Pelo que sei, reparar tem duas regências na Norma Culta:

1) reparar em (notar, observar, prestar atenção)
Não repara na bagunça!

2) reparar TD (consertar, indenizar)
Ele reparou o computador.

Porém, parece que quando a primeira regência for usada com que, omite-se o em, como mostram estes exemplos da Folha de São Paulo:

  • Rubem Alves, educador e psicanalista, repara que os professores não falam sobre seus alunos.
  • nem repara que o envelope foi trocado e anuncia "La La Land"
  • Ela repara que a consistência dos pingos é diferente

Isto é correto num registro formal? E se for, é a palavra que que causa este fenômeno?

  • 1
    Há uma discussão interessante sobre a omissão da preposição em orações subordinadas tanto nas objetivas indiretas quanto nas completivas nominais onde pessoas apontam o fenômeno inclusive em outras línguas. Não sei se esse tipo de elipse da preposição tem um nome. A discussão supracitada está em forum.wordreference.com/threads/… – Ailton Andrade de Oliveira Nov 8 at 10:33
up vote 2 down vote accepted

Antes de mais, parece-me que uma frase como

nem repara em que o envelope foi trocado e anuncia "La La Land"

seria até um tanto estranha. Que o uso de reparar no sentido de notar, observar seguido de uma oração subordinada se faz quase sempre sem em é evidente (por exemplo, no corpus CETEMPúblico, há uma ocorrência com em por cada 500 sem a preposição).

Também há é quem defenda que a preposição em está oculta. Sobre o assunto tem Francisco Fernandes uma nota no seu Dicionário de Verbos e Regimes (45ª ed.):

Nota: Repugna aos grámáticos admitir como transitivo o verbo reparar nesta acepção. Para eles, em frases como repare que ele é prestigiadonão reparou que o seguiam, está subentendida a preposição em, assim: repare (em) que ele é prestigiadonão reparou (em) que o seguiam. Penso, entretanto, que o complemento verbal é francamente direto, e reparar aí vale o mesmo que ver, notar, observar, atentar em.

Seguem-se vários exemplos da literatura com orações subordinadas completivas e continua a nota com:

E, para terminar, estes dois exemplos de Vieira, onde é evidente a ausência do elemento prepositivo, claro ou oculto: "Coisa é muito digna de reparar, que tendo Catela há pouco anos dois infantes varões, hoje não tem nenhum." (Vieira, Sermões, VIII, 62.) "Mas é muito de reparar o tempo e a circunstância em que Cristo efetivamente socorreu aos Apóstolos." (Idem, ibidem, 74.)

  • Agradeço-lhe a resposta detalhada! – Akitirija Nov 14 at 17:36
  • Também estranharia o em nessa frases. Então, "reparaste em se o vizinho já chegou a casa", ainda pior. Na tua primeira citação, entretanto ("Penso, entretanto, que o complemento [...]") significa 'no entanto', não? Tive que ler aquilo várias vezes para atinar com o sentimento do senhor. – Jacinto Nov 14 at 18:28
  • @Jacinto Sim, isso mesmo. Significado 3 do priberam. – Artefacto Nov 15 at 2:20

Your Answer

 

By clicking "Post Your Answer", you acknowledge that you have read our updated terms of service, privacy policy and cookie policy, and that your continued use of the website is subject to these policies.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.