8

Quais das seguintes formas estão correctas, e se mais do que uma está, qual a diferença?

  1. O que precisas?
  2. O que é que precisas?
  3. De que precisas?
  4. Do que precisas?
  5. De que é que precisas?
  6. Do que é que precisas?

Penso que as duas primeiras estão erradas, já que é errado dizer *‘O que te queixas?’, mas correcto dizer ‘Do que te queixas?’ (queixar-se de, precisar de)

7

Tem vários assuntos na sua pergunta, vou tentar abordar cada um separadamente.

Regência de precisar

Na norma culta, precisar pede objeto indireto com a preposição de, exceto se for seguido de um verbo no infinitivo. Isso portanto elimina seus exemplos (1) e (2), onde temos um objeto direto.

Porém o uso prático não é tão rigoroso; é bastante comum dizer preciso de falar, e, no Brasil, também é comum usar precisar com objeto direto, principalmente na fala.

"É que"

O "é que" geralmente é usado para dar ênfase a uma ou outra parte da frase, o que é conhecido como clivagem (Mira Mateus et al., 2003). Adaptando os seus exemplos, existe uma sutil diferença de sentido dependendo de onde a expressão é colocada:

É disso que eu preciso
(ênfase no objeto)

Disso é que eu preciso
(ênfase no verbo)

Ou seja, a existência do "é que" nos seus exemplos (5) e (6) não o tornam mais "certos" ou "errados" que o (3) e o (4). Eles servem apenas para enfatizar a pergunta (os dois últimos soam como se houvesse um "afinal" no início, como em afinal, do que precisas?)

Definitude

A diferença entre os exemplos (3) e (4), bem como entre o (5) e o (6), é o uso ou não de um determinante definido. Ele pode causar diferenças de sentido em diversas circunstâncias, como se pode ver nesta outra pergunta do site, sobre o uso do artigo com nomes próprios. Para se ter uma ideia, a Gramática de Usos do Português (Moura Neves, 2. ed. 2005) dedica em torno de 50 páginas só a esse tema... O que posso dizer sobre os seus exemplos é que (hehe), no Brasil, a ausência do artigo definido daria um tom um pouco mais formal à frase; na fala, é muito mais comum usarmos "do que", enquanto na escrita o uso oscila entre "do que" e "de que".

  • 1
    Fiquei esclarecido em relação ao seu segundo ponto. Quanto ao primeiro ponto, não percebi se os exemplos (1) e (2) estão ou não correctos. Poderia incluir alguns exemplos que ilustrem o que escreveu? O seu terceiro ponto ficou um pouco vago. Sugere-me que eu o separe numa outra pergunta, ou o tente incluir na outra pergunta de que inseriu o link? – Sérgio Pereira Aug 1 '15 at 13:13
  • Eu fiquei a perceber o mesmo... – Jorge B. Aug 3 '15 at 8:12
  • @SérgioPereira Eu não esqueci dos seus pedidos, mas estou sem tempo para complementar e fundamentar melhor minha resposta. Adiantando, apenas os seus exemplos 1 e 2 estão incorretos na norma culta, os demais estão corretos. Aviso quando melhorar a resposta ok? – bfavaretto Aug 7 '15 at 14:18
  • 1
    Uma resposta ao meu gosto. A diferença entre o "do que" e o "de que" é a mesma em Portugal, podes tirar a referência ao Brasil, mas pelo que vi por aí é melhor manter o "hehe". Então "preciso de falar" está errado? Da tua resposta resulta que "preciso falar" está correto, fiquei na dúvida se "preciso de falar" está mesmo errado. – Jacinto Sep 15 '15 at 7:43
  • 3
    @Sérgio Nos exemplos (1) e (2) o "o" inicial é um objeto direto, que não pode ser usado com "precisar". Fica mais claro se pensares na resposta à pergunta. "O que precisas?" "Preciso uma faca." Não é correto dizer-se "preciso uma faca". O que é correto é "preciso de uma faca". Logo a pergunta correta é "do que precisas?" ou, um nadinha mais formal, "de que precisas?" (Se o de aparece na resposta, também tem de aparecer na pergunta.) – Jacinto Sep 15 '15 at 7:49

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.