa o predicativo(?) "convencido de ignorante pelos que as conhecem bem"

3
  • 1
    A minha interpretação de "essas coisas" é diferente. Creio que elas se referem a coisas terrenas (como previsão de eclipses), que não são necessárias à piedade (sentimento religioso). As "matérias mais obscuras" são, na minha opinião, outras matérias, diferentes das terrenas; se são "mais" obscuras, têm de ser outras. Numa tradução em inglês vem "abstruser", ou ’mais difíceis’, em vez de "mais obscuras".
    – Jacinto
    Aug 19 '21 at 21:21
  • 1
    Se "ignorante" se refere a "Manés" então, interpreto como "convencido de que é ignorante" ou "convencido da (sua) ignorância". Se assim for, "convencido de ignorante pelos que as conhecem bem" diria que Manés foi convencido de que é ignorante pelos que "as conhecem bem".
    – Schilive
    Aug 19 '21 at 22:40
  • Hellofriends, podes incluir a referência das tuas Confissões na pergunta (editora, ano, nome do tradutor, página). Isto é boa prática em geral quando se inclui uma citação, e seria especialmente útil (pelo menos para mim) neste caso. Eu suspeito que isto seja uma tradução antiga, ou adaptação de tradução antiga, o que explicaria a aceção arcaica de convencido.
    – Jacinto
    Aug 21 '21 at 6:19
5

Fulano foi convencido = ’foi provado que fulano é culpado’

Convencido de ignorante é no mínimo muito incomum e um arcaísmo. Poderá ter sido influência desta tradução espanhola de 1930, que usa precisamente essas palavras; este tipo de construção parece ser comum no espanhol.

Mas em português, do que vi nos dicionários e literatura, o normal seria convencido de ignorância ou convencido de ser ignorante. Mas isto induziria em erro o leitor atual: qualquer um pensaria que o Manés ficou persuadido de que era ignorante. Mas nas Confissões o verbo convencer é usado no sentido do inglês convict, sentido que caiu em desuso entre nós e que só se encontra em dicionários antigos, como no Raphael Bluteau (1712), Domingos Vieira (1873) ou no verbete original do Aulete:

[…] Convencer de 1. provar que é culpado de: O juiz convenceu-o de furto.

Então o que a passagem diz é que os que conhecem bem aquelas coisas provaram que o Manés era “culpado de ignorância”.

Encontra-se esta uso de convencer na literatura e imprensa do passado; a tentação de interpretar convencido como ’persuadido’ pode ser muito forte, mas clicando e lendo o contexto, verão que o significado é ’provado que é culpado’: “convencido de adultério” (Gazeta Jurídica, Rio de Janeiro, 1877), “homens convencidos de indiscrição” (Machado de Assis, 1891); “convencido de um momento de infidelidade” (Joaquim Manuel de Macedo, 1845); e encontramos esta linguagem numa lei ainda em vigor no estado de São Paulo (obrigado ao Loremlpsum, que ma trouxe à atenção), que pune com demissão o funcionário que “for convencido de incontinência pública e escandalosa”.

Interpretação das Confissões

Podemos confirmar que é esta a interpretação correta de convencido olhando o original em latim lado a lado com uma tradução em inglês de 1631:

[…] convictus ab eis, que ista vere didicissent

[…] confuted by those who had learned the truth of these things

Ora confute somebody (Oxford Learners Dictionary) significa ’provar que esse alguém está errado’. E o convictus do latim original é o particípio passado de convincere, que segundo o Etymoline entre outras coisas significava “convict of crime or error”, ou ’dar por provado que cometeu crime ou erro’. ; o dicionário de latim de Lewis e Short acrescenta “refute”, que partilha o significado de ’refutar’, entre outros, ’anular afirmações ou julgamentos de outrem de maneira categórica’ (Michaelis 4). Então em português, e para evitar a confusão do arcaísmo convencer, poderíamos dizer:

Manés […] falou tanto dessas coisas, que, provada a sua ignorância pelos que as conhecem bem […]

ou simplesmente

Manés […] falou tanto dessas coisas, que, refutado pelos que as conhecem bem […]

Isto faz sentido no contexto geral. Começando no livro V, capítulo III (têm aqui esta tradução em português; não consegui encontrar a citada na pergunta), Santo Agostinho diz que comparou os ensinamentos de Manés sobre coisas terrenas (movimentos dos astros, eclipses e coisas assim) com os dos antigos filósofos, e concluiu que Manés está errado. Então é isto que ele quer dizer com “convictus” ou refutado pelos que as conhecem bem [essas coisas]”: os antigos filósofos (na verdade, os seus ensinamentos) provaram que Manés estava errado. E se ele estava errado acerca de coisas terrenas quanto mais não estaria acerca de coisas mais complexas, divinas. Note-se que não há nas Confissões qualquer sugestão que o Manés tenha reconhecido os seus erros, ou que ele tenha sequer dado atenção aos ensinamentos dos filósofos. Logo o sentido que nos é familiar de convencer (’persuadir’) não se aplica ali.

6
  • 1
    perfeito! A resposta mais completa que eu poderia querer. Obrigado. Aug 20 '21 at 1:02
  • @hellofriends, ah... és muito gentil e pouco ambicioso :) Fico contente que tenhas gostado.
    – Jacinto
    Aug 20 '21 at 19:35
  • @hellofriends, fiz algumas alterações: expliquei melhor o contexto daquele trecho; reforcei uns pontos aqui e ali, e inclinei-me agora mais para convencer de implicar não só que ficou provado que a pessoa fez algo, mas também que a pessoa reconhece isso; é que vários dicionários antigos sugerem isso.
    – Jacinto
    Aug 20 '21 at 20:41
  • @LoremIpsum, esse exemplo é excelente! O primeiro natural, fora de um dicionário, que eu vejo. Então vejo com melhores olhos o "convencido de ignorância": no Estatuto deve ser irrelevante se o funcionário "convencido" admite ou não a sua culpa. Mas a verdade é que não temos nenhuma outra palavra para esse sentido de "convencido": temos de dizer "declarado culpado, julgado culpado em tribunal" ou coisa assim. Arcaísmo: aquilo são possivelmente traduções antigas, ou adaptações de traduções antigas; a que eu linkei foi publicada por uma organização religiosa, sem nome de tradutor nem nada.
    – Jacinto
    Aug 21 '21 at 6:02
  • Interessante, Jacinto. Eu jamais teria pensado nisso, já que convencido de ignorante não me parece estranho — um pouco diferente, mas não estranho. Parabéns pela resposta!
    – Schilive
    Aug 22 '21 at 1:07

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.