4

Foi-me dito que frases como a seguinte estão erradas:

fico/fiquei feliz que tenham/tivessem vindo

No entanto, se por um lado ninguém parece capaz de explicar porquê, por outro nunca aparecem construções semelhantes como exemplos de uso do conjuntivo, seja na Internet ou na gramática do Celso Cunha e Lindley Cintra. A minha dúvida é se estão erradas e qual a razão?

3

As tuas frases estão corretas. Temos um exemplo com a mesma estrutura na Gramática do Português da Gulbenkian (Lisboa, 2013, tomo II, p. 1889; formatação minha):

E houve muita gente que ficou e ele provavelmente ficou contente que tivessem ficado.

O trecho a negrito é perfeitamente paralelo às tuas frases:

Fiquei [feliz que tivessem vindo]
Fico [feliz que tenham vindo]

Aplicando a análise da Gramática do Português (p. 1875-7) à última frase, por exemplo, o que nós temos é um sintagma adjetival — feliz que tenham vindo — constituído por um núcleo, feliz, e pelo seu complemento: a oração completiva oracional finita que tenham vindo; diz-se completiva porque completa o sentido de feliz; não se afirma que a pessoa está feliz em geral; simplesmente que ela está feliz com a vinda deles.

Há nestas frases duas coisas corretas mas que poderão gerar estranheza, e que vale por isso a pena esclarecer.

Possível preposição suprimida em feliz (?) que tenham vindo

Os complementos de adjetivos são normalmente introduzidos por uma preposição. A Gramática do Português (p. 1874) explica que a preposição é obrigatória quando o complemento é uma expressão nominal (como feijoada) ou uma oração infinitiva (comer uma feijoada):

Estamos todos [desejosos de feijoada]
Estamos todos [desejosos de comer uma feijoada]

Mas a preposição é frequentemente opcional quando o complemento é uma oração finita. Exemplos da Gramática (p. 1873 e 1877) em que a preposição entre parênteses é opcional:

Estamos todos [desejosos (de) que esta semana passe depressa]
Eles estão [ansiosos (por) que ela chegue]

Então põe-se a questão: qual é a preposição opcional suprimida nas nossas frases? E aqui há uma coisa curiosa. Normalmente um adjetivo usa a mesma preposição com qualquer tipo de complemento, como se vê acima no caso de desejoso, em que a preposição é sempre de. Mas com os adjetivos feliz, contente e satisfeito, a preposição varia com o tipo de complemento:

  • com complementos nominais, preferem a preposição com (feliz com a chegada do filho);
  • com orações infinitivas, preferem por (feliz por o filho ter chegado; no passado também se encontra de o filho ter chegado);
  • e com orações finitas, quando usa preposição, é de, como neste exemplo do dicionário de Moraes Silva (1890) “contente de que [a vontade de Deus] se faça” ou neste mais recente do Pe. Omar (2012), “fico feliz de que sejamos […]”. No entanto de longe o mais comum, com orações finitas, é não usar preposição nenhuma. Andei a vasculhar o Google Books, e esta preferência parece vir pelo menos já do século XV, como nestes exemplos de Fernão Lopes (1385 – 1460), “contente que ele fosse um deles” e do Padre António Vieira (1608 – 97) “contente que […] se queime”.

Uso do conjuntivo/subjuntivo

Nas tuas frases, o verbo do complemento oracional finito está no conjuntivo (termo preferido em Portugal) ou subjuntivo (preferido no Brasil): que tenham vindo (pretérito perfeito), que tivessem vindo (pretérito mais-que-perfeito). No entanto referem um evento real: a frase, por exemplo, fiquei feliz que tivessem vido implica que eles realmente vieram. Isto poderá causar uma certa estranheza, porque conjuntivo está normalmente associado ao incerto, potencial, hipotético.

Mas este uso do conjuntivo está correto. Explica a Gramática do Português (p. 1841-2) que nos complementos oracionais finitos o indicativo só se usa para transmitir uma atitude de conhecimento (sei que ele chegou, estou certo (de) que ele chegou). Para outras atitudes usa-se o conjuntivo. Nomeadamente, e passo a citar:

De uma forma geral, selecionam o conjuntivo no verbo da oração subordinada:
[…]
(iii) Os predicadores que expressam uma atitude de avaliação perante um dado estado de coisas, como os verbos detestar, gostar (de), lamentar, suportar e tolerar, entre outros; lexias verbais achar bem/mal, o nome pena, os adjetivos agradável, bom, insuportável, lamentável e triste, entre muitos outros, como se ilustra a seguir:

(82)   a. Lamento/Detesto [que o João tenha decidido sair do país].
          b. É triste [que eles se comportem dessa forma].

Apesar de, tipicamente, o modo conjuntivo estar associado ao domínio do incerto ou do hipotético, não existe uma relação direta entre conjuntivo e “não realidade”. Com efeito, os predicadores avaliativos, como lamentar ou triste, permitem inferir a verdade da proposição expressa no complemento; porém não selecionam o indicativo (cf. eu lamento que a Maria tenha visto o filme, frase na qual o uso do verbo lamentar como predicador da oração principal permite inferir a verdade da proposição ‘a Maria viu o filme’; cf. 36.4). Este facto deve-se ao tipo de modalidade envolvida, que não é epistémica e sim avaliativa.

Também em fico feliz que tenham vindo, a atitude não é epistémica mas sim avaliativa; é o mesmo tipo de atitude que em gostei que tivessem vindo, por exemplo, em que gostar (de), como diz a Gramática, exige o conjuntivo no complemento oracional.

1

Em geral essas frases não estão erradas. Por exemplo, a frase

Fico feliz que tenham vindo.

está perfeitamente correta. "Tenham" (por si só) é uma conjugação de "ter" no presente do subjuntivo (também chamado de conjuntivo) simples, e acompanha a conjunção "que". Quando combinado com o particípio do verbo "vir" ("vindo"), temos o presente do subjuntivo composto do verbo "vir": "tenham vindo".

Exemplos do presente do subjuntivo composto podem ser encontrados nesta página para a terceira pessoa do singular ("ele") e a primeira do plural ("nós"):

Penso que ele já tenha saído.

É possível que nós tenhamos guardado esse documento.

A frase "Fiquei feliz que tivessem vindo" parece-me sintaticamente correta (uma conjugação do pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo do verbo "vir"), mas semanticamente incorreta, pois "que tivessem vindo" conota uma possibilidade que poderia ter se realizado porém não aconteceu, o que não é bem acomponhado por "fiquei", que conota algo que realmente se passou. Duas alternativas parecidas mas com sentido diferente são corretas:

Ficaria feliz se tivessem vindo

O exemplo acima significa que, se a possibilidade de eles virem tivesse se realizado, então eu ou alguém teria ficado feliz.

Note que aqui usei o "se" ao invés do "que", que parece mais natural por tratar-se de uma situação hipotética. Não tenho certeza se "Ficaria feliz que tivessem vindo" está correta ou não, mas aos meus ouvidos não soa natural.

Fiquei feliz que tenham vindo

Já esse exemplo é parecido com o exemplo inicial "Fico feliz que tenham vindo", porém expressa essa felicidade num momento passado ao invés do presente.

Pode-se encontrar exemplos da conjugação destes tempos na mesma página citada acima.

11
  • Tens aqui vários equívocos. Nos exemplos da pergunta, não tens o presente e “o pretérito”: tens o pretérito perfeito (tenham vindo) e o pretérito mais-que-perfeito (tivessem vindo) do verbo vir. Simplesmente tivessem é o pretérito imperfeito, e pode perfeitamente vir acompanhado de que: “pediu-lhes que tivessem coragem”; a página que indicaste é muito básica, mas mesmo assim encontras lá “mesmo que comesse”. >>
    – Jacinto
    Jan 3 at 10:29
  • >> Mas o facto de um ou outro tempo do subjuntivo poder vir acompanhado de que, não quer dizer que uma construção em particular esteja certa ou errada. Eu inclino-me a pensar que não há erro nenhum em qualquer das frases (feliz que tenham/tivessem vindo), mas não encontrei na tal página nenhuma construção do mesmo tipo (apesar de tu dizeres que há).
    – Jacinto
    Jan 3 at 10:30
  • @Jacinto: Eu procurei ignorar a distinção subjuntivo simples/composto (focando-me na conjugação do auxiliar apenas no caso do composto) mas de fato pode parecer impreciso, por isso reformulei a resposta para ressaltar esta distinção. Quanto a usar o pretérito imperfeito do subjuntivo com "que", de fato é possível ao contrário do que eu tinha dito, por isso corrigi. De qualquer maneira parece-se estranho dizer "Ficaria feliz que tivessem vindo", mas não sei dizer se é gramaticalmente incorreto.
    – user118967
    Jan 7 at 11:40
  • Quanto a exemplos, eu me referia a exemplos das conjugações, não a exemplos de "se" ou "que" com o subjuntivo composto, que a referida página parece realmente não incluir.
    – user118967
    Jan 7 at 11:40
  • 1
    Perfeitamente de acordo: "fico feliz que tenham vido; fiquei feliz que tivessem vindo". Creio que houve um mal-entendido. Deves ter lido mal um comentário meu anterior (6 acima, Jan 10 at 19:15). Repetindo e elaborando: eu estranhei a sugestão na tua reposta, "fiquei feliz que tenham vindo", precisamente porque eu entendo a vinda como anterior ao "fiquei", que já está no pretérito. Mas vi entretanto, que essa construção é frequente na literatura brasileira; também com o indicativo, tipo "fico feliz que vieram".
    – Jacinto
    Jan 17 at 10:02

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.