2

Rolé (Michaelis) é uma palavra que é frequentemente usada em algumas regiões, e eu gostaria de saber qual sua origem e a história de sua utilização.

Examplos:

Fui dar um rolê na casa de um amigo ontem.

Vamos dar um rolê amanhã?

Tô afim de dar um rolê hoje.

12
  • priberam.pt/dlpo/rol%C3%AA
    – Lambie
    Feb 25 '18 at 17:27
  • Origem obscura. Provavelmente não relacionado, porém o conceito 'rolê' da capoeira tem o mesmo nome.
    – user2786
    Feb 26 '18 at 18:27
  • Você se refere a "rolê" mesmo, ou "rolé"?
    – Centaurus
    Feb 27 '18 at 1:01
  • Por favor acrescente a qual dos significados de "rolê" (ou "rolé", se for o caso) você se refere.
    – Centaurus
    Feb 27 '18 at 1:03
  • Acrescentei alguns exemplos. Feb 27 '18 at 19:22
2

Os dicionários dizem apenas que rolé e rolê vêm do francês roulé (Priberam e Michaelis), ou que rolé ‘passeio’ é de origem obscura, vindo possivelmente de rolê ‘bife enrolado’ e ‘movimento de capoeira’, vindo este também do francês roulé (Houaiss, Lisboa, 2002, Aulete). Rouler (Larousse) é o particípio passado de rouler (Larousse), que significa ‘rolar, rodar, enrolar’. Então fiz uma busca na Hemeroteca Digital Brasileira para ver os usos ao longo do tempo. Eis os resultados:

  • Um rolê pode ser um bife rolê, ‘bife enrolado’. Esta é a aceção que eu encontrei mais cedo, logo a partir de 1952 no periódico carioca Última Hora. Nos anos 50 e 60 escrevia-se predominantemente rolé. Os dicionários concordam que vem do francês roulé.
  • Também há a gola rolê (Priberam), que é uma gola enrolada ou no mínimo dobrada. Encontrei-a com frequência a partir de 1962, começando com este artigo em A Cigarra (São Paulo). Encontra-se nos anos 60 algumas vezes escrito rolé.
  • Rolê é também um movimento de capoeira. Consiste em o capoeirista rolar o corpo em torno de um braço apoiado no chão. Não consegui encontrar esta aceção na Hemeroteca. Possivelmente está lá: “bife rolê” ou “dar rolê” encontram-se facilmente, mas quando se procura só “rolê” o buscador retorna centenas de resultados, mas todos os que vi são erros de reconhecimento, como o segmento role de controle e coisas assim. No Google Books só encontrei a partir dos anos 90.
  • E finalmente, dar um rolé ou rolê significa também ‘dar um passeio, volta’. Encontrei este uso primeiro num jornal carioca de 1961, e depois com crescente frequência a partir dos anos 70. O artigo de 1961 é bastante revelador e sugere que o termo era então gíria restrita a certos grupos, incluindo marginais. Cito então uma boa parte (negrito meu em todas as citações):

    Madrugada de domingo. A chamada “ZBM” (zona do baixo meretrício) começa a se esvaziar. Dois homens, o “margina” (marginal) e seu “agá” (comparsa) entram no Bar “Chave de Ouro”. Dirigem-se ao garção:
    A “pesada” já deu um “rolé”?
    —“Barra mansa”—responde o interpelado que é também um iniciado na “giriologia”.
    Satisfeitos e tranquilizados, o “margina” e seu “agá” sentam-se a uma mesa. Sabem que a “barra é mansa” (tudo calmo) porque a “pesada” (policiais da Delegacia de Vigilância) não passou por ali fazendo ronda (“rolé”).
    “Giriologia”, Última Hora, Rio de Janeiro, 13 de novembro de 1961, p. 8.

A partir dos anos 70, o este uso já era mais alargado, mas há indicações de que continuava a ser gíria apenas de certos grupos. Mais sobre isso abaixo.

Origem de rolé/rolê

O que me intriga é como é que expressões tão da cultura popular brasileira—dar um rolé/rolê e o rolê da capoeira—foram buscar uma palavra ao francês. Uma hipótese que me parece plausível é que o roulé/rolê tenha vindo para o Brasil por via culinária. O bife rolê parece ser o uso mais antigo de todos os rolês, e é sabida a influência do francês na terminologia culinária: flambê vem do francês flambé (Michaelis), suflê, de soufflé (idem), etc. Aliás, o bife rolé do artigo de 1952 vinha acompanhado de “soufflé” e “petit-pois”.

Então, rolê/rolé poderia ter começado por ser usado na culinária e depois ter sido adotado para descrever o movimento rolante do capoeirista e um passeio curto. Note-se que a relação semântica entre rolar e dar um rolé existe também com outras palavras: temos girar, e dar um giro também significa ‘dar um passeio’ (Aulete 2); e temo votar e voltar-se, e dar uma volta também significa ‘dar um passeio’.

Evolução de dar um rolé

Como o foco da pergunta é em dar um rolé, dou mais uns pormenores sobre a evolução da expressão. Mostro na tabela abaixo a evolução da frequência da expressão. Até à década de 90, discrimino as diferentes grafias e sentidos; depois apresento só o total, que discriminar exige um tempo infinito para ver resultado a resultado. A frequência vai aumentado; só não aumenta mais em termos absolutos porque o número de periódicos na Hemeroteca vai diminuido; mas relativamente ao número de páginas na Hemeroteca o aumento é bastante pronunciado.

“dar/dando/deu (um) rolé/rolê” na Hemeroteca Digital Brasileira

Década                                60    70    80    90    00    10

Total de resultados                    1     8    35    27    84    29
    por milhão de páginas             0,3   2,5   14    17    50    41

Erro de reconhecimento do buscador     0     2     2     0

Sentido ‘passeio, volta’; total        1     5    28    27
    Grafia “rolé”                      1     4    16    25
    Grafia “rolê”                      0     1     8     0
    Outra/acento ilegível              0     0     4     2

Outro sentido ou sentido incerto       0     1     5     0

Continua a encontrar-se a expressão dar um rolé na linguagem de marginais, reportada em artigos sobre crimes. Entre outros:

Depois que Queixada e Waldetar aceitaram o convite para dar um “rolé” pela cidade, os cinco bandidos rumaram para o conjunto Potilândia
“Desvendado o crime d Pororoca”, Diário do Natal, Natal, 13 de dezembro de 1983, p. 6.

Eles escolheram a agência bancária quando passavam pelo Alecrim, “dando um rolé pela cidade”, e resolveram agir, traçando os planos ali mesmo.
“Assaltantes do Banorte vão hoje para a Colônia”, Diário do Natal, Natal, 20 de janeiro de 1987.

Foram eles que chegaram para mim e disseram para irmos dar um rolê por São Gonçalo, a fim de arranjarmos um outro bar.
“Três assassinaram mulher a golpes de chave de fenda”, O Fluminense, 27 de junho de 89, p. 10

Mas os exemplos começam a vir maioritariamente doutros contextos, o que indica que o uso da expressão já se tinha alargado: o músico Rúben Santos “esteve dando um rolé pela Argentina” (Luta Democrática, RJ, 1977); “é hora de dar um rolê pelos bares, que também ninguém é de ferro” (Jornal da República, São Paulo, 1979); um taxista não quer “dar rolé desnecessário, na busca de passageiros” (Luta Democrática, RJ, 1980).

Os vários dicionários indicam nesta aceção apenas a grafia rolé, exceto o Priberam, que indica rolé e rolê. A grafia rolê tem vindo a perder peso, mas continua a aparecer. Por exemplo, “nunca ‘deu um rolê pelo fundão’ da capital” [(Correio Brasiliense, Brasília, 2008) ou “dando um rolê por Salvador” (Correio Brasiliense, Brasília, 2012).

O Jornal do Brasil (Rio de Janeiro), que começou com rolê, no fim dos anos 80 mudou para rolé, e em 1995 observa que em “São Paulo é ‘dar um rolê’” , num artigo que, apesar do aumento da frequência da expressão, sugere que esta é ainda gíria restrita de certos grupos, pois o jornalista sente necessidade de explicar o seu significado:

PARA ENTENDER O PALAVREADO
[…] Dar um rolé: dar uma volta. Em São Paulo é “dar um rolê”.
Jornal do Brasil—Programa, Rio de Janeiro, 28-7 a 2-8-1995, p. 28.

Já antes se encontrava de vez em quando essa explicação:

“Para não bater na gente, eles mandavam quem tem cabelo encaracolado dar um rolé (passeio)”, denunciou Márcio.
“Agressão e tiros para o alto”, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 13 de outubro de 1993, p. 13.

Após furtarem o carro, os cinco rapazes e as mulheres ficaram alegres, afirmando que iriam dar um “rolé” (um passeio) pela Cidade Nova
“Gang rouba e troca tiros com Polícia”, Diário do Natal, Natal, 29 de novembro de 1988, p. 8.

Na história da expressão poderá ter tido a sua importância a canção Dê um rolê (Wikipédia), lançada em 1971 pelos Novo Baianos (YouTube), e interpretada ainda esse ano por Gal Costa (YT), e por Zizi Possi (YT) em 1984 (noticiado no Última Hora, Rio, 1984), e pelos Pitty (YT) em 2016. O que não é claro é se este “rolê” refere o movimento de capoeira ou uma volta, ou ainda se é deliberadamente ambíguo. A letra não esclarece totalmente: “enquanto eles se batem, dê um rolê”.

Com menor frequência, encontra-se dar um rolê noutros dois sentidos. Pode discutir-se se estes usos se inspiram na capoeira ou em ‘volta’, mas num deles rolê significa ainda ‘volta’, mas no sentido ‘grande mudança’ (Aulete 10):

Num momento de loucura, ele [o milionário Frederico Stuart Mill] decide dar um rolê em sua vida e ingressar em um grupo de teatro, sem revelar a verdadeira identidade.
“Cortina de vidro”, Correio de Notícias, Curitiba, 26-10-1989, p. 17.

Hoje a moçada interpreta os fifties à sua maneira, dando um rolê na moda
“A moda na trip dos fifties”, Manchete, Rio de Janeiro, 25 de setembro de 1985.

Se você se enquadrar entre os [comedores] compulsivos, menos mal: eliminando os beliscos nos petiscos, aumentando a quantidade de alimentos ricos em fibras e espaçando as refeições, poderá dar um rolê na compulsão.
“Quem faz a dieta de Beverly Hills pode acabar sem as células”, Manchete, Rio de Janeiro, 14 de maio de 1988.

O outro uso é dar rolé (em alguém), que parece significar ‘zombar de, provocar’: “presidente Lula deu um rolé nos racialmente corretos” quando piropou “negona!” à ministra Benedita (Jornal do Brasil, 2003); “cômico Chico Anísio dando rolê em quem tem medo de visagens” (Jornal do Rio Branco, 1980).

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.