0

Ao responder a uma outra pergunta, fui buscar no Priberam a referência para a resposta (os significados do verbo "andar") Encontrei difinições numeradas de 01 a 09 para seu uso como verbo intransitivo, e de 10 a 15 como verbo transitivo, com os respectivos exemplos copiados abaixo:

  1. Caminhar durante determinada extensão (ex.: andou um metro e caiu). = PERCORRER

  2. Achar-se, encontrar-se (ex.: ele andava no Norte do país, não sei bem onde). = ESTAR

  3. Deslocar-se com um meio de transporte (ex.: andar de carro; andar a cavalo).

  4. Corresponder aproximadamente a (ex.: o preço anda pelos 2€).

  5. Estar ocupado numa .atividade (ex.: ele anda na jardinagem).

  6. Estar acompanhado por (ex.: não andes com estranhos).

"andar", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/andar [consultado em 05-02-2018].

Não me parece que o verbo andar, com esses significados e exemplos, seja um verbo transitivo. Onde estariam os objetos direto e indireto?
Em "ele andou um metro", não entendo "um metro" como objeto do verbo andar.

Comparo esse exemplo com "O nível do rio subiu dois metros", onde "subir" é um verbo intransitivo e "dois metros" não é objeto do verbo.
Nos exemplos acima, de 10 a 15, o verbo andar é transitivo? Existe objeto direto e/ou indireto? Ou existem predicativos do sujeito?

1
  • 1
    Se você dissesse o motivo do downvote ajudaria a melhorar a qualidade das perguntas. A dúvida é real e procurei seguir o padrão preconizado pelo PL na redação. – Centaurus Feb 6 '18 at 1:17
1

O termo transitivo pode ser usado com vários significados, mas de facto o Priberam não parece usar o termo consistentemente. Veja-se esta pergunta de 2003:

Apesar de, actualmente, o verbo prescindir dever ser considerado um verbo transitivo indirecto, como faz o Aurélio, a classificação mais tradicional em dicionários portugueses (diferentemente de dicionários brasileiros como o Aurélio ou o Houaiss) é classificar verbos com regência de proposições que não sejam a (como "entregar a") como intransitivos (como é o caso de "prescindir de"). Em casos semelhantes, é normal encontrar discrepâncias entre dicionários portugueses e brasileiros, sendo a classificação dos segundos geralmente mais rigorosa.

No entanto, a atual entrada de prescindir marca-o como transitivo. O dicionário parece marcar consistentemente (1) os pronominais (de vários tipos: inerente em lembrar-se, recíproco agredirem-se, reflexo em lavar-se e anti-causativo fechar-se, transitivos-predicativos reflexos como em o João afirmou-se o maior), (2) os copulativos ou de ligação (que designa por verbos copulativos, como ser, estar, ficar e também andar), (3) transitivos diretos, (4) transitivos-predicativos como considerar e achar e (5) os verbos transitivos diretos e indiretos, como oferecer, que são marcados com verbo transitivo.

Onde a porca torce o rabo é nos verbos transitivos indiretos (quer selecionem complemento indireto quer oblíquo). Neste caso, podem ser marcados ou como intransitivos, ou como transitivos:

  • convir, agradar, pertencer (argumento interno objecto indireto) estão marcados como intransitivo.
  • telefonar, recorrer (argumento interno objeto indireto) está marcado como transitivo. Há quem considere o argumento interno de recorrer oblíquo (substituição por lhe não é possível).
  • prescindir, abdicar, acreditar, morar (argumento interno oblíquo) estão marcados como transitivos.
  • concorrer, insistir, viver (=morar) (argumento interno oblíquo) estão marcados como intransitivos.

Não vejo de facto muita consistência.

O significado mais comum de verbo transitivo é talvez o de verbo transitivo direto. O Dicionário Terminológico define-o assim:

Verbo principal que selecciona um sujeito e um complemento com a função sintáctica de complemento directo (i)-(iv). Exemplos:
(i) A Ana fechou a porta.
(ii) A Ana fechou-a.
(iii) *A Ana fechou. (agramatical como frase isolada)
(iv) A Ana afirmou [que tinham fechado a porta].
(v) A Ana afirmou-o.
(vi) *A Ana pediu. (agramatical como frase isolada)

(Nesta definição, o verbo haver não é transitivo direto, pois não seleciona um argumento com função sujeito.)

Existem ainda definições de transitividade mais estritas do que esta. A tradicional é a de que os verbos transitivos são aqueles que podem «transitar» da voz ativa para a passiva. Nesta definição, verbos como custar e medir (por exemplo, em ele mede quase dois metros) não são transitivos.

3
  • A confusão é grande porque falta uma nomenclatura padrão. O que muitos chamam de verbo transitivo predicativo ou copulativo, eu aprendi como sendo verbos de ligação. – Centaurus Feb 6 '18 at 17:30
  • @Centaurus estava a misturar aqui os predicativos (ou de ligação, ou copulativos, que levam um predicativo do sujeito) como ser com os transitivos-predicativos (como considerar, onde há um predicativo do complemento direto). Corrigi essa parte. – Artefacto Feb 6 '18 at 18:09
  • A tradicional é a de que os verbos transitivos são aqueles que podem «transitar» da voz ativa para a passiva. foi assim que aprendi na escola, pelo menos no que se refere aos "transitivos diretos". – Centaurus Feb 6 '18 at 19:49

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.