2

Eu sou um cientista entomologista. Apenas recentemente, estudando a gramática portuguesa novamente, que descobri este fato, que não consigo entender.

Encontrei a definição primeiramente na Nova Gramática da Língua Portuguesa para Concursos, por Rodrigo Bezerra, 6.ª Ed. Editora Método, pag. 147 (vide na foto). Esta palavra encontra-se em uma tabela listando termos coletivos que se extende entre as pags. 145-148, apresentada com o seguinte enunciado.

Coletivos: São os substantivos que, no singular, indicam uma coleção, um agrupamento, um conjunto de seres da mesma espécie. Observe abaixo uma tabela com os principais coletivos:

O livro também pode ser encontrado no seguinte sítio. Adicionalmente, pela internet existem alguns sites (informais) onde o mesmo termo foi assim definido.

enter image description here

Por favor, alguém saberia se esta definição é realmente oficial e qual teria sido sua origem?

10
  • 1
    Eu acredito o que você disse. Francamente? Eu acho que ele não tem razão. Imagino que você teria sabido o termo, dado o seu campo. Não é o campo do Bezerra. – Lambie Jun 3 '19 at 19:50
  • 2
    Já pesquisei e tenho a resposta. O livro lista os principais coletivos, só que as palavras depois do de podem ser muito mais variadas do que se vê. Ele deveria ter posto: miríada de insetos, etc.. São poucos os termos limitativos em relação ao segundo verbete. Uma miríada seria uma delas. Mais tarde colocarei uma resposta formal. – Lambie Jun 4 '19 at 16:56
  • 1
    Sim, Lambie, tans razão. Uma miríade são 10000; não é um substantivo coletivo, da mesma forma que dezena ou milhão. E não é exclusivo do português: en inglês myriad é metafórico, mas em japonês ("man") é literal (há notas de "1man¥=1*10k¥", e não de "10sen¥ = 10*1000¥"). – ANeves Jun 5 '19 at 18:16
  • 2
    @Lambie, também concordo que miríade não é especificamente insetos. Mas tu afinal respondes ou não? Se não te despachas, respondo eu! – Jacinto Jun 7 '19 at 7:02
  • 1
    @ANeves, isso de não ser substantivo coletivo é mais complicado; eu também tenderia a não pensar em monte (de batatas, trapos, chatices) como substantivo coletivo, mas parece que é. – Jacinto Jun 7 '19 at 7:05
1

Significado e Uso

Os doze dicionários¹ dos últimos trezentos anos que consultei concordam: miríade significa apenas ‘dez mil’ ou ‘número muito elevado’; só por si, miríade não significa ‘quantidade de insetos’ ou de qualquer outra coisa em particular. Os exemplos da literatura no Google Books, abundantes nos últimos dois séculos, confirmam: encontramos muitos miríade de insetos, de estrelas, de anjos, de cores, de estilos, de tudo o que se queira; mas miríade sem dizer de quê, não se encontra.

A aceção ‘dez mil’ só se encontra em obras antigas: excluindo edições e citações posteriores dessas obras, o último exemplo que encontrei é de 1622; a partir daí só encontrei a aceção ‘número muito elevado’. Isto assemelha-se à situação no inglês. Diz o Etymoline que (tradução minha) “o uso especificamente numérico encontra-se habitualmente em traduções do grego ou latim”, línguas em que a palavra era realmente usada no sentido ‘dez mil’.

Classificação: substantivo coletivo ou o quê?

Miríade tem de facto cabimento entre os substantivos coletivos. Há coletivos de dois tipos: os dependentes, como pilha, que precisam de um complemento, como de pratos, de livros, de caixas, etc.; e os autónomos, como maquinaria, que não admitem complemento, ou como matilha que admite um complemento opcional e redundante—podemos dizer só matilha ou matilha de cães. Miríade pertence ao dependentes. Quando pensamos em substantivos coletivos, creio que são os autónomos que mais facilmente nos vêm à cabeça. De modo que para os dependentes eu vou apelar à autoridade da Gramática do Português (Gulbenkian, Lisboa, 2013, tomo I, p. 973-4):

Em contrapartida, os nomes coletivos que não representam lexicalmente o tipo de entidades que formam o grupo chamam-se coletivos dependentes ou agrupadores […] são exemplos braçada, conjunto, grupo e montão.

Estes nomes coletivos necessitam de ser complementados por uma expressão adicional que introduza informação sobre a composição do grupo […] cf. braçada {de flores/de lenha}, conjunto {de regras/de países}, grupo {de deputados/de rapazes}, montão {de pedras/de destroços}. Nestes casos, é a combinação do nome com o sintagma preposicional que forma uma expressão coletiva semanticamente completa, equivalente a um nome coletivo autónomo.

Estes nomes coletivos dependentes não são inteiramente pacíficos. A Gramática do Português explica (p, 974) que:

Por não serem semanticamente completos, algumas gramáticas excluem inteiramente da classe dos coletivos os nomes aqui tratados como coletivos dependentes (ver, p.e., Bosque 1999), argumentando que se trata, na realidade, de quantificadores lexicais indefinidos do tipo de alguns, muitos, vários, etc.

Nesta perspetiva, miríade seria um quantificador lexical indefinido, por miríade de insetos ser mais ou menos o mesmo que muitíssimos insetos.

A minha primeira reação foi, como o ANeves acima, considerar miríade um numeral coletivo, como dúzia, milhar, milhão, usado muito vagamente. O problema é que na linguagem corrente miríade significa apenas numero muito elevado; o sentido dez mil aparece apenas em obras antigas ou comentários sobre essas obras. Deve ser por isto que encontrei miríade em várias listas de substantivos coletivos, mas não de numerais coletivos.

Nota sobre a tabela

Posto isto, a tabela é no mínimo confusa e induz facilmente em erro, porque não deixa claro como é que o conteúdo da coluna da direita deve ser interpretado. O leitor poderia pensar que de insetos está para miríade tal como, logo na linha acima, de cães está para matilha, isto é que que miríade só por si pudesse significar ‘conjunto de insetos’ tal como matilha significa ‘conjunto de cães’. Tanto mais que logo poucas linhas acima houve o cuidado de juntar um etc. para indicar que de bois e de elefantes são apenas dois dos complementos possíveis de manada (e o mesmo com nuvem umas linhas abaixo), coisa que não foi feita com o de insetos da miríade.

Etimologia

A palavra vem do grego myrias, myriados no genitivo, que já significava ‘dez mil’ ou ´número incontável’; passou ao latim tardio, myriadis no genitivo; aparece em francês como myriade na aceção ‘dez mil’ em 1525 e ‘número infinito’ em 1557 (ver CNTRL); e em inglês como myriad em 1550-60 (Etymoline).

Em português encontrei myriada em 1597² e meriada em 1622.³ Estas são os únicos exemplos que encontrei no sentido ‘dez mil’ (tirando citações posteriores destas obras). A palavra vem no Vocabulario Portuguez e Latino Raphael Bluteau (1728) que dá apenas a aceção ‘dez mil’; o [dicionário de Moraes Silva de 1789] faz o mesmo, mas a 4ª edição, de 1831, já acrescenta o significado figurado ‘grande multidão’, dando como exemplo “Miriadas infindas de Serafins cercão seu trono”. O dicionário de Domingos Vierira de 1873 dá a aceção ‘dez mil’ como “Termo de Antiguidade” e diz que na “linguagem ordinária” (isto é, ‘linguagem comum’; ordinário naqueles tempos não significava ‘reles, mau’; era só o oposto de extraordinário), significa “quantidade indefinida e innumeravel”, o que pelo que eu vi no Google Books reflete tanto o uso no século XIX como o atual.


Notas:
¹ Doze dicionários (19 edições): Raphael Bluteau (1728), Morais Silva (1789, 1813, 1823, 1831, 1858, 1877), Domingos Vieira (1873), Cândido de Figueiredo (1899, 1913, 1939), Sociedade de Língua Portuguesa (1958-71), Lello Universal (1992), Academia das Ciências de Lisboa (2001), Houaiss (Lisboa, 2002) e dicionários online, Priberam, Infopédia, Aulete, Michaellis.
² “[D]igamos com Nicephoro Calixto, que em todo o Imperio Romano, se contarão nesta discripção vinte & seis mil, & trinta & sete Myriadas, & vallendo cada Myriada dez mil, vem a somar duzentos & sessenta contos, & trezentas & settenta mil pessoas.” Frei Bernardo de Brito, Monarchia Lusitana, 1ª parte, Alcobaça, 1597, p. 415.
³ “[O] Ceo empireo tem de comprimento dez mil, trezentas, quatorze meriadas, oitocẽtos, cincomil, setenta, & dez milhares de passos, & em largura tres mil, seis centas meriadas.” Padre frey Antonio Rozado, Tratados sobre os quatro novíssimos conlugares comuns, Porto, 1622, p. 311.

8
  • um miríada de [algo] e paralelo a um monte de algo, semanticamente e não um numeral coletivo. um número muito elevado agrupado ou em um grupo. O verbete existe em inglês como adjetivo e substantivo. Em francês e espanhol, é só substantivo. O uso da palavra tanto em francês e em inglês é corrente em boas redações. Nunca foi usado para referir-se a 10,000 de algo nos tempos modernos. – Lambie Jun 10 '19 at 17:04
  • @Lambie, então estamos basicamente de acordo, não? – Jacinto Jun 10 '19 at 18:36
  • 1
    @Lambie, eu compreendo o Scientist: a tabela (a menos que haja alguma explicação intridutória) induz facilmente em erro; eles escreveram "etc" em "manada - de bois, de elefantes, etc", dando a entender que "bois, elefantes" não é exaustivo (o mesmo com "nuvem - de mosquitos, de gafanhotos, etc."), mas não o fizeram com miríade. Compreende-se que uma pessoa pensasse que o autor queria dizer que miríade por si só significava uma porção de insetos. Eu ainda pesquisei um bocado para me certificar que não era esse o caso (mesmo sabendo que se podia dizer miríade de qualquer coisa). – Jacinto Jun 10 '19 at 19:13
  • 1
    @Scientist, feito. – Jacinto Jun 10 '19 at 21:05
  • 1
    "Myriad" é bastante usado nas ilhas Britânicas para designar "vários", "diversos", "muitos" ou qualquer coisa difícil ou impossível de contar ou que não valha a pena contar. A etimologia é a mesma, imagino que o significado seja similar. – Apollo Jun 17 '19 at 14:26

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.