7

Em Portugal, muitas pessoas, entre as quais eu me incluo, pronunciam aberto o á de ganho; como em já; ou /'gaɲu/ em alfabeto fonético internacional (AFI; podem ver a chave aqui). Mas há pessoas em Portugal que o pronunciam fechado, como em sopa, ou /'gɐɲu/ em AFI. Na verdade eu só reparei nesta segunda pronúncia recentemente, e até a estranho. Mas devo ter andado muito distraído: hoje almocei com um colega de há uma data de anos, e ele pronuncia /'gɐɲu/, com o á fechado. A Infopédia regista as duas pronúncias; o dicionário da Academias das Ciências de Lisboa (2001), só a minha. Estas duas pronúncias estendem-se ao á correspondente da família ganhar.

Agora, o que me faz espécie que, ao contrário de ganho, banho eu pronuncio /'bɐɲu/, com o á fechado; e o mesmo com o á de palavras semelhantes: anho, banho, lanho, ranho, etc. Os dicionários concordam: para estas outras palavras só indicam a pronúncia com á fechado. Tirando as palavras da família de ganhar, não me lembro de nenhum outro caso do á de -anh-, tónico ou não, pronunciado aberto.

Então a minha pergunta é: existe alguma explicação inteligível para o que parece ser a pronúncia excecional de ganho e família?

Nota: parece-me que esta questão não se coloca no Brasil, mas os colegas brasileiros me corrigirão se for caso disso. (Também podem confirmar, n’é?) De qualquer modo, de acordo com o Portal da Língua Portuguesa, no Rio e em São Paulo ganho rima sempre com banho, à semelhança do que se passa com o resto das respetivas famílias.

  • 2
    Pior: eu definitivamente digo "este amplificador tem pouco gãnho" como "tomei um bãnho", mas digo "ontem gánhei eu". E acho que digo "este gãnho eu". – ANeves Jan 12 at 15:28
  • @ANeves, pior?! Eu vejo um padrão nesses teus exemplos: é ã quando é tónico, seja da famíla ganhar, seja na banhar; e é á qando é átono. Presumivelmente dizes gánhar e gánhava. Segundo o Portal da Língua Portuguesa, os cariocas também pronuncia com ã, mas em todas as palavras. – Jacinto Jan 12 at 16:19
  • @ANeves, então, e dizes bánhei, bânhei ou bãnhei? – Jacinto Jan 12 at 16:26
  • Digo "bãnhei", "bãnha-te", "bãnho". Disse pior, porque me pareceu que conjugo o verbo ganhar todo com /ga/, menos a primeira pessoa do presente do indicativo que por alguma razão vira /gɐ/. Mas agora já repeti isto tantas vezes na minha cabeça, que não sei nada. – ANeves Jan 14 at 14:26
  • @ANeves, então e ganha, ganhe e ganham? Tou a tentar ver se é só primeira pessoa do singular ou se é sempre que é tónico. – Jacinto Jan 14 at 17:14
1

Ofereci aqui uma bounty, e ninguém pegou na pergunta, de maneira que segui a dica do Rui Fonseca acima, e bingo: nos séculos XIII e XIV era gaanho e gaanhar. Obviamente a sequência aa fundiu-se num único a (uma crase), e, explica o este artigo no Ciberdúvidas, o a que resulta da crase de dois aa tende em sotaques comuns em Portugal a manter timbre aberto, mesmo em posições em que esperaríamos timbre fechado. O mesmo acontece com o o resultante da crase de dois oo (mantém timbre aberto em vez de reduzir para [u] e com o e resultante de dois ee (mantém timbre aberto em vez de reduzir para [ɨ] ou desaparecer). Estas vogais duplas resultaram tipicamente do desaparecimento de certas consoantes que no latim havia entre elas, mais comumente o l e o n, mas também o d e o g.

O Ciberdúvidas apresenta o exemplo de gaanhar > ganhar e ainda os seguintes (as explicações são minhas, baseadas no que lá está):

Caveira vem de caaveira no português antigo, que vem do latim calavaria. O l intervocálico caiu, fenómeno comum na evolução do latim para o português, deixando dois aa com hiato entre eles, até que se fundiram num só. Aquele primeiro a de caveira tem timbre aberto, contrastando com o timbre fechado típico da posição pretónica, como o primeiro a de craveira, ladeira, alheira, braseira.

Aveiro < Aaveiro < Alaveiro. É uma cidade portuguesa, um caso parecidíssimo com o de caveira.

Corado < coorado no português antigo < colorado no latim. Mesmo fenómeno evolutivo de caveira. O o inicial de corado é aberto, enquanto naquela posição, pretónica, é normalmente reduzido a [u], como em adorado, rosado, colado.

Pregar (um sermão; não um prego) < preegar < praedicare. O e é aberto, enquanto naquela posição se reduz normalmente para [ɨ] ou é elidido completamente, como em pregar (um prego), regar, vedar, levar.

Esquecer < esqueecer < escaecer < *excaedescer. O e inicial aberto contrasta com a redução para [ɨ] ou elisão, como em perecer, receber, meter.

Depois fui ao dicionário Houaiss (Lisboa, 2002), que indica formas antigas das palavras, ver outras palavras com timbres aberto “anómalos”, e não falha (a formas intermédias entre o português moderno e o latim são as registadas no Houaiss, todas de entre os séculos XIII e XV):

Padeiro < paadeiro < pada (pequeno pão) +-eiro; Por sua vez, pada < latim panata.

Sadio < saadya < sanativus

Vadio < vaadios, uaadios < vagativus

Pegada (marca deixada pelo pé) < peegadas < pedicata. No português antigo temos também pees (pés) do latim pedis; agora percebo porque é o meu pai dizia péis em vez de pés (ele não era brasileiro). Ao contrário do e aberto de pegada (do pé), o e de pegada de pegar reduz-se a [ɨ].

Geração < geeraçõ, geeraçom < generatio,onis. O mesmo com gerador < geerador, jeerador < generator. Mas também temos no português antigo geerar e geeral, mas no moderno o e é reduzido: g[ɨ]rar e g[ɨ]ral.

E nem os sobrenomes escapam. Temos o primeiro a “anomalamente” aberto em Tavares e Taveira, e basta ir ao Google Books para encontrarmos Taavares e Taaveira. O filólogo José Leite Vasconcellos diz que há registo de Thalavares e presume que tenha havido Talaveira (Lições de Filologia Portuguesa, 1911, e outra página de uma edição de 1926).

Esta coisa de a crase abrir o timbre observa-se presentemente no sotaque de Portugal. A preposição a e o artigo definido a têm timbre fechado em Portugal, mas a crase deles, à, tem timbre aberto. O mesmo acontece com as crases (não assinaladas graficamente) resultantes do encadeamento de palavras na fala: por exemplo, os aa de bola e azul têm em Portugal timbre fechado quando as palavras são pronunciadas isoladas, mas bola azul é pronunciado como bolazul com o a com timbre abeto.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.