6

A resposta a esta pergunta, baseada numa “mini” gramática online, diz que sim. Mas eu creio que já vi sujeitos separado do verbo por vírgula quando o sujeito é longo. Vejamos o seguinte exemplo:

A razão por que não quero ir só a mim diz respeito.

Eu estaria tentado a inserir uma vírgula nesta frase. Até porque, tal como está, a frase é ambígua. Não sabemos se o sujeito é “a razão por que não quero ir” ou “a razão por que não quero ir só. Na fala, a ambiguidade é desfeita por um ligeira pausa; e será também desfeita na escrita se marcarmos a pausa por vírgula:

A razão por que não quero ir, só a mim diz respeito.

A razão por que não quero ir só, a mim diz respeito.

Estas vírgulas são permitidas? Em que casos, se é que existem, é permitido separar o sujeito do verbo por vírgula? Naturalmente, não estamos a pensar em apostos ou orações explicativas intercaladas e isoladas por vírgulas, como “o João, o meu colega, também vem” ou “essa explicação, que não é nova, é enganosa”.

  • Em hipótese alguma, é permitida a separação do sujeito + verbo. A vírgula após o verbo "ir" parece-me correta. A razão por que não quero ir, ao meu ver, é a oração subordinada substantiva subjetiva do verbo dizer. A frase também pode ser escrita da seguinte forma: A razão por que não quero ir diz respeito somente a mim. – Valdeir Psr Dec 20 '18 at 19:02
  • Quem quiser conhecer melhor os candidatos a vereador, prefeito e vice-prefeito nas eleições deste ano (sujeito) [não separa sujeito do verbo] conta (verbo) com uma ferramenta virtual desenvolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Fonte do Exemplo: www12.senado.leg.br/manualdecomunicacao/redacao-e-estilo/estilo/… – Valdeir Psr Dec 20 '18 at 19:04
  • @Valdeir, no teu primeiro comentário, queres dizer "parece-me incorreta", não? Pelo tom geral do comentário... Pelos vistos (vê resposta do Artefacto), estas vírgulas são permitidas ou mesmo recomendadas por pelo menos alguns gramáticos. Naturalmente, não sendo obrigatórias, o Senado pode preferir não as usar. – Jacinto Dec 21 '18 at 12:51
  • O "hipótese alguma" foi um exagero, reconheço isso (até então eu desconhecia a regra do Bechara). Entretanto é uma regra tradicional (não separar o sujeito do verbo). Pesquisei mais a fundo e encontrei uma afirmação do professor Luiz A. Sacconi: Em orações substantivas com função de sujeito iniciadas por quem, a vírgula entre tal oração e o verbo da principal é facultativa. Porém, o professor Fernando Pestana afirma: Os demais gramáticos nada falam sobre isso, logo deduzimos que não pode haver vírgula entre sujeito e verbo. – Valdeir Psr Dec 21 '18 at 14:52
  • @Valdeir, quer-me parecer que há gramáticos que querem elevar certos princípios a uma espécie de lei divina, e não admitem exceções nem mesmo quando exista justificação para ela, como um vírgula entre o sujeito e verbo que facilite a leitura. Já me deparei com uma atitude dessas quando consultei o Ciberdúvidas a propósito de "um terço das mulheres está grávida", que viola a concordância gramatical; podes ver o que se passou nesta pergunta. – Jacinto Dec 23 '18 at 22:57
5

Não, não é sempre proibido. No caso da tua frase, não creio que haja ambiguidade (a leitura em que modifica ir dá origem a uma ordem estranha nos constituintes da frase matriz), mas a vírgula certamente ajuda a ler a frase.

Cláudio Moreno tem um artigo precisamente sobre este assunto. A ideia fundamental é a de que a pontuação deve ajudar à descodificação da frase:

Não se trata, aqui, de voltar àquela antiga visão de pontuação subjetiva, submetida ao simples capricho de quem escreve; bem pelo contrário: a finalidade exclusiva dos sinais de pontuação é orientar o leitor no trabalho de decodificar as frases que escrevemos.

Em particular:

O princípio geral é muito simples: como devemos reservar a vírgula para assinalar tudo aquilo que foge à normalidade sintática, é evidente que não há razão para separar o sujeito do verbo, nem o verbo de seu complemento, já que esta é a ordem canônica da frase no Português. Todavia, quando o sujeito for oracional (representado por uma oração subordinada substantiva), os bons escritores empregam, muitas vezes, uma vírgula para assinalar com maior clareza o fim do bloco do sujeito.

E identifica três casos em que a vírgula é recomendada ou mesmo indispensável:

  • construção paralela, em que o verbo da oração substantiva é seguido imediatamente pelo verbo da oração principal: “Quem quer, faz; quem não quer, manda”
  • se o verbo for idêntico nas duas orações, esta vírgula passa a ser indispensável: “Quem deu, dará; quem pediu, pedirá”. “Quem vai, vai; quem fica, fica”
  • casos em que a forma verbal pode se confundir com um substantivo homógrafo, criando-se uma ambigüidade que a vírgula desmancha imediatamente: “Quem quiser, peça”

No mesmo sentido vai Evanildo Bechara, na sua Moderna Gramática Portuguesa:

Vírgula – Emprega-se a vírgula:
[...]
h) para separar, quase sempre, as orações adjetivas restritivas de certa extensão, principalmente quando os verbos de duas orações diferentes se juntam [...]

Observação: Esta pontuação pode ocorrer ainda que separe por vírgula o sujeito expandido pela oração adjetiva:

Os que falam em matérias que não entendem, parecem fazer gala da sua própria ignorância

Este último exemplo (onde a vírgula é recomendável por termos os dois verbos de seguida) está mais perto da tua frase do que os de Cláudio Moreno, porque enquanto o último dá apenas exemplos com subordinadas substantivas relativas (sem antecedente expresso), na tua frase há precisamente uma oração adjetiva relativa restritiva separada por vírgula (os que não é um morfema relativo, embora aqui até pudesse ser substituído por quem).

  • De facto, nem me tinha lembrado de "quem sabe, sabe" e coisas do tipo. Sim, a frase que primeiro me veio à cabeça, foi "a razão por que não quero ir, só a mim diz respeito". Dizes que "...ir só, a mim diz respeito" gera uma ordem estranha porquê? É simplesmente por nós esperarmos naturalmente "só a mim diz respeito" e não apenas "a mim diz respeito"? – Jacinto Dec 21 '18 at 12:40
  • @Jacinto porque nesse caso o objeto indireto viria antes do verbo. O mais normal seria a razão por que não quero ir só, diz-me respeito (é) a mim. ou uma clivada-Q com é a mim a quem diz respeito por que razão não quero ir só. Com um significado diferente, podias usar uma topicalização/deslocação à esqda clítica: a mim, diz(-me) respeito a razão por que não quero ir só. – Artefacto Dec 21 '18 at 14:27
  • O objeto direto vem antes do verbo nos dois casos: "...ir, só a mim diz..." ou "ir só, a mim diz". Evidentemente, que te soa mais normal a ti não soa a mim. Nada contra as tuas reformulações, mas eu tenderia nos dois casos ("...ir, só a mim..." ou "...ir só, a mim...") a puxar o "a mim" para a esquerda. A reforçar, diria "a razão por que não quero ir só, é a mim que diz respeito". – Jacinto Dec 22 '18 at 8:34
  • @Jacinto, no teu último exemplo, a vírgula após , não o tornaria sinônimo de sozinho, enquanto a vírgula antes do , tornaria-o sinônimo de somente? – Valdeir Psr Dec 23 '18 at 4:55
  • @Valdeir, é isso mesmo. Na verdade, eu tendo a dizer "ir sozinho" mais do que "ir só". – Jacinto Dec 23 '18 at 9:45

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.