3

Tendo como tema o predicativo do objeto, deparei-me com o seguinte exemplo:

Uns a nomeiam primavera. Eu lhe chamo estado de espírito. (C. D. DE ANDRADE)

Na 1ª oração, o substantivo primavera é o predicativo do objeto direto a; na 2ª, estado de espírito é predicativo do objeto indireto lhe.

Fonte: Cunha, Celso. Gramática essencial (Referência essencial) . LEXIKON EDITORA DIGITAL LTDA.. Edição do Kindle. (Pode se visto aqui.)

Do site Brasil Escola:

O pronome oblíquo “lhe” é substituto dos objetos indiretos, ou seja, dos complementos que possuem preposição.

Do Caldas Aulete, duas definições:

(no.me.ar)

v.

  1. Dar nome a; citar o nome de [td. : Só nomeou a peça depois de escrita.]

(cha.mar)

v.

(...) 11. Dar ou atribuir nome, apelido etc. a [tdp. : Os pais a chamaram Ana em homenagem a avó.]

A abreviatura "tdp." é usada pelo dicionário para indicar ocorrência de verbo transitivo direto e predicativo.

A minha questão inicial com o exemplo da gramática era o uso do pronome "lhe" (Por que não seria "Eu a chamo estado de espírito"?). E das definições encontradas do verbo chamar, essa foi a que me pareceu ser a mais próxima do sentido original. Se for mesmo esse o sentido empregado, o que essa transitividade significa? Ou seja, o que é um verbo transitivo direto predicativo?

  • 1
    Interessante. Possivelmente há várias regências. Aqui em Portugal, nós diríamos como o C. D. Andrade: "Eu lhe chamo estado de espírito". – Jacinto Apr 16 '20 at 19:18
  • Sem dúvida. Só me pergunto por que é "lhe" na segunda oração. – mjfneto Apr 16 '20 at 21:37
  • 1
    Porquê, não sei. Claramente Drumond usa chamar como transitivo indireto, como a própria gramática diz. Essa é a regência comum em Portugal de chamar nesse contexto. No Brasil o que eu esperaria era "eu a chamo de estado de espírito" (aceção 12 do Aulete, que me parece mais apropriada que a 11). O Drumond pode ter-se inspirado num escritor português, ou talvez brasileiro antigo. Poetas! – Jacinto Apr 17 '20 at 7:11
  • Excelente questão!! Agora eu também fiquei curioso, não lembro de ter aprendido a esse respeito – artu-hnrq Apr 18 '20 at 3:16
  • 1
    mjfneto, vê se gosta da minha edição do teu título; se não gostares é só clicares em "edit" e fazer "rollback" ou mudares à tua vontade. Eu achei útil referir "chamar" no título porque é o ponto central da questão. Permite outras pessoas com a mesma dúvida encontrar facilmente a pergunta (chamar é o único verbo que admite predicativo do objeto indireto). Outra coisa. Notei que aceitaste a minha resposta mas não lhe deste voto positivo. Naturalmente estás no teu direito. Mas há algum ponto que eu possa esclarecer melhor? – Jacinto Apr 23 '20 at 7:16
2

Na aceção relevante, o verbo chamar admite uma carrada de regências: chama-a jeitosa, chama-a de jeitosa, chama-lhe jeitosa, chama-lhe de jeitosa. Cito a Nova Gramática do Português Contemporâneo de Celso Cunha e Lindley Cintra (Lisboa, 2014, p. 647-9; nas fontes dos exemplos omito a obra e página):

3º [Chamar, n]o sentido de «qualificar», «apelidar», «dar nome», constrói-se:

a) com OBJETO DIRETO + PREDICATIVO:

O povo chamava-o maluco. (José Lins do Rego.)

[…]

b) com OBJETO DIRETO + PREDICATIVO (precedido da preposição de):

chamaram-no de mentiroso, de ingrato e de vítima. (Carlos Drumond de Andrade.)

c) com OBJETO INDIRETO + PREDICATIVO:

Chama-lhe amizade, se preferires. (Fernando Namora)

d) com OBJETO INDIRETO + PREDICATIVO (precedido da preposição de):

Chamava-lhe sempre de miúdo. (Luandino Vieira.)

A construção com objeto indireto (sem de) é de longe a mais comum em Portugal. De facto, não a encontro no dicionários brasileiros, mas encontra-se em autores brasileiros. Alguns exemplos (negrito meu):

O pessoal da imprensa chamava-lhe “Chicharro”, porque diziam que ele estava morto e não sabia; Érico Veríssimo, O Resto é Silêncio

Nada mais curioso, por exemplo, do que a definição que ele dava da fraude. Chamava-lhe o braço esquerdo do homem; Machado de Assis, A Igreja do Diabo

Fora disso, o mancebo praiano achava Cajazeiras de uma insipidez horrível, como ele mesmo dizia, carregando muito no ível. Chamava-lhe a Terra do Silêncio.
Manoel de Oliveira Paiva, Dona Guidinha do Poço

O primeiro teimou, o segundo não cedeu, até que um deles chamou ao outro pedaço d’asno
Machado de Assis, Bons Dias

  • Chamo e essa de uma excelente resposta! – artu-hnrq Apr 19 '20 at 12:38
  • 1
    @artu-hnrq, obrigado. Quando se encontra uma gramática que nos faz a papinha toda, é mais facil. – Jacinto Apr 19 '20 at 17:32
1

A regência do verbo chamar é mais complexa do que se pensa, não havendo também unanimidade entre todos os gramáticos. O verbo chamar apresenta uma pluralidade de significados, podendo atuar como verbo transitivo direto, transitivo indireto, transitivo direto e indireto, intransitivo e pronominal.

Este vídeo explica os dois casos https://www.youtube.com/watch?v=C69DS85xdNI

  • Isso não exatamente responde a questão, mas interessante saber! O vídeo não trata a transitividade pronomial.. essa que eu gostaria de conhecer – artu-hnrq Apr 18 '20 at 18:10

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.