2

Em certas regiões do sudeste brasileiro, principalmente no interior de Minas Gerais e Espírito Santo, é comum ouvirmos o acréscimo da preposição de após determinados verbos, principalmente o verbo precisar. Exemplos:

  • "Tu devias de ter ido ao enterro."
  • "Você devia de ter dito a verdade."
  • "Preciso de comprar carne."
  • "Preciso de falar com ela."
  • "Eu preciso de fazer um empréstimo."
  • "Para ser aeromoça, tu precisas de fazer um curso"

Aos meus ouvidos de carioca da gema, soa estranho. Pergunto então, na língua escrita e na língua falada formal,

  1. Trata-se de um regionalismo correto e aceito em qualquer situação?
  2. Embora idiomático e de uso corrente em certas regiões, é errado falar assim?
  3. Os exemplos acima estão corretos?
  • Interessante pergunta. – stafusa Mar 2 at 11:18
  • O título não está muito bem escolhido, porque dever e precisar têm comportamentos distintos. Em Portugal, de é praticamente obrigatório com precisar, mas, com dever, de é relativamente incomum. – Artefacto Mar 2 at 11:48
  • @Artefacto "com precisar, o de é praticamente obrigatório ? Isso, indiretamente, significa que omitir o de é praticamente errado ? – Centaurus Mar 2 at 13:25
  • Os primeiros 2 exemplos em Portugal nunca seriam ditos. Os outros sim, são normais e a maneira mais comum de dizer. – bad_coder Mar 5 at 23:14
  • @bad_coder dever de é certamente usado por muita gente (não tanto na escrita), embora talvez mais nas pessoas mais velhas. Nunca é feita é a distinção entre modalidade epistémica e deôntica, como algum gramático se lembrou de inventar -- exemplos de usos nos dois sentidos – Artefacto Mar 6 at 18:27
2

Os casos "dever" e "precisar" são na realidade distintos:

  • dever (de) + infinitivo
    Originalmente o uso da preposição nesse caso denotava uma possibilidade, uma suposição ("deve de chover hoje") ao invés de uma certeza ou obrigação, como o uso sem "de" denota - mas correntemente, também em Portugal, a preposição costuma ser omitida mesmo no sentido de possibilidade. (Fonte: questão do Ciberdúvidas.)

  • precisar (de) + infinitivo
    Ambos (com e sem a preposição) estão corretos, com "de" sendo sempre usado em pt-PT e opcional (e menos comum) em pt-BR. (Fontes e detalhes abaixo.)

Às perguntas:

  1. Trata-se de um regionalismo correto e aceito em qualquer situação?

Com "precisar", sim, é correto sempre - mas naturalmente pode causar estranhamento ao ponto de soar errado para quem não está habituado. No caso de "dever", deve-se omitir a preposição se o significado não for o de suposição (e, mesmo nesse último caso, pode-se omiti-lo).

  1. Embora idiomático e de uso corrente em certas regiões, é errado falar assim?

Com "precisar", não, não é errado - em Portugal inclusive é o padrão. Já um "dever de fazer" que indica obrigação ao invés de suposição está "errado": deve ser evitado em contextos formais.

  1. Os exemplos acima estão corretos?

Os dois primeiros parecem usar "dever de ter feito" com o sentido de obrigação, caso em que o "de" deveria ser omitido. Os demais exemplos estão corretos.


Mais detalhes sobre o caso precisar (de) + infinitivo:

Como coloca esse site de português para estrangeiros:

Quando um segundo verbo vier depois de precisar, não é necessário usar a preposição “de” para unir os dois verbos.

E melhor esclarecido ainda no Ciberdúvidas nessa pergunta (meu grifo):

Segundo o «Dicionário das Questões Vernáculas» de Napoleão Mendes de Almeida, «seguidos de infinitivo, precisar e necessitar vêm sem ou com de: Precisamos acabar com estes passeios - O partido liberal precisa de mover a incredulidade pública - Os libertos necessitam desmentir esses receios - O que necessitaremos de apurar é audácia.»

e, especialmente, nessa:

«Na actual norma portuguesa da língua, este verbo, quando na acepção de "ter necessidade de", pede objecto indirecto*; há, porém, bom número de abonações de autores portugueses clássicos, como Camilo e Bocage, que o empregam com transitividade directa**; na verdade, na língua, a regência deste verbo oscila entre uma coisa e outra, com peso maior para o objecto indirecto, tanto no Brasil como em Portugal, excepto quando a ele se segue outro verbo no infinitivo, caso em que, em Portugal, se usa sempre seguido de preposição (preciso de fazer, precisava de sair, precisou de se explicar), enquanto, no Brasil, tal emprego tem vindo a rarear (preciso fazer, precisava sair, precisou explicar-se).»1

O facto de um dado uso ser menos frequente não quer dizer que passe a ser classificado como uso incorrecto.

Acresce que há atestações de precisar de + infinitivo em autores brasileiros da segunda metade do século XX:
«Delfino precisava de ser prudente.» António Callado — A Madona de Cedro, 1957.
«— Eu precisava de ter uma lembrança dela»; «Este precisava de feri-lo, vingar a história dos bois.» Osman Lins — O Fiel e a Pedra, 1961.
«Ruth notou que a bata branca de Antonio mudara de cor, precisava de ser lavada.» Antonio Olinto — Sangue na Floresta, 1993.

*com recurso à preposição
**sem recurso à preposição

1 Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Lisboa, Tema e Debates, 2003

| improve this answer | |
  • 1
    Esta questão também é discutida no Gramatigalhas – Pedro Mar 2 at 17:18
  • E a resposta às três perguntas que faço no final ? – Centaurus Mar 5 at 23:20
  • @Centaurus Bom que você tenha perguntado - eu havia julgado que estavam respondidas no texto da postagem, mas de fato é melhor prática responder explicitamente - mas, mais importante ainda, essa revisitação me fez perceber que minha resposta original estava incompleta, não tratando do caso "dever de" (que está no título(!)), pelo menos não corretamente. Penso que a resposta está melhor agora. – stafusa Mar 6 at 0:05

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.