12

I've noticed that "ah" is the only time when an h is used at the end of a word/interjection. Based in what I know, there's no "ah" without the h as an interjection.
Putting an h at the end is common in other languages , as in English ("oh", "ah", etc.). But in Portuguese, e.g. "ó" doesn't have an h at the end (or this is not the standard, at least).

Also there's "ih" and "uh".

This h at the end of these interjections come from Portuguese or are "imported" from another language(s)?


Pelo que percebo, "ah" é o único caso em que se usa um h no fim de uma palavra/interjeição. Que eu saiba não existe "ah" sem o h como uma interjeição.
Colocar um h no fim é comum em outros idiomas, como no inglês ("oh", "ah", etc.). Mas no português, como por exemplo "ó" não usa h no final (ou pelo menos não é esse o padrão).

Tem também "ih" e "uh".

Esse h no final dessas interjeições é do próprio português mesmo ou é "importado" de outra(s) língua(s)?

  • 1
    oh decididamente existe. ó é mais usado para chamar alguém. – Artefacto Aug 1 '15 at 16:33
  • Ah, afinal não foste ao evento. Excelente pergunta. – Jorge B. Aug 3 '15 at 8:13
7

Atualmente existem todas as combinações possíveis: ah, eh, ih, oh e uh (ver no Aulete). Ah e oh são antigas e já vêm, com h, do latim, em que também se escrevia simplesmente o em lugar de oh (Aulete). No entanto, em português, as grafias mais antigas são sem h: a, o e oo. Só passamos a encontrar o h do século XVI em diante; sistematicamente no caso do ah, esporadicamente no caso do oh; as grafias o e oo mantiveram-se até ao século XVIII. As restantes interjeições aparecem, com frequência apreciável, na literatura do século XIX (Corpus do Português); imagino que o h tenha sido por analogia com ah e oh.

Há uma diferença entre oh e ó, que está muito bem explicada no Dicio. Oh é uma interjeição de surpresa, desgosto, felicidade, etc. Na fala é seguida de pausa, que se pode indicar na escrita por ponto de exclamação, vírgula ou reticências

Oh! que coisa linda.

Eu a chamá-lo e ele, oh! a fingir que não ouvia.

Ó é também uma interjeição, mas tem função vocativa, para chamar a atenção:

Ó João, passa aí o vinho.

Ó meu malandreco, isso não se faz!

Segundo o linguista britânico Roger Fowler, citado no Etymoline, também no inglês há uma tendência para usar oh e o desta maneira: oh como interjeição independente, e o procliticamente, “inclinado” sobre a palavra seguinte, como em ó João, vem cá. Encontram-se no entanto em muitos livros em português oh em lugar de ó.


Segundo o Houaiss (Lisboa, 2002), ah encontra-se no português a partir do século XIII, e oh a partir do XIV. Mas o Houaiss indica as primeiras ocorrências de uma palavra independentemente da grafia. Nós encontramos ah em transcrições atuais de cantigas de escárnio e maldizer do século XIII, mas nas cópias mais antigas que encontrei, do Cancioneiro de 1527 da Biblioteca Nacional, o que se encontra é simplesmente a. Vejam por exemplo esta cantiga de Gil Peres Condes (que tem o til na vertical; q̃ era abreviação de que; senhor era masculino e feminino no português antigo):

enter image description here Cancioneiro de 1572, depois transcrição da Universidade Nova de Lisboa e a minha “tradução”.

Ou comparem esta transcrição desta cantiga de Mem Rodrigues Tenoiro e Julião Bolseiro com o original do Cancioneiro.

Mas a primeira edição d’Os Lusíadas, 1572, já traz ah:

enter image description here Luís de Camões, Os Lusíadas, 1572, canto X, f. 167.


Por esta altura a grafia ah já deveria ser comum, pois Duarte Nunez de Lião fala dela na sua Orthograhia da Lingoa Portuguesa de 1576. O autor oferece também uma explicação fonética para o h. Diz ele que o h assinala uma “aspiração ou assopro com que se pronunciam as letras a que se ajunta”, acrescentando que no português essa aspiração só se faz sentir nas interjeições ha ha e ah (original à esquerda; grafia atual à direita):

enter image description here Duarte Nunez de Lião, Orthograhia da Lingoa Portuguesa, 1576, f. 8.

Parece-me que o senhor tem razão: o ah de “ah! minha senhora, que pena” é diferente do à de “dê isto à minha senhora”.


O oh mais antigo que encontrei é de 1590 (minha transcrição à direita):

enter image description here Vasco Mousinho de Castelbranco, “Emblemas, De la musica enemigo”, Vida e Morte de Santa Isabel Rainha de Portugal, 1590, f. 102.

No entanto o que é comum ainda nesta época é o ou oo. Mas edições do século XVIII de obras deste período já trazem oh. Por exemplo, o Erros meus, má fortuna… de Camões vem com o numa edição de 1616 e já com oh numa de 1739:

enter image description here Luis de Camões, Erros meus... edição de 1616 e edição de 1739


Já no Auto da Alma de Gil Vicente, encontramos oo na edição original de 1561 e oh numa edição de 1834:

enter image description here Gil Vicente, Auto da Alma: original de 1561 e edição posterior de 1834


Não é de espantar que ah tenha substituído a no século XVI. A grafia portuguesa medieval era essencialmente fonética; a partir do renascimento foi fortemente influenciada pelos “redescobertos” clássicos gregos e latinos. Foi por exemplo por esta altura que história substituiu estória (ver esta minha resposta) e que desapareceram ome e omem, por homem (Corpus do Português). A adoção mais lenta de oh deveu-se talvez à coexistência de o e oh no próprio latim.

| improve this answer | |
  • +1 pelas imagens e pela antiguidade dos exemplos. – SC for reinstatement of Monica Feb 3 '17 at 16:54
  • @SaraCosta Obrigado. Nesta perguntas sobre origens, quanto mais antigos os exemplos, melhor. – Jacinto Feb 3 '17 at 18:01
4

O uso do h após as vogais, quando usado em interjeições, representa um breve alongamento na pronúncia. O uso é limitado a interjeições, não existindo em outras palavras. O h pode ser repetido tantas vezes quanto mais prolongado for o som, como por exemplo:

"Ah!": a fala é curta, como em uma surpresa. Pronuncia-se "AA!".
"Ahhhhhh....": som prolongado, como em um desapontamento; pronuncia-se "aaaaaammm".
"Ahhhhh!!!": um grito muito longo e prolongado, como quem viu um fantasma. Pronuncia-se "AAAAAAAAAAA".

O mesmo pode ser usado com i, o, u...

"ihhhhhhh...." = Usado para expressar desapontamento, pronuncia-se "iiiiiiiiii".

"Ohhhhhhhh..." = Usado para expressar surpresa, pronuncia-se "óóóóóóóó".

O numero de "h" usado na escrita depende do quanto se deseja prolongar na pronúncia.

Com o advento da informática, nos anos 90, os primeiros teclados de computador eram padrão americano (EUA), e não possuíam as teclas em português (ç, ~), não era possível escrever os acentos. Assim, muitas vezes para diferenciar o "á" ou "é" do "a" e "e", usava-se H no final da palavra, como em:

Peh = pé Babah = babá

Esse uso, entretanto, é recente ( apenas com o advento da informática), e não se confunde com o uso das expressões originais "Ah" que é muito antigo e se confunde com a origem da língua.

Atualmente, a maioria dos teclados e sistemas informatizados possui os acentos (padrão unicode), sendo muito menos utilizadas.

| improve this answer | |
-1

Pesquisei bastante e achei uma coisa sobre isso...

Primeiro que antigamente as máquinas de escrever e computadores na maioria das vezes não tinham teclados brasileiros, ou seja, sem acento. Então as pessoas usavam h após as palavras para substituir o acento.

Hoje em dia as coisas são mais confusas, conheço bastante gente que usa h nos finais das palavras justamente para "parecer mais" com americanos... Alguns também usam para dar mais "emoção" as palavras como ihhhh, etc. O resto já são aquelas pessoas que todos nós conhecemos bem, os inimigos da Língua Portuguesa

| improve this answer | |
  • 1
    Em Portugal usamos para mostrar admiração. "Ah ela é francesa, está explicado o sotaque." ou "Oh meu Deus ele fez isso?". – Jorge B. Aug 4 '15 at 11:26
  • Acho que até aqui no Brasil bastante gente usa assim também... – Marcos Sartorato Aug 4 '15 at 11:31
  • @MarcosSartorato Poderia postar o link? – Yuuza Aug 4 '15 at 17:41
  • Onde eu achei essa informação? Se sim, é um fórum bem bagunçado e com as postagens de 2008... – Marcos Sartorato Aug 4 '15 at 17:45
  • Usa-se o eh no lugar de é, ou estah para está, quando não se tem teclado com acentos ou configurado. Usar h para ficar fofo? – André Lyra May 10 '16 at 15:02

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.