6

Já vi, em alguns textos mais antigos, se escrever (1) "tratal-o" ao invés de "tratá-lo". Escrever-se "tratal-o" tem mais sentido, já que é como se o R tivesse "se transformado" em L — algo que não é incomum, em línguas. Não estou falando do acento.

Tendo isso em vista, por que foi mudada a grafia de "l-o" para "-lo"?

(1) http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM3270.htm

§ 13. Todos os libertos maiores de 60 annos, preenchido o tempo de serviço de que trata o § 10, continuarão em companhia de seus ex-senhores, que serão obrigados a alimental-os, vestil-os, e tratal-os em suas molestias, usufruindo os serviços compativeis com as forças delles, salvo si preferirem obter em outra parte os meios de subsistencia, e os Juizes de Orphãos os julgarem capazes de o fazer.

2

A grafia acertá-lo faz sentido porque os nossos pronomes o, a eram antigamente lo, la. Eis o que diz a Nova Gramática do Português Contemporâneo de Celso Cunha e Lindley Cintra (Lisboa, 2014, p. 358):

1.ª As formas antigas do pronome oblíquo objeto direto eram lo(s) e la(s), provenientes do acusativo do demonstrativo latino ille, illa, illud (= aquele, aquela, aquilo). Pospostas a formas verbais terminadas em   -r, -s ou -z, o seu l- inicial assimilou aquelas consoantes, que depois desapareceram:

        fazer-lo > fazel-lo > fazê-lo
        fazes-lo > fazel-lo > faze-lo
        fiz-lo > fil-lo > fi-lo

A assimilação mencionada acima refere-se ao primeiro passo: o l- assimilar o -r, -s e -z significa torná-los semelhantes a si. Manuel Said Ali (Gramática Histórica da Língua Portuguesa, 1931, p. 36-35) dá a mesma explicação.

Agora, até ao século XVI, a tua questão não se punha, porque, explica Said Ali, o pronome enclítico se escrevia pegado ao verbo, sem hífen. Diz ele que o Padre António Vieira (1608-1697) ainda escrevia assim. Depois passou a escrever-se fazel-o, fil-o, etc., e as reformas ortográficas de 1911 em Portugal e 1943 no Brasil é que oficializaram a grafia atual (isto explico eu, que o próprio Said Ali ainda escrevia com o l antes do hífen).

Não encontrei ninguém que justificasse diretamente a mudança da posição do hífen. Para mim faz sentido, porque podemos conceber o lo, la como as formas antigas dos pronomes: o -r, -s e -z não passariam a -l se não estivesse lá originalmente o l- do lo, la. O Formulário Ortográfico de 1911 (XXXIV — outro empregos do hífen) vai ao ponto de dizer que:

São erros inadmissíveis, mas muito frequentes, louval-o, devel-o, punil-o, etc.

Não justificam esta posição, que me parece extremista e absurda. Eu acho acertá-lo mais razoável que acertal-o, mas em 1911, acertal-o era a convenção geral. Eu tenho lido edições antigas de livros do Machado de Assis, Eça de Queiroz, Alexandre Herculano e outros clássicos, e todos eles escreviam fazel-o, fil-o; o Fernando Pessoa ignorou a nova ortografia oficial e continuou a escrever na antiga. Não se pode acusar uma pessoa de cometer um erro inadmissível por ignorar uma norma ortográfica acabada de ser instituída e continuar a escrever como aprendeu.

| improve this answer | |
  • Eu achava que era "fazer-o" -> "fazê-lo". Mas assim tem mais sentido, realmente. – Schilive Jun 15 at 23:38
  • 1
    @Schilive, eu não sei se alguma vez tinha pensado alguma coisa. A exposição na Gramática Histórica (link na resposta) é muito interessante. Dá exemplos antigos, fosteslo (foste-lo), creerlos (crê-los), e coisas que já não se usam, como todolos, formado pelo mesmo processo de todos + los. – Jacinto Jun 16 at 7:10

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.