1

Segundo o PDF com a letra oficial disponibilizado no site do Planalto (aqui), a primeira estrofe do Hino Nacional do Brasil é a seguinte:

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas 
De um povo heróico o brado retumbante, 
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos, 
Brilhou no céu da pátria nesse instante.

Pergunto: Quem ouviu, quem falou, o que foi que ouviu, o que foi que falou e onde estava quem ouviu e quem falou ?

Repare que na letra oficial a palavra "as" (antes de "margens" ) não tem acento.

Informo ainda que tenho essa dúvida há muitos anos e ela já foi tema de inúmeros debates que tive, por isso já fui ver a letra no site do Planalto em outras ocasiões e em várias outras administrações, então não é erro na letra devido ao atual momento político ou algo assim. Imagino que o Planalto seja a autoridade máxima em dizer qual a letra oficial do Hino do Brasil. Entretanto, se houver alguma controvérsia a respeito e houver outra versão dessa estrofe ou uma autoridade superior para dizer qual a letra oficial estou querendo saber também.

Adicionalmente, se alguém conseguir além de responder as perguntas escrever essa estrofe em português coloquial seria excelente.

4

Aprovação do Hino Nacional

O órgão responsável pela aprovação do Hino Nacional Brasileiro foi o poder legislativo, que, em 6 de setembro de 1922, assinou o decreto 15.671. O decreto foi assinado por Epitacio Pessôa, que na época era senador eleito pela Paraíba.

Ouviram do Ypiranga as margens placidas
De um povo heroico e brado retumbante
E o sol da liberdade, em raios fulgidos,
Brilhou no céo da Patria nesse instante.

Figura de Linguagem

Hipérbato

É bastante comum que as pessoas errem quanto à classificação sintática dos termos do Hino Nacional, isto se deve ao fato de ele estar na ordem indireta, conhecida também como hipérbato.

Esta figura de linguagem é caracterizada pela inversão da ordem direta dos termos da oração, que é composta por: [sujeito +] verbo [+ complementos verbais + adjuntos].

Exemplos:

┌────────────────────────────────────────────────────┬────────────────────────────────────────────────────┐
│ Hipérbato                                          │ Ordem Direta                                       │
├────────────────────────────────────────────────────┼────────────────────────────────────────────────────┤
│É difícil para mim aprender gramática               │ Aprender gramática é difícil para mim              │
├────────────────────────────────────────────────────┼────────────────────────────────────────────────────┤
│Em meu sangue a América se nutre                    │ A América se nutre em meu sangue                   │
├────────────────────────────────────────────────────┼────────────────────────────────────────────────────┤
│Há dois mil anos te mandei meu grito                │ Mandei-te meu grito há dois mil anos               │
├────────────────────────────────────────────────────┼────────────────────────────────────────────────────┤
│Gravai com Buril nos pátrios anais o vosso poder    │ Gravai o vosso poder com Buril nos pátrios anais   │
├────────────────────────────────────────────────────┼────────────────────────────────────────────────────┤
│Quando alguém te destruir, se reconstrua com sua fé │ Reconstrua-se com sua fé quando alguém te destruir │
└────────────────────────────────────────────────────┴────────────────────────────────────────────────────┘

Personificação / Prosopopeia

A figura de linguagem prosopopeia também é conhecida pelos nomes personificação, animização e antropomorfismo. Toda vez que atribuímos atitudes e sentimentos a seres inanimados, pessoas já falecidas, animais, fenômenos da natureza ou figuras imaginárias, estamos criando uma prosopopeia. fonte

Exemplos:

┌───────────────────────────────────┬─────────────────────────────────────────────────┐
│Hoje até o sol está mais feliz.    │ O sol é uma estrela, não fica feliz nem triste. │
├───────────────────────────────────┼─────────────────────────────────────────────────┤
│As flores estão dançando ao vento. │ Flores não dançam, o vento é que as agita.      │
└───────────────────────────────────┴─────────────────────────────────────────────────┘

Análise do Hino Nacional

A figura de linguagem supra é bastante utilizada e está em toda parte do Hino Brasileiro. Para exemplificar melhor, faremos uma análise sintática dos termos.

    ┌─────────────────────────────────────── Verbo Transitivo Direto
    │                      ┌──────────────── Sujeito Simples
┌───┴───┐ ┌────────────────┴──────────────┐
│Ouviram│ │do Ipiranga as margens plácidas│
└───────┘ └───────────────────────────────┘
          ┌────────────────────────────────── Adjunto Adnominal de Brado
          │                    ┌───────────── Objeto Direto do verbo Ouviram
┌─────────┴────────┐ ┌─────────┴─────────┐
│De um povo heroico│ │o brado retumbante.│
└──────────────────┘ └───────────────────┘

Feita a análise sintática, podemos pôr a oração na ordem direta, ficando desta forma:

As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico.

Podes ater achar estranho o fato das margens ouvir. Isso acontece pois nos deparamos com outra figura de linguagem, a personificação.

Esta oração quer dizer que quando Dom Pedro disse a célebre frase, o brado (=grito) do o povo foi tão retumbante (=forte e alto) que até as margens do Ipiranga ouviram-no (figura de linguagem).

Mais informações

https://github.com/valdeir2000/pt-br/blob/master/answers/6015.md

  • Então... Essa é outra forma de entendimento que já ouvi algunas vezes. O problema dessa análise é que o brado foi dado "ao vento", para as margens. Ora, quem é que vai bradar pra um lugar que não tem ninguém? Só as margens ouviram o brado? Ou o povo bradou pra si mesmo por alegria e as margens ouviram? É meio estranho uma margem ouvir. Até entendo que pode ser uma personalização da margem dando una nobreza ao local, mas que é estranho personalizar uma margem é. – Nelson Teixeira Jun 1 '19 at 18:46
  • Vc sabe de algum documento oficial que corrobore a hipótese do hipérbato? – Nelson Teixeira Jun 1 '19 at 18:50
  • Além disso nessa versão citada vc colocou "e brado" ao invés de "o brado". Onde vc encontrou essa versão? – Nelson Teixeira Jun 1 '19 at 18:52
  • 1
    @NelsonTeixeira adicionei a figura de prosopopeia, que explica o fato das margens ouvirem. No site do Senado há a informação sobre o hino e o hipérbato (apesar disso, a grande maioria dos gramáticos entendem dessa forma). Coloquei e brado, pois foi dessa forma que ele foi oficializado em 1922. O hino (Versão 1922) está disponível na Câmara – Valdeir Psr Jun 1 '19 at 19:08
  • 1
    Exatamente: e se você estivesse naquelas margens, também teria ouvido. No fundo, o fato que as margens ouviram inclui qualquer pessoa que estivesse lá naquele momento. Ou seja: o brado retumbante de um povo heroico se ouvia na margens do Ypiranga. Para manter o efeito poético e mêtrico, foi preciso dar às margens um papel humano (a prosopopeia) e era impossível pronominalizar o verbo da frase, né? O verso não teria funcionado. Esse é o jeitinho da coisa. – Lambie Jun 4 '19 at 0:01
2

Resposta curta, conforme aprendi no curso primário:

  • Quem ouviu - foram as margens plácidas
  • Quem falou (bradou) - foi um povo heróico
  • O que foi ouvido - o brado retumbante
  • O que falou (bradou) - algo que não é citado nesse parágrafo, e que nos ensinaram ter sido "Independência ou Morte"
  • Onde estavam quem ouviu e quem falou - quem ouviu foram as próprias margens do riacho. Portanto, quem falou (bradou) estava em suas proximidades.

Uma vez que não há ocorrência de crase em "as margens plácidas", o parágrafo pode ser re-escrito da seguinte forma:

"As margens plácidas do (riacho) Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico, enquanto o sol da liberdade brilhava no céu da pátria em raios fúlgidos."

Caso o autor tivesse colocado um acento grave em "as margens", mudaria o sentido para "Alguém que estava próximo, ou aqueles que estavam junto as margens do riacho Ipiranga, ouviram o brado retumbante..."

Mais detalhes em

Hino Nacional Brasileiro

Você entende a letra do Hino Nacional Brasileiro

Hino Nacional explicado tim-tim por tim-tim

  • Quanto à parte onde vc diz o que foi falado, há controvérsias. No resto vc está certo porque o @Valdeir Psr apresentou as provas que assim é. Mas se quiser, leia os comentários que eu coloquei em outras respostas pra ver que não é tão simples e que essas afirmações precisam ser corroboradas por uma fonte oficial ou podem ser entendidas de várias outras formas. – Nelson Teixeira Jun 2 '19 at 0:47
  • @NelsonTeixeira Antigamente a letra do Hino Nacional era ensinada e explicada no curso primário de todas as escolas públicas do país. (não sei se ainda é assim). Mais tarde, no ginásio, aprendíamos fazer sua análise sintática. Minha resposta começa com "conforme aprendi no curso primário", ou melhor, conforme determinava o Ministério da Educação na época. Referências, eu as acrescentei no final. – Centaurus Jun 2 '19 at 1:08
  • Sim, mas no caso essas páginas que colocou como referência, assim como seus professores não têm qualquer autoridade para dizer qual a interpretação correta, já o Planalto, Congresso e Senado têm sim autoridade pra isso. Além disso, no caso de sala de aula não pise haver a certeza da letra apresentada ser a correta. Por isso falei das referências nos comentários da outra responsta que eu aceitei. Porque citavam fontes oficiais que corroboram o que foi dito e não páginas que podem ter opiniões diversas. – Nelson Teixeira Jun 2 '19 at 1:14
  • @NelsonTeixeira Considero encerrada aqui essa discussão infrutífera. Se quiser discutir em sala de Chat estarei à sua disposição. – Centaurus Jun 2 '19 at 1:44
1

Não havendo acento, as margens plácidas poderiam ser ou sujeito ou objeto direto (respetivamente as margens ouviram ou foram ouvidas). Mas avançando para o verso seguinte, encontramos o brado retumbante, que está no singular, enquanto o verbo está no plural, pelo que o brado retumbante só pode ser objeto direto (semanticamente, também faz mais sentido termos um brado que é ouvido) e as margens plácidas só pode ser então sujeito. Por isso, a frase equivale a, numa ordem mais normal:

As margens plácidas ouviram, (vindo) do Ipiranga, o brado retumbante de um povo heróico.

  • O Ipiranga é um córrego na cidade de São Paulo. Sendo assim, o povo que deu o brado estaria dentro do córrego ? – Nelson Teixeira Jun 1 '19 at 13:33
  • Estou fazendo essa pergunta pq algumas pessoas argumentam que no 1o verso haveria uma inversão e a ordem correta seria "ouviram as margens plácidas do Ipiranga". Por essa compreensão não caberia o "vindo do". – Nelson Teixeira Jun 1 '19 at 18:09
1

Opa, infelizmente não vou poder te dar em detalhes semânticos do que está rolando ali.(minha gramática não é tão boa) Porém, creio eu, que deva se levar em consideração, não apenas a letra, mas também como se é cantado, afinal é um hino. Tendo isso em mente, o que foi ouvido, foram as margens plácidas(que remete ao sossego do rio) e o brado retumbante(que poderia remeter ou aos indígenas assassinados - em uma tentativa de dar valor aos oponentes sobre a vitoria do 'povo brasileiro'. Ou aos combatentes do lado vitorioso). Sei que não foi tão conciso quanto gostaria, mas espero ter contribuído de alguma forma.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.