7

Exceto com palavras estrangeiras (p.ex., idem, /ˈidɛm/) e vários portugueses que falam sem como /sɐ̃j̃/ (semelhante a ãe em mãe), sempre vejo falando alguém, nem, outrem, garagem com e fechado, mas muitas são grafadas com é, o qual geralmente se considera aberto, como em légua e pérola.

Então pergunto: por que se escreve alguém em vez de alguêm?

No Brasil, a palavra sêmen, por exemplo, se grafa com ê porque é fechado no Brasil, porquanto é nasal, então, grafar e nasal com ê não é algo proibido de acontecer; outrossim, há têm.

5
  • 1
    Boa pergunta. Especialmente no pt-br esse acento agudo numa vogal fechada parece estranho - embora existam outros exemplos, como "também". Questão relacionada ou duplicada: portuguese.stackexchange.com/q/569/2764 .
    – stafusa
    Jul 4, 2021 at 23:01
  • Acho que em pt-PT a vogal é aberta.
    – Centaurus
    Jul 5, 2021 at 0:03
  • @Centaurus, não sei hoje, exceto os portugueses que falam "ãe", mas, no século XIII, era fechada.
    – Schilive
    Jul 5, 2021 at 0:37
  • Oxítonas com sílaba tônica terminada em ditongo nasal -em ou -ens são acentuadas.todamateria.com.br/regras-de-acentuacao
    – Lambie
    Jul 5, 2021 at 20:36
  • Boa pergunta, também percebi isso quando aprendi a escrever (há muito tempo). Considerei que era apenas uma exceção (por motivos históricos desconhecidos) e como, apesar de ilógico, era totalmente previsível, esse acento não incomodava tanto quanto outros tipos de exceção.
    – marcus
    May 19, 2022 at 16:16

2 Answers 2

1

É simples. Escreve-se “Também,Alguém…” porque em português europeu, pronuncia-se com a vogal aberta, logo, o acento é agudo. Já vi documentos históricos antigos onde, no Brasil, “tambêm” era escrito com acento circunflexo, justamente por ser o que articulamos. Há, entretanto, a possibilidade de tais vocábulos serem escritos assim para diferenciar alguns que têm diferenciação para a forma singular e plural. Exemplo: “Ele obtém” e “Eles obtêm”.

Há outros grupos de palavras onde ocorre praticamente o mesmo caso, porém esses são adaptados à região. “Sinônimo, Atômico, Antônio (BR) e Sinónimo, Atómico e António (PT)”.

3
  • 1
    Boas-vindas ao Portuguese SE! Obrigado pela contribuição, se você pudesse adicionar uma referência ou link às fontes que você menciona, seria ótimo.
    – stafusa
    Aug 14, 2022 at 14:51
  • Isto não é verdade, em português europeu padrão também rima com mãe. Em nenhuma região, que saiba, é pronunciado com o e fechado.
    – Artefacto
    Aug 16, 2022 at 10:28
  • É sim, na verdade a pronúncia do português padrão é limitada ao falar de Lisboa. No norte principalmente o ditongo é como no Brasil. May 11, 2023 at 21:45
1

Primeiro, não há distinção fonológica entre vogal nasal fechada e vogal nasal aberta, logo a princípio não importaria se fosse "alguém" ou "alguêm". (Eu, pelo menos, pronuncio como [ẽ̞ɪ̯̃], um ditongo que inicia com um elemento intermediário entre aberto e fechado; a nasalização porém dá a aparência de que a vogal é fechada.)

(Há em dialetos europeus distinção fonológica entre vogais não nasais fechadas e abertas antes de consoantes nasais.)

Por que então escrever "amêndoa" e não "améndoa", mesmo que a vogal nasal (e não nasalizada!) tenha a mesma pronúncia que em "alguém"? Para tal decidi pesquisar nas reformas ortográficas históricas.

Em Bases da Ortografia Portuguesa (1885) [1], há as partes relevantes:

5.º bis. Todo vocábulo terminado em a ou as, o ou os, e ou es, proferido com acentuação noutra sílaba que não seja a penúltima, tem a acentuação marcada na escrita. São innúmeros os exemplos; [...]

[...]

6.° bis. [...] Ex.: [...] pénsil, pénseis; [...]

[...]

N.B. Pelo princípio 5.º bis devemos escrever e escrevemos: porém, ninguém, também, além, etc.; deveríamos, todavia, usar da ortografia: porẽe, ninguẽe, tambẽe, etc. Deixámos êste ponto para o Congresso.

No Diário do Governo português de 1911-09-12, página 3847 (primeira coluna, sexto parágrafo) [2]:

O ditongo em, quando predominante em polissílabos, receberá o acento circunflexo, com em armazêm, armazêns, porêm [...].

Já no Acordo Ortográfido de 1945 [3]:

XX

Emprego do acento circunflexo nas formas da terceira pessoa do plural têm, vêm, contêm, convêm, etc., gràficamente distintas das terceiras pessoas do singular corresponde — tem, vem, contém, convém, etc. Essas formas terão emprego exclusivo na escrita corrente, preterindo assim as flexões tẽem, vẽem, contẽem, convẽem, etc., que se consideram como dialectais.

Em suma:

  • Antes uns propuseram usar "ém" em todos os casos, e outros propuseram usar "êm" em todos os casos.
  • O Acordo de 1945 propôs o sistema como é atualmente, no qual "êm" (para a vogal nasal graficamente acentuada) é usado exceto no final das palavras, onde ém o substitui, a fim de que "êm" final seja usado unicamente para os verbos 3ª pl. têm, vêm, etc., que não são mais grafados com e duplo.
  • Depois o Acordo de 1990 permitiu variantes académico/acadêmico (aqui as vogais são só no máximo nasalizadas, não fonologicamente nasais, e com efeito a distinção de timbre antes de m e n ocorre em dialetos europeus); não alterou a acentuação do êm/ém no final da palavra ou seguido de consoante.

Obs.: o Acordo de 1990 [4] escreve "Note-se que se as vogais e e o, assim como a, formam sílaba com as consoantes m ou n, o seu timbre é sempre fechado em qualquer pronúncia culta da língua, recebendo, por isso, acento circunflexo", faltando erroneamente a menção ao "ém" final.

[1]. https://purl.pt/437

[2]. https://files.dre.pt/gratuitos/1s/1911/09/21300.pdf.

(Ligações encontradas em https://pt.wikipedia.org/wiki/Reforma_Ortogr%C3%A1fica_de_1911.)

[3]. https://pt.wikisource.org/wiki/Acordo_Ortogr%C3%A1fico_da_L%C3%ADngua_Portuguesa_(1945)/I

[4]. https://pt.wikisource.org/wiki/Acordo_Ortogr%C3%A1fico_da_L%C3%ADngua_Portuguesa_(1990)

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service and acknowledge you have read our privacy policy.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.