Ao ler esse artigo, identifiquei a frase a seguir:

McCann vem se debruçando sobre os problemas concernentes à atuação política dos militares há mais de trinta anos

No ínicio — “McCann vem se debruçando” — não seria correto o uso do pronome depois do verbo, como indica o uso da ênclise,

Nas orações reduzidas de gerúndio (desde que não venham precedidas de preposição "em")

Caso precedidas de em, usamos a próclise.

  • Então você gostaria de saber por que foi fraseado “vem se debruçando” se a regra de gerúndio dita o uso de ênclise? – William Aug 26 at 23:43
  • Sim, o correto no meio ver seria: vem debruçando se – TMoraes Aug 28 at 16:49
  • 2
    McCann vem se debruçando sobre os problemas não é uma oração reduzida de gerúndio. Uma oração reduzida de gerúndio é uma oração subordinada em que o gerúndio desempenha o papel de demonstrar a subordinação. Por exemplo, Debruçando-se sobre o papel dos militares, McCann concluiu que... Por isso, a regra citada não se aplica. É "vem se debruçando" mesmo, e não "vem debruçando-se", que aliás soa horrorosamente. – Luís Henrique Aug 30 at 1:16
  • @luisHenrique o que você acha de transformar seu comentário em resposta? – Ailton Andrade de Oliveira Sep 14 at 15:39
  • @AiltonAndradedeOliveira - Feito! – Luís Henrique Sep 15 at 15:43
up vote 2 down vote accepted

A frase está de acordo com a gramática do português brasileiro.

Antes de mais, a regra enunciada é válida, com a ressalva de que não só a preposição em força a próclise, como também o facto de se tratar de uma oração negativa, ou de haver um quantificador (poucos, muitos) ou certos advérbios. Mas como foi já referido, o exemplo que dás não tem uma oração gerundiva, tem antes uma perífrase verbal com o verbo vir.

A frase que dás também não é válida de acordo com a gramática do português europeu. Tem de haver ênclise nessa frase (mas não por causa da regra que dás), por isso as duas opções seriam:

  1. McCann vem-se debruçando sobre os problemas concernentes à atuação política dos militares há mais de trinta anos.
  2. ?McCann vem debruçando-se sobre os problemas concernentes à atuação política dos militares há mais de trinta anos

A segunda frase é marginal no português europeu a partir do século XX. Havendo uma perífrase com um gerúndio, a subida do clítico para o verbo auxiliar é praticamente obrigatória.

A frase que dás é parecida a 1., mas a ausência de hífen indica que se trata não de uma ênclise ao verbo auxiliar, mas de uma próclise ao verbo principal. Isto não é de maneira nenhuma possível no português europeu, mas é-o no brasileiro. Por exemplo, a Gramática do Português da Gulbenkian menciona numa nota de rodapé:

No português brasileiro, a cliticização ao particípio passado é possível desde que este seja parte de uma perífrase. Nas perífrases verbais com particípio passado bem como nas perífrases verbais com gerúndio, os átonos cliticizam, em próclise, à forma não finita do verbo:
a. Ela não tinha [lhe apresentado] o amigo. [português brasileiro]
b. Ela não estava [lhe dando] atenção. [português brasileiro]

Nem toda oração que contém um gerúndio é uma oração "reduzida de gerúndio".

Uma oração reduzida de gerúndio é uma oração subordinada, em que a conjunção subordinativa é substituída pelo uso do verbo principal no gerúndio.

Por exemplo, na frase seguinte,

Se quiser voltar para casa, peça.

Temos duas orações, Peça, que é a principal, e Se quiser voltar para casa, que é a subordinada, e explica em que condições é para pedir.

Essa oração subordinada pode ser "reduzida", usando-se um gerúndio:

Querendo voltar para casa, peça.

Mas na frase

McCann vem se debruçando sobre os problemas concernentes à atuação política dos militares há mais de trinta anos.

não há nenhuma oração subordinada. Debruçar-se aí é o verbo principal. O gerúndio neste caso indica o tempo (presente) e o aspecto verbal (contínuo) - McCann está se debruçando agora, não amanhã, e também não começou agora. Não indica subordinação.

Por isso, a regra não se aplica neste caso.

Para sentir melhor a diferença, eis uma frase sobre McCann e os militares que contém de fato uma oração reduzida de gerúndio:

Debruçando-se sobre os problemas concernentes à atuação política dos militares há mais de trinta anos, McCann concluiu que é melhor que eles deixem a política para os políticos.

Aqui sim temos uma oração composta: McCann concluiu que é melhor que os militares não se metam em política. Por quê? Por que se debruçou sobre a atuação política deles. A oração não reduzida é

McCann concluiu que é melhor que os militares deixem a política para os políticos, pois se debruça sobre os problemas concernentes à atuação política deles há mais de trinta anos.

Veja que aqui a ênclise não é somente por que "não se começa frase com próclise":

McCann concluiu que é melhor que os militares deixem a política para os políticos, debruçando-se sobre os problemas concernentes à atuação política deles há mais de trinta anos.


Ainda assim, a regra me parece um tanto ou quanto preciosista. Não vejo por que seria errado, ou deselegante, dizer, ou escrever,

McCann concluiu que é melhor que os militares deixem a política para os políticos, se debruçando sobre os problemas concernentes à atuação política deles há mais de trinta anos.

Parece mais um daqueles casos em que os gramáticos normativos querem congelar a língua no século XIX...

  • Vale lembrar que no Brasil preferimos ênclises, mesmo em início de frase. Acredito que muitos brasileiros escrevem frases como "Amo-te" a contragosto, pois soa artificial, já que normalmente dizemos "Te amo". – Hilder Vitor Lima Pereira Sep 16 at 11:48
  • @HilderVitorLimaPereira - Você quis dizer próclises, claro. Mas o raciocínio está correto. "Amo-te" soa artificial, e na verdade, desagradável. E é completamente desusado no Brasil, a não ser talvez em romances de época, ou como galhofa. – Luís Henrique Sep 16 at 11:52
  • Sim, sim, isso mesmo. Me confundi. Obrigado. – Hilder Vitor Lima Pereira Sep 16 at 12:10

Your Answer

 

By clicking "Post Your Answer", you acknowledge that you have read our updated terms of service, privacy policy and cookie policy, and that your continued use of the website is subject to these policies.

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.