2

Eu estou realmente confundido entre tudo o, tudo, e todo!

Qual é a diferença aqui:

Nós conhecemos todos os alunos da escola.

Nós conhecemos todos alunos da escola.

Ela mandou tudo pelo correio.

Ela mandou todo pelo correio.

Ela trabalha toda a semana.

Ela trabalha toda semana.

Também existe uma frase como todos?

Por exemplo:

Este ônibus passa por todas ruas.

4

Nos exemplos, os termos o, todo e tudo são, respectivamente, artigo definido, pronome indefinido variável e pronome indefinido invariável.

Uma das funções do artigo definido é indicar o gênero ou o número/quantidade e determinar ou generalizar o substantivo, que — normalmente — vem depois dele. No caso do artigo a, ele indica um substantivo feminino no singular, o o indica um substantivo masculino no singular. Adicionando o s em ambos (as e os) passamos eles do singular para o plural.

Ela trabalha toda a semana.

Na oração acima, informo que alguém trabalha de domingo a sábado. Ou seja, eu determino os dias através do artigo a.

Ademais, o termo a determinada qual semana ele trabalhou. Não é uma semana qualquer, é um semana específica.

Dias da semana

Ela trabalha toda semana.

Na frase acima, informo que alguém trabalha durante bastantes semanas, mas — diferente daquela oração — eu não determino os dias.

Quando removo o artigo a (no contexto apresentado), passo a ideia que alguém trabalha durante várias semanas do mês, mas pode ser que essa pessoa trabalhe uma, duas, três dias por semana.

Dias da semana


Os pronomes indefinidos, por sua vez, referem-se à 3ª pessoa do discurso de forma vaga, imprecisa ou genérica. Porém, diferente do pronome indefinido toda, o todos possui uma regra de quando usar o artigo.

De acordo com Fernando Pestana, “O artigo é usado depois do pronome indefinido todos seguido de substantivo expresso; omitindo-se o substantivo, não se usa o artigo.”

Portanto, tanto faz utilizar:

Nós conhecemos todos alunos da escola; ou
Nós conhecemos todos os alunos da escola; ou
Nós conhecemos todos os trinta alunos da escola; ou
A professora saiu com todos trinta (sem o substantivo, sem o artigo)

Assim como ocorre uma generalização em toda e uma inteireza em toda a, o mesmo ocorre em todo/todo os (generalização) e todo o (completude).

Na frase “Todos os homens merecem uma segunda chance.”, há uma ideia de generalização da espécie em “Todos os homens”, por isso poderíamos reescrever esse trecho assim: “Todo homem merece uma segunda chance.”. Estruturas diferentes, mesmo sentido.


É possível usar todos na frase abaixo, desde que troque o substantivo feminino ruas por um masculino, por exemplo: lugares.

Este ônibus passa por todas ruas.
Este ônibus passa por todos lugares


O termo abaixo é o mais usual. *Atenção! O tudo é usado para coisas.*

Ela mandou tudo pelo correio.

O todo, no contexto abaixo, é necessário que o termo esteja implícito/oculto na oração.

Ela mandou todo (o quebra-cabeça) pelo correio.

Fonte

1

Nós conhecemos todos os alunos da escola.

Nós conhecemos todos alunos da escola.

Estas expressões são sinônimas.

Ela mandou tudo pelo correio.

Ela mandou todo pelo correio.

Só a primeira expressão é correta e completa. A segunda só faz sentido numa situação anafórica "Onde está o original do livro? - Ele mandou todo pelo correio."

Ela trabalha toda a semana.

Ela trabalha toda semana.

A primeira expressão tem um sentido unívoco - ela trabalha durante toda a semana, de domingo a domingo. A segunda é ambígua - pode significar que ela trabalha de domingo a domingo (all the week), ou que ela trabalha em cada uma das semanas (all weeks).

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.