Qual é (ou seria) a explicação do facto de ser usado tão comummente o conjuntivo com o verbo imaginar no afirmativo?

É plenamente óbvia a razão quando vai em negativo:

Não imagino que … [conjuntivo]

Como não o imagino, é como pô-lo em dúvida. Mas ultimamente notei que no português, mesmo no caso afirmativo, se emprega muito o conjuntivo, coisa que acho esquisita —nas línguas irmãs que falo, ele seria usado só sob certos contextos muito específicos, sendo o normal o indicativo—. Imaginar algo é como achá-lo, ou crê-lo, e todos estes verbos usariam o indicativo em frases como «Creio/acho que … »

Imagino que (ha!) a primeira pergunta a fazer seria se se considera correto ou errado o uso do subjuntivo numa frase como «imagino que seja», e só caso seja, perguntar quais as regras que rejam/ditem o seu uso frente ao indicativo (diferenças regionais, de registo, etc).

  • A pergunta continua um pouco confusa, mas eu acho que não a consigo melhorar. – ANeves Oct 30 at 15:30
  • @ANeves só por ter um que não implica o conjuntivo. Não dizemos "vejo que seja..." ou "creio que seja", senão "vejo que é" e "creem que é" (porque estamos a falar da realidade do que crê/vê). Mas ao usar essos verbos em negativo, sai o conjuntivo: "não creem que seja", "não vejo que seja", etc. – guifa Oct 30 at 16:03
  • A tua pergunta ficava mais clara se pusesses, explicitamente, um desses pares de frases. Completas, e não com elipses. – ANeves Oct 30 at 18:14
up vote 2 down vote accepted

Sim, pelo menos em Portugal, verbos como imaginar, acreditar, crer, achar, julgar e pensar (no sentido ‘achar’) podem selecionar quer o indicativo quer o conjuntivo (subjuntivo é o termo preferido no Brasil). Basicamente a diferença é que, por exemplo, penso que ele está em casa indica maior convicção de ele estar em casa do que penso que ele esteja em casa.

Esta distinção vem descrita na Gramática do Português da Gulbenkian (Lisboa, 2013). Esta é uma gramática descritiva do português europeu; nunca me apercebi que haja neste ponto diferença no português do Brasil, mas não ponho as mãos no fogo. Citando a Gramática (tomo I, p. 679-80):

Há ainda um grupo de predicados epistémicos que admitem o indicativo ou o conjuntivo. É o caso de verbos como acreditar, admitir, imaginar, entre outros, e de nomes como hipótese, ideia, ou suspeita:

(21) a. Acredito que existiu vida em Marte.
b. Acredito que tenha existido vida em Marte.

[…]

Nesses casos, a seleção do modo conjuntivo ou do modo indicativo é acompanhada por uma diferença de interpretação. A frase (21a), com indicativo, indica um valor forte de crença, enquanto (21b), com conjuntivo, indica um grau fraco de crença. Assim, (21a) tem um significado semelhante a (23a) e o significado de (21b) aproxima-se do de (23b) […]

(23) a. Estou convencido de que existiu vida em Marte.
b. Não excluo a possibilidade de ter existido vida em Marte.

A Gramática volta a explicar a mesma distinção no capítulo sobre subordinação finita (tomo II, p. 1843).

Estes verbos quando negados normalmente selecionam o conjuntivo (não acredito que ele esteja em casa), mas podem também selecionar o indicativo. Voltando à Gramática (tomo II, p. 1844):

(92) a. O Paulo não acredita que o filho ganhou a lotaria.
b. O Paulo não acredita que o filho tenha ganho a lotaria.

O que distingue (92a) de (92b) é grau de certeza do locutor (e não do sujeito da oração subordinante) na veracidade da oração completiva. Quando é usado o modo indicativo, existe a inferência que o locutor acredita (ou sabe) que a proposição complemento é verdadeira.

Quanto à lógica deste uso, a Gramática (tomo I, p. 680) oferece o seguinte esquema geral:

Posto isto, verifica-se que os predicados epistémicos podem estar associados a diferentes graus de crença, formando uma escala. Os que expressam valor forte de crença selecionam o indicativo [eu sei que ele está em casa], os que estão associados a um valor fraco selecionam o conjuntivo [duvido que ele esteja em casa] e os que estão associados a valores intermédios admitem o indicativo ou o conjuntivo, dependendo a seleção de um ou outro modo do grau de crença veiculado em cada frase.

A Gramática inclui o verbo imaginar neste grupo de verbos associados a valores intermédios, mas eu pessoalmente, provavelmente influenciado pelo que ouço à minha volta, tendo a usar imaginar para exprimir valores fracos de crença, e prefiro imaginar com o conjuntivo: imagino que ele esteja em casa; quando o meu grau de convicção aumenta eu mudo para creio que ou penso que. Uso o indicativo é em frases negativas como:

Ela não imagina sequer que o marido a engana.

Como explica a gramática, eu aqui indico que estou convicto que o marido a engana. Se eu ouvisse, ela não imagina que o marido a engane, eu entenderia que o locutor não se compromete com a veracidade de o marido engana-a.


Não é surpreendente que haja nas preferências entre indicativo e conjuntivo diferenças entre o português e as línguas irmãs, pois até as há entre o português atual e o português do passado. Atualmente dizemos talvez abuse da tua paciência, mas há pouco mais de um século Machado de Assis escrevia, possivlemente já com um certo sabor arcaizante, “talvez abuso” (vê esta pergunta). E atualmente correntemente dizemos, como estava cansado, sentou-se; no passado era muito mais comum dizer-se como estivesse cansado, sentou-se; embora ainda se encontre esta construção com o conjuntivo ocasionalmente na literatura e imprensa recentes em Portugal, ela é tão rara ao ponto de causar estranheza (vê esta pergunta).

  • @ANeves, então e não sabes corrigir tu. Para que é que és moderador afinal? Só para receber o cheque ao fim do mês?! – Jacinto Nov 2 at 18:33
  • Não arrebites muito cabelo, olha que os acidentes acontecem.... :-p – ANeves Nov 3 at 19:05
  • Não gosto de corrigir merdices assim pequenas, acho ranhoso que ficasse "editado por X" por causa de uma niquice. – ANeves Nov 3 at 19:08
  • @ANeves, editavas mais umas coisas. Não sabes alinhar o "a." e o "b." dos exemplos da gramática, por exemplo? – Jacinto Nov 3 at 20:09

Your Answer

 

By clicking "Post Your Answer", you acknowledge that you have read our updated terms of service, privacy policy and cookie policy, and that your continued use of the website is subject to these policies.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.