3

Por que pronomes oblíquos mudam a sua forma conforme a terminação verbal ?

Claro que experimentar usar apenas uma forma, suponha a forma "o(s) e a(s)", soa estranho uma vez acostumado com as demais formas em cada um dos respectivos casos. Mas continuaria a ser estranho ou haveria algum prejuízo na comunicação ou escrita se fosse apenas uma forma ? Há algum prejuízo fonético ?

Regras das formas:

  • Terminado com som nasal (ão, m, ...): no(s), na(s)
  • Terminado com r, s e z: lo(s), la(s)
  • Demais: o(s), a(s)
5

O pronome objeto clítico (ou pronome oblíquo átono) da terceira pessoa é alomorfo (isto é, é um morfema com várias representações fonéticas) por dois motivos:

  • Porque esses pronomes são clíticos;
  • E porque a língua portuguesa passou por certas alterações fonéticas durante sua evolução.

Clíticos

Um clítico é uma palavra que é morfologicamente independente, porém foneticamente ligada a outra palavra. Por exemplo, a expressão "amá-la" contém, morfologicamente, duas palavras (amar e la), mas contém foneticamente apenas uma ("amála").

Isso é notável em outras línguas de origem latina, onde o verbo e o pronome objeto são de fato escritos como uma única palavra sem hifenização (sem serem separados por hífen). Essa mesma expressão "amá-la", em espanhol e italiano é "amarla".

Lenição intervocálica

A lenição intervocálica foi uma alteração fonética que ocorreu nos contextos /ala, ela, elo .../ ou qualquer combinação de duas vogais separadas por "L" (exceto quando essas vogais forem ao mesmo tempo /u/ ou /i/).

Nesses contextos, a consoante /l/ foi eliminada, e as duas vogais, que antes eram separadas pela consoante, passaram a ser unidas. Veja alguns exemplos (do latim vulgar ibérico para o português antigo e para o português moderno):

  • "palo" > "pao" > "pau"
  • "polo" > "poo" > "pó"
  • "volar" > "voar"

Essa lenição atingiu as palavras formadas por verbo+pronome clítico (pois, como disse, verbos e pronomes clíticos formam, fonologicamente, uma palavra só).

Veja, por exemplo, a expressão "ame-a" (em espanhol "ámela"), que, no latim vulgar tardio, era, assim como no espanhol, "ámela" (ame+la). Devido à lenição intervocálica, o "ámela" perdeu o "L" e virou "ámea" (ou "ame-a", já que a ortografia moderna separa pronomes clíticos por hífen).

Assimilação lateral e degeminação

A assimilação lateral foi uma alteração fonética que ocorreu em /arla, esla, izlo, .../ e qualquer combinação de duas vogais separadas por "RL, SL, ZL".

Nesses contextos, o som /rl/ transformou-se em /ll/ devido à assimilação, ou seja, o "R" assimilou-se em "L". Não conheço muitos exemplos de assimilação, mas um bem famoso é o da palavra latina vulgar "perlo", formado pela união da preposição "per" e do pronome "lo", que tornou-se a palavra "pello" por assimilação.

A consoante geminada (ou dupla) /ll/ não sofreu lenição (diferente da forma simples não geminada /l/, que tratei na seção anterior), porém foi degeminada (isto é, os dois "L"-s combinaram-se num só /l/). Veja alguns exemplos:

  • "elle" > "ele"
  • "collo" > "colo"
  • "bolla" > "bola"
  • "bella" > "bela"
  • "perla" > "pella" > "pela" (assimilação seguida de degeminação /rl > ll > l/

No caso dos pronomes clíticos aconteceu a assimilação seguida de degeminação. Por exemplo, a expressão "amá-la" (em espanhol "amarla"), que, no latim vulgar, era "amarla" (amar+la). Devido à assimilação, o "amárla" virou "amálla", que virou "amála" pela degeminação. E como a ortografia portuguesa separa pronomes clíticos por hífen, hoje temos "amá-la".

O caso nasal

No caso de flexões verbais terminadas em som nasal, não consegui encontrar fontes fiáveis explicando o caso específico do desenvolvimento de "amenla" para "amem-na". Mas vou deixar aqui minhas opiniões das causas possíveis (editarei essa resposta quando achar algo relevante, mas essas duas opções são bastante plausíveis dado o sistema evolutivo do português):

  • Pode ter sido a lenição intervocálica do /-l-/ seguido da fortição do /-n-/.
    (ou seja: /amenla > amẽa > amena/).
  • Ou a assimilação de /-nl-/ em /nn/ seguido da degeminação.
    (ou seja: /amenla > amenna > amena/).

Resumindo

-o(as):
"Ame-la > ame-a" (/'a.me.la > 'a.me.a/), pela lenição intervocálica. Compare com o espanhol "ámela", que não sofreu lenição.

-lo(as):
"Amar-la > amal-la > amá-la" (/a'mar.la > a'mal.la > a'ma.la/), pela assimilação do "R" em "L", seguida pela degeminação dessa consoante. Compare com o espanhol e italiano "amarla", que não sofreu assimilação (e, consequentemente, nem degeminação).

-no(as), evolução 1:
"Amen-la > amen-a > amem-na" (/'a.men.la > 'a.mẽ.a > 'a.mẽ.na/), pela lenição do "L", seguida pela fortição do "N".
Compare com o espanhol "ámenla".

-no(as), evolução 2:
"Amen-la > amen-na > amem-na" (/'a.men.la > 'a.mẽn.na > 'a.mẽ.na/), pela assimilação do "L" em "N", seguida pela degeminação dessa consoante. Compare com o espanhol "ámenla".

Eu não sei porque a ortografia portuguesa separa o pronome clítico do verbo por hífen, enquanto que na ortografia do espanhol e do italiano isso não ocorre. Não entendo muito da evolução ortográfica (mas creio que essa dúvida valha uma outra pergunta aqui no site).

O livro Portuguese: A linguistic Introduction, que uso como referência, explica a evolução fonética do português, porém apenas cita, sem discutir, o caso do clítico nasal.

Terminologia

Lenição: Alteração fonética em que um som se enfraquece, fazendo com que, dentre outras coisas, consoantes desapareçam ou tornem-se vogais ou características suprafonéticas (como a nasalização).

Fortição: Alteração fonética em que um som se fortalece, fazendo com que, dentre outras coisas, características suprafonéticas (como a nasalização) ou vogais tornem-se consoantes.

Assimilação: Alteração fonética em que um som torna-se parecido ou igual a um som adjacente.

Geminação: Alteração fonética em que uma consoante torna-se geminada, ou dupla/longa. O latim possuía consoantes geminadas, mas o português não possui. Porém há reflexos da geminação latina no português, como em "assa" vs. "asa"; "morro" vs. "moro"; "-ão" vs. "ano" etc.

Degeminação: Alteração fonética em que uma consoante geminada torna-se simples. Todas as consoantes geminadas do latim foram degeminadas no português.

Clítico: Palavra que é morfologicamente independente mas é fonologicamente parte de uma palavra maior, com a qual é pronunciada e sofre as evoluções fonéticas como se fossem uma única palavra.

Alomorfia: Condição em que um morfema possui mais de uma realização fonética. Cada realização é chamada de alomorfo (por exemplo, "-o, -no, -lo" são três alomorfos de um mesmo morfema).

  • Muito interessante. Eu já vi em textos antigos ena, eno por na, no. Creio que isto seria um exemplo da possibilidade "amẽa > amena" que avançaste, não? "Em a" : /ẽ a/ > /na/ – Jacinto Sep 18 '17 at 17:56
  • Foi nas Cantigas de Santa Maria, sXIII: Ena Gran Bretanna foi hũa sazon – Jacinto Sep 18 '17 at 18:03
  • 1
    @Jacinto. Isso pode ter sido também a assimilação de L com N, na contração da preposição en com o proto-artigo la (/enla > enna > ena > na/). Da mesma forma que a contração pela veio da assimilação de per com o proto-artigo la (/perla > pella > pela/)". O que você propõe é que a contração "na" viria da preposição moderna com o artigo também moderno a (/ẽa > ena > na/). Mas não creio que seja esse o caso, imagino que ambas as contrações se desenvolveram simultaneamente antes, durante a "pré-história" da língua português (quando a ainda era la). – Seninha Sep 18 '17 at 22:15
  • Ainda assim, não imagino o que teria ocasionado a deleção do /e/ em /ena > na/. Mas a vogal deletada já era curta e também foi deletada nas contrações das outras línguas (vide o italiano "nel < in+il"). – Seninha Sep 18 '17 at 22:19
  • Sim, é verdade. Modernamente, sXIX, encontramos também coisas com não na faz por não a faz. Ou isto já vem do protoportuguês ou então só mesmo por fortição, não? – Jacinto Sep 19 '17 at 9:27
1

Os pronomes eram originalmente lo, la, los e las, mas o L deixou de se pronunciar entre duas vogais.

Nas formas que terminavam em r, s e z, havia assimilação destas consoantes ao l do pronome.

Por outro lado, as que terminavam em som nasal, era o o l do pronome que assimilava num n.

Fonte.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.