1

Para colocar um verbo na forma negaiva, colocamos não antes do verbo.

Exemplo:
Eu não preciso ser reconhecido.

Mas algumas vezes colocamos não depois do verbo.

Exemplo:
Eu preciso de ajuda não.

Estes dois casos são diferentes ou a mesma coisa?

  • A diferença e que o primeiro exemplo consiste em duas orações; aí a posposição da negação verbal é impossível, mesmo nas variantes onde é comum. O segundo exemplo é uma oração só, então, nas variantes onde a posposição é aceitável (Nordeste, Minas Gerais, Goiás), ela é natural (no registro coloquial; no padrão nunca). – Luís Henrique Mar 3 '18 at 16:05
2

Na língua escrita usa-se muito raramente, a não ser que estejas reproduzindo o falar de alguém.

Já, coloquialmente, é usado em duas situações:

Enfatizar uma negativa prévia:

  • Não, não quero, não.
  • Não estou perguntando nada, não.
  • Não sei não.

E após o verbo para fazer a forma negativa. Note que nesses casos, ao contrário do exemplo "Eu preciso de ajuda não", são geralmente respostas curtas e o pronome pessoal é omitido:

  • 1- "Você pediu ajuda a ele?" - "Pedi não. Exigi!
  • 2- "Tu sabes onde ele está?" - "Sei não. (regionalismo)
  • 3- "Você viu meu filho?" - "Vi não" (regionalismo)

Em algumas regiões do Brasil, os exemplos 2 e 3 são extremamente comuns (principalmente na Bahia e outros estados do Nordeste, áreas rurais de Minas Gerais, etc)

  • Então o meu exemplo é tipo de Enfatizar? – Majid Feb 14 '18 at 0:48
  • @Majid Não, no teu exemplo não é para enfatizar. É só uma forma muito incomum de se falar. Na língua falada, recomendo que tu uses: "eu não preciso de ajuda", ou "não preciso de ajuda". – Centaurus Feb 14 '18 at 12:20
1

O significado é o mesmo, mas o segundo exemplo é mais comum na língua oral ou mídias sociais.

É também comum começar com um outro "não": "não preciso de ajuda, não".

0

Antes de mais, grafa-se e diz-se "eu não preciso de ser reconhecido". Ditam as boas regras da sintaxe em Português, que a partícula negativa não, surge por norma entre o sujeito e o verbo.

Eu não fiz o trabalho.

Como em qualquer língua indoeuropeia, com sintaxe similar, em primeiro lugar temos o sujeito, depois o verbo, ou seja, a ação, e depois então temos o complemento/objeto direto. A negação, de acordo com as boas regras da sintaxe, surge por norma, depois do sujeito e antes do verbo.

De salientar que o Português, ao contrário por exemplo do Alemão, não tem duas partículas negativas diferentes para a negação de verbos (ich habe nicht gemacht / eu não fiz), ou substantivos (ich habe kein Auto / eu não tenho carro). Em qualquer caso, mesmo nestas línguas germânicas onde existem duas palavras, quer para a negação das ações a que o verbo faz referência, quer para a referência à inexistência de substantivos, essa partícula negativa surge também, sempre antes da ação ou objeto que é negado.

Pode-se todavia, sem violar as boas regras da sintaxe, alterar a posição da partícula negativa, mas para tal, tal como refere o anterior comentador, a vírgula é obrigatória. Esta versão surge mais num contexto oral e como resposta a uma pergunta, e em duplicado, apenas para enfatizar a negação.

Se fiz o trabalho? Não fiz, não!

Já a frase que apresenta

Eu preciso de ajuda não.

É sintaticamente inaceitável, quer no registo oral, quer escrito. Algo como

Não preciso de ajuda, não.

já seria aceitável do ponto de vista sintático, pois estamos, teoricamente, perante duas orações: a primeira oração que obedece às normais e corretas posições das palavras em função das suas respetivas funções sintáticas, considerando em acréscimo que em Português, o pronome pessoal enquanto sujeito pode ser prescindível; e a segunda oração, separada da primeira pela presença da vírgula, apenas com a partícula negativa.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.