4

Eu nasci no Brasil, SP, SBC. Aqui, não se fala "vós"; digo, não é algo regional.

Porém, eu amo a conjugação e as desinências: convosco, sois, estais. Também adoro as conjugações com acento, "estáveis", e o imperativo, "fazei", "matai-o!".

Eu fiz um teste no Omegle, um site em que se conversa com estranhos aleatórios, perguntando se entendiam e se achavam chato o uso de "vós". Eu acabei perguntando para 17 pessoas, 16 disseram que entendiam perfeitamente e não achavam chato; boa parte, na realidade, disse que não achava nem chato nem legal, como se não importassem. 1 estava neutro, porque não se importava.

Após isso, eu comecei a pensar se, se eu não soubesse a conjugação, eu entenderia. Cheguei à conclusão que sim, talvez não entendesse "para fazerdes", mas entenderia por eliminação e contexto, sem muito esforço -- muitas pessoas falam "para vocês ir", então, fica fácil.

Tendo tais informações em mente, as pessoas realmente me entenderiam se eu falar "vós" em vez de vocês"? Nas situações que o usei, fui entendido, mas isso não diz rem.

P.S.: eu uso "tu", mas as pessoas o entendem tranqüilamente.

A quem disser que é uma pergunta opinativa: não digo que estás errado, mas que eu apresentei observações, podendo quem responder usar próprias observações, e estou pedindo a alguém por uma conclusão lógica, já que não me julgo competente de concluir -- afinal, eu vou sempre tender para um certo lado. Eu não gostaria duma resposta "sim" ou "não", mas aceitarei a melhor.

  • 2
    Eu acho que a maioria entenderia porque essas palavras, apesar de não serem de uso frequente na língua falada, são ensinadas nas escolas. Além disso, são comuns na Bíblia e nas orações de modo que boa parte das pessoas deve estar habituada com elas. – Pedro Jul 25 at 11:35
  • @Pedro, não posso votar por algum motivo, mas eu não tinha pensado na Bíblia. – Marius Jul 25 at 14:25
  • 1
    Marius, não podias votar porque ainda não tinhas chegado a reputação 15; agora já deves poder. Não compreendo é qual é exatamente a pergunta. Porque poder usar o tratamento por vós, é claro que podes; ninguém te impede. Eu uso por vezes, na brincadeira. No norte de Portugal ainda há quem use; vê esta pergunta e links que já há. – Jacinto Jul 26 at 10:10
  • 1
    E em todo o Portugal é muito comum usar vosso, vos no tratamento por vocês, paralelo ao uso de teu, te com você no Brasil. Vê esta pergunta e também esta. – Jacinto Jul 26 at 10:14
  • Em português brasileiro o uso de pronomes de segunda pessoa é desencorajado por diversas gramáticas, como toda escola ensina esses pronomes, ninguém terá dificuldade em entendê-los. São formas provindas do latim, que permaneceram na gramática normativa. Até mesmo formas como Vossa Excelência ou Vossa Senhoria devem concordar com a segunda pessoa: Vossa Excelência está atarefado (vide: www4.planalto.gov.br/centrodeestudos/assuntos/…). – user8035 Jul 27 at 1:09
1
+50

Eu creio que te vão entender. Posso dizer isto apenas muito tentativamente no caso do Brasil; com confiança no caso de Portugal, onde nasci e cresci. E a razão é esta: no meio em que eu cresci, como na maior parte de Portugal, não se conjugam verbos na segunda pessoa do plural: diz-se vocês/os senhores estão, vão, não vós estais, ides. Nem tenho qualquer memória de ter aprendido estas conjugações na escola. No entanto eu compreendo-as.

Já várias vezes me perguntei como é que as aprendi. Creio que na igreja, que eu frequentava dominicalmente na minha infância, o padre usava estas conjugações. Pelo menos são elas que aparecem no Pai Nosso que eu conheço: “Pai nosso que estais nos céus […] perdoai as nossas ofensas […]”; também na “Ave Maria […] rogai por nós […]”. Também é possível que tenha encontrado estas conjugações em obras de ficção logo que comecei a ler: nalgumas histórias passadas em tempos antigos, as personagens tratam-se por vós. E na escola secundária lemos alguma literatura antiga — poesia medieval, crónicas do século XV, Camões— em que há o tratamento por vós.

Não me lembro de em qualquer momento não ter compreendido estas conjugações. E como a minha exposição a elas foi sempre passiva (ouvinte ou leitor, nunca falante) e muito limitada, estou em crer que as compreendi simplesmente pelo contexto, e que provavelmente qualquer falante nativo do português as compreenderá também.

A propósito de obras de ficção, ainda ontem por coincidência, vi na TV The Princess Bride, e nas legendas (em Portugal, séries e filmes estrangeiros, exceto infantis, são legendados) algumas personagens tratam-se por vós — para se dirigirem a várias pessoas, e também em vez do tu para se dirigirem respeitosamente a uma só, como no Pai Nosso e Ave Maria. É o mesmo n’Os Tudors, a passar neste momento em Portugal, e também n’A Guerra do Tronos, que passou há pouco tempo. (E depois tens personagens como o Hound a dizer a um companheiro coisas como, ide f***r-vos, tudo muito respeitosamente!). Isto são apenas três entre as dúzias de filmes e séries que podes ver na TV por cabo em Portugal, mas mostra que quem tratou das legendagens partiu do princípio que o público iria compreender.

Há um caso especial, o norte de Portugal, onde algumas pessoas ainda usam cotidianamente o tratamento por vós. A minha impressão é que são uma minoria, mas mesmo quem não usa estará relativamente familiarizado. Vê os testemunhos pessoais na resposta e comentários a esta pergunta sobre a etiqueta no tratamento por vós no norte de Portugal.

Pronomes vos e vosso, vossa, etc.

Ao contrário das conjugações verbais da segunda pessoa do plural, os pronomes vos, vosso, vossa, etc. são usados por todo o Portugal, porque são usados com os pronomes de tratamento no plural. Por exemplo:

Vocês/os senhores esperem aqui, que eu já vos mostro os vosso lugares

Há puristas que insistem que com você/os senhores deve ser lhes mostro os seus lugares, mas esta mistura de tratamentos (só no plural) é aceite até mesmo em linguagem relativamente formal. Vê esta pergunta e mais esta.

| improve this answer | |
  • No Brasil, acho que também entenderão. Até porque "vós" é bem regular. Principalmente se souber o motivo da coexistência de "-des" e "-eis"; ex.: "fazeis, mas não era para fazerdes!". "matades" > "mata-es" hiato > "mataes" ditongo > "matais", pelo que sei, apenas aconteceu em "-d-" intervocálico (entre vogais), então, "tendes" não se tornou "teneis" ou "te~eis". – Schilive Aug 9 at 16:54

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.