4

Para fazer uma pergunta no português falado é preciso mudar a entonação da frase. Isso não acontece em línguas como inglês, que possuem artifícios gramaticais como a inversão do verbo e do sujeito. Por exemplo:

You like. / Do you like?

Você gosta. / Você gosta?

Na escrita temos o ponto de interrogação, porém na fala temos somente a entonação, já que frases afirmativas e interrogativas são iguais no português.

Existe alguma regra para essa entonação? Foneticamente falando, o que seria a entonação de uma pergunta em português? Tem como fazer uma pergunta sem mudar a entonação, mas utilizando algum artifício gramatical, como no inglês?

2
  • 1
    Eu diria que no inglês também há uma entonação típica, apenas não tão realçada como em português. – stafusa Aug 12 '19 at 22:48
  • Sobre fazer perguntas em português sem entonação, há algumas possibilidades (a partir do contexto sozinho; com gestos; e são claramente perguntas em contextos usuais: "você teria um real para me emprestar"; "você tem um irmão, não"; etc.), mas normalmente o falante nativo vai usar a entonação de pergunta. – stafusa Aug 12 '19 at 22:52
4

Em se falar da prosódia de frases interrogativas no português, é conveniente dividi-las em algumas classes. Temos:

  • Interrogativas totais, onde a interrogação recai sobre a frase inteira, e portanto admite como resposta somente sim, não ou talvez (ou construções equivalentes). Exemplos:

    • Queres ir ao cinema?
    • Você gosta de comer comida japonesa?
    • A tia do Antônio melhorou da gripe?
    • Eu vou receber alta hoje, doutor?

    Em todos os casos, a entoação sobe ao longo da frase para chegar a um ápice na última sílaba tônica, podendo ou não haver um pico secundário na sílaba tônica do verbo finito (isto é, aquele que é conjugado para pessoa). Também há de se notar que se houver um vocativo no fim da frase — como no quarto exemplo — o vocativo não é considerado como parte da interrogação: no caso, a sílaba mais aguda seria então o ho de hoje, não o tor de doutor.

    Um subtipo das interrogações totais são as interrogações «tag» (tag questions em inglês), onde a frase é enunciada como declarativa, e ao final se anexa uma «tag» composta pelo verbo finito com a polaridade invertida, e com a sílaba tônica deste segundo verbo bem mais aguda que o resto da frase:

    • Você já foi à Bahia, não foi?
    • O Juca não chegou a conhecer o avô, chegou?
  • Interrogativas disjuntivas, em que se apresenta uma lista de opções das quais o ouvinte deve selecionar uma. Exemplos:

    • Você prefere vinho ou cerveja?
    • O azul na bandeira da França corresponde à liberdade, à igualdade ou à fraternidade?
    • Afinal de contas, tu provaste o camarão ou não provaste?

    Nestes casos, o tom mais agudo é usado nas sílabas tônicas de cada opção, exceto a da última, que ganha um tom um pouco menos agudo, mas ainda bastante diferente do resto da oração.

  • Interrogativas parciais, que são marcadas por um pronome interrogativo, sobre cuja sílaba tônica recai o tom mais agudo da frase. No português, o pronome interrogativo pode ser movido para o princípio da frase, mas não necessariamente. Se houver mais de um pronome interrogativo, somente um pode ser movido. Exemplos:

    • Queres ir aonde? ou: Aonde queres ir?
    • Você gosta de comer que tipo de comida? ou: Que tipo de comida você gosta de comer?
    • Quem melhorou da gripe?
    • Eu vou receber alta quando, doutor? ou Quando eu vou receber alta, doutor?

Além desta classificação, pode-se classificar as frases interrogativas como diretas ou indiretas. Todos os exemplos acima são diretos, onde a interrogação é feita diretamente. Na interrogação indireta, a frase interrogativa se torna uma oração subordinada a uma outra, afirmativa ou negativa; no caso de a interrogação ser total ou disjuntiva, ela é introduzida pela conjunção se; no caso de uma interrogação indireta, o pronome interrogativo é deslocado à extremidade esquerda da oração:

  • Não sei se queres ir ao cinema.
  • Gostava de saber se você gosta de comer comida japonesa.
  • Você deve saber de que a tia do Antônio melhorou.
  • Não me disseram quando eu vou receber alta, doutor.

A prosódia das perguntas indiretas é sempre igual à das frases afirmativas ou negativas que lhes dão apoio. Suponho que este é o máximo de artifício "gramatical" que se pode arranjar para não depender da prosódia para marcar as frases interrogativas; certamente as palavras que marcavam interrogações em latim clássico como an, nonne, num e -ne não existem no português moderno.

Fontes:

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.