2

Em qual frase está corretamente empregado o uso da vírgula em "e assim"?

  1. Quando se trabalha em um grupo, nós nos abrimos para os movimentos que acontecem neste sistema e, assim, as dinâmicas são reveladas e compreendemos os nossos aprisionamentos e sofrimentos.

  2. Quando se trabalha em um grupo, nós nos abrimos para os movimentos que acontecem neste sistema e assim, as dinâmicas são reveladas e compreendemos os nossos aprisionamentos e sofrimentos.

Imagino que a primeira frase esteja correta e a segunda esteja errada.

Imagino também que há uma outra forma de construir a frase:

  1. Quando se trabalha em um grupo, nós nos abrimos para os movimentos que acontecem neste sistema, e assim as dinâmicas são reveladas e compreendemos os nossos aprisionamentos e sofrimentos.

É isso mesmo?

1

Eu colocaria a vírgula antes da conjunção e. É local de pausa quando se lê a frase, e orações com sujeitos diferentes ligadas por e, como é o caso, tendem ainda mais a ser separadas por vírgula.

Na Gramática de Bechara, temos:

Vírgula – Emprega-se a vírgula:
a) [...]
b) para separar orações coordenadas aditivas ainda que sejam iniciadas pela conjunção e, proferidas com pausa.

Se a frase fosse diferente, sem assim a introduzir um valor mais conclusivo do que meramente aditivo, a ausência da vírgula seria em minha opinião mais aceitável:

Quando trabalhamos em grupo, abrimo-nos para os movimentos que acontecem nesse sistema e as dinâmicas são reveladas.

Quanto a assim, este pode estar entre vírgulas (como em geral estão os adjuntos adverbiais que precedem o verbo) ou não, dependendo do realce que se lhe quiser dar. Na gramática de Cunha e Cintra temos (citações internas omitidas):

[A] vírgula é usada: [...]
d) para isolar o adjunto adverbial antecipado: [...]

Observação:

Quando os adjuntos adverbiais são de pequeno corpo (um advérbio, por exemplo), costuma-se dispensar a vírgula. A vírgula é, porém, de regra quando se pretende realçá-los. Comparem-se estes passos:

Depois levaram Ricardo para a casa da mãe Avelina.
Depois, o engraçado são as passagens de nível, os aparelhos de sinalização, os vagões-cisternas…
Depois, tudo caiu em silêncio.

A frase tem outros aspetos que considero talvez um pouco infelizes, como repetir e pouco depois e começar com uma construção impessoal com se para depois mudar para a primeira pessoa.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.