8

A regência do verbo ir aceita as preposições a e para, mas qual é a diferença?

Exemplos:

Irei à casa de meus pais amanhã.
ou
Irei para casa de meus pais amanhã.

Qual a diferença de "Ir a" e "Ir para"?

  • 1
    Pelo que me lebro, "ir a" é mais temporario, tipo "ir a praia". "Ir para" é mais permanente, "em Setembro vou para Inglaterra". É isso? – mikolas Aug 8 '15 at 22:06
  • No Brasil tanto faz. – bfavaretto Aug 9 '15 at 0:10
  • @bfavaretto A sério? Tu dizes espera um pouco, vou para a cozinha buscar um suco? Em Portugal é obrigatório vou à cozinha neste caso. – Jacinto Apr 19 '16 at 7:24
11

Como já foi dito, e como é dito aqui (e em várias outras fontes), em si, o significado é quase o mesmo, apenas teria uma diferença na permanência da ida.

"Ir a" indica que é uma ida passageira, que será por apenas um tempo, não definitiva.

Já "ir para" seria uma ida definitiva, permanente.

João pensa em ir a Brasília.

Fazer uma visita, passear, resolver algum assunto, etc.

João pensa em ir para Brasília.

Se mudar para lá, ir e permanecer ali.


Porém, apesar dessa diferença, em situações informais (pelo menos no Brasil) muito dificilmente alguém faz essa diferenciação, dizendo sempre "para" (ou o mais comum "ir na"), mas sem ter em momento algum a intenção de especificar se vai ficar ali ou não, simplesmente vai.

  • 3
    Em Portugal há definitivamente uma diferença: "vou para a caixa" (aguadar na fila e depois pagar), "vou à caixa" (perguntar qualquer coisa à empregada). "vou para casa" (e lá ficar), "vou a casa" (buscar qualquer coisa). Não estou a ver os dois a serem trocados. Claro que nalguns casos é mais difícil de distinguir: "vou para a praia o resto da tarde", "vou à praia o resto da tarde" significam mais ou menos a mesma coisa. – Artefacto Aug 9 '15 at 16:23
  • No Brasil ninguém faz diferença mesmo, acredito que nem em situações formais. – bfavaretto Aug 10 '15 at 1:12
  • @bfavaretto Geralmente no Brasil se ouve pessoas dizendo que o mais correto é "ir a" e que "ir para" não é muito correto. (não tenho uma fonte aqui agora, mas é isso que sempre ouvi). Em situações formais, é bem mais comum se ouvir "ir a", mas não sei se é feita essa distinção (nunca parei pra perceber isso). – Yuuza Aug 10 '15 at 1:21
5

Esta resposta baseia-se na minha experiência de falante de português europeu, em que há uma diferença marcada entre ir a e ir para. Vários comentários nesta página sugerem que esta diferença é pouco marcada ou inexistente no Brasil.

Tradicionalmente diz-se, tal como na resposta do Bruno, que se usa a para estadas relativamente curtas no destino, e para para estadas relativamente longas ou permanentes. Grosso modo isto é verdade, e é preciso enfatizar o relativamente. Mas é insuficiente, como mostra o exemplo seguinte:

(a) Ana: — Vou passar um mês ao Brasil, sabias? Parto já amanhã.
Telefona o Pedro a convidar a Ana para ir à praia no dia seguinte.
(b) Ana: — Não posso. Vou amanhã para o Brasil.

A viagem é a mesma, mas num caso usa-se a, noutro usa-se para. A figura abaixo ilustra a diferença. Com a a Ana contempla a ida, a estada completa, e o regresso (ou continuação da viagem para outro lugar); com para, contempla a ida, mas não a estada completa nem o regresso.

enter image description here

Por isso vou amanhã ao Brasil é impossível neste contexto, porque implicaria ir e voltar no mesmo dia. Em (a), passar um mês destaca a estada completa, daí usar-se a. Não direi que vou passar um mês para o Brasil seja impossível, mas soaria muito estranho. O Google search confirma a minha estranheza: 24 vou passar um mês/dois meses/uns meses seguido de ao/à/a contra apenas 1 seguido de para o/para a/para; se for uma semana, é setenta contra zero (excluí falsos positivos).

Podemos generalizar a figura do ir para. As razões de não se contemplar a estada completa e regresso podem ser várias: a estada pode ser curta, mas o locutor quer focar apenas a ida; ou a estada pode ser permanente ou de duração indeterminada. A frase (b) presta-se em princípio a várias interpretações: ir passar o resto da vida no Brasil, ir por alguns anos, um mês ou só uns dias. O Pedro, sem perguntar mais nada, só poderia saber qual destas opções é verdadeira se tivesse conhecimento suficiente da vida da Ana.

O exemplo da pergunta é do mesmo tipo.

Irei à casa dos meus pais amanhã,

é em Portugal interpretado como ir e voltar amanhã (ou ir e continuar no mesmo dia para outro lugar); enquanto

irei para casa dos meus pais amanhã

implica que amanhã a estada ainda não estará completa e que se fica lá pelo menos até depois de amanhã.

No nosso exemplo nós forçamos a escolha entre a e para com o amanhã e o passar um mês. No exemplo seguinte os indicadores do momento de partida e duração da estada estão apenas implícitos, mas forçam igualmente a escolha entre a e para:

(c) Bela: — Vou para a reunião. Vens?
João: — Não, quero acabar uma coisa.
(d) Bela: — Não vens à reunião?!
(e) João: — Vou à reunião, mas não vou já. Ainda faltam dez minutos; já lá vou ter.

Em (c) a Bela usa para para focar a ida; é como se dissesse, vou agora pôr-me a caminho da reunião. Em (d) e (e), foca-se a estada completa na reunião, como se se dissesse, participarei na reunião. Em (c), vou à reunião faria sentido se estivesse em dúvida se a Bela iria ou não à reunião, e ela quisesse então anunciar que sim, que iria (e a reunião não teria que ser naquele momento; poderia ser até noutro dia).

Na verdade, com eventos, como reunião, aula, festa, jantar, manif, cinema, concerto, etc., ir ao evento significa intenção de participar no evento ou assistir ao evento (ou o verbo que for mais apropriado); ir para o evento significa estar a caminho do evento:

(f) Hoje não vou à escola porque estou doente.

(g) David: — Aonde vais com tanta pressa? Laura: — Vou para a escola; já estou atrasada.

Mesmo estando a caminho de um evento, o locutor pode preferir focar a participação no evento em vez da deslocação até ao local. Suponhamos que a Laura está a caminho de um concerto, e o David pergunta aonde vais com tanta pressa? A resposta mais natural é a que dá a informação mais relevante, e isso depende de o David já saber ou não que a Laura ia a um concerto. Se (a Laura penar que) o David não sabe, o mais natural é responder, vou a um concerto, focando a participação no evento; se ele já sabe, o mais natural é vou para o concerto, focando o que ela está a fazer no momento.

Nalguns contextos não faz grande diferença usar-se a ou para. Suponhamos que o Tiago vem procurar a Carla, mas encontra a mãe dela, que lhe explica que a Carla não está. As opções (h), (i) e (j) poderiam ser usadas para o efeito; só a (k) não faria sentido:

(h) A Carla foi para a praia.
(i) A Carla foi à praia.
(j) A Carla foi para a praia.
(k) *A Carla foi à praia.

As opções (h) e (i) dão a mesma informação. Toda a gente sabe que quando se vai à praia, se fica lá umas horas. Portanto foque-se (h) a deslocação para a praia ou (i) a ida, estada e regresso, dá no mesmo: a Carla está ou a caminho da praia ou está na praia, e só volta mais tarde (a opção (i) é compatível com a Carla já ter regressado, mas o contexto permite concluir que não é assim). A opção (j) dá a mesma informação, mas pressupõe que o Tiago já sabia que a Carla ia à praia nesse dia. Já (k) tem um significado diferente: a Carla já fez uma sessão de praia (nessa estação balnear), possivelmente dias ou semanas antes; o a indica estada completa e regresso, e o com o verbo no pretérito perfeito indica que tudo isso já aconteceu. Já foi para indica apenas que ela já saiu de casa em direção à praia.

Muitos verbos funcionam só com para. Uns, como emigrar, pressupõem uma estada indefinidamente longa no destino. Outros põem o foco no momento da partida, como partir e * abalar*; contraste-se com ir a/para:

(l) O primeiro-ministro partiu para Madrid para conversações como o seu homólogo espanhol.

(m) O primeiro-ministro foi a/para Madrid para conversações como o seu homólogo espanhol.

Como em (i), a em (m) é compatível com ele já ter regressado de Madrid; para não é.

Finalmente, contrariamente a muitas explicações que encontrei, ir a é compatível com estadas longas:

A mão de Zola não lhe tremeu ao escrever o J’accuse e por o ter escrito contra o poder no poder foi passar uns anos a Inglaterra. Blog Portugal dos Pequeninos

João Pitta de Ortigueira […] Passou depois a viver na cidade de Tanger onde casou e deixou descendência. Parece que depois de viúvo, já velho foi passar uns anos a Caminha sendo em 1504 juiz ordinário nessa vila Geneall: Pitta de Castro

Mas eu consigo imaginar vir a com uma estada de trinta e tal anos:

Deus filho fez-se homem e veio à Terra iluminar o caminho dos homens.

3

No Brasil, coloquialmente, usa-se preferencialmente "para", ou melhor "pra", em quase todas as situações. Em algumas situações prefere-se "a". Exemplos:

  • "Vou à praia amanhã." (talvez para evitar o cacófato "vou pra praia")
  • "Vou ao cinema"
  • "Eu não vou à aula hoje"

Com frequência, ouve-se também formas incorretas como: "vou na casa de fulana", "você vai na festa?" uma vez que o correto seria "Vou a casa de fulana. Estou na casa de fulana".

Já com o verbo voltar, no brPT ouve-se apenas "voltar para casa", enquanto que em Portugal já ouvi a forma "Voltar a casa" algumas vezes.

  • No Brasil, o único lugar onde ouço alguém falar "ir a" é na televisão, seja em jornais, programas diversos, ou novelas infantis ou com atores amadores, fora isso apenas ouço "ir para". – Yuuza Aug 9 '15 at 17:16
  • @BrunoLopes Eu pessoalmente frequentemente uso "vou a/à" e costumava corrigir meus filhos quando diziam "vou na". Na cidade onde vivo a maioria das pessoas dizem "ir à praia". – Centaurus Aug 9 '15 at 20:52
  • É, "ir na" também é bem comum, sendo até mais do que "ir para/pra". – Yuuza Aug 9 '15 at 20:54

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.