7

Muitas vezes quando queremos mencionar pessoas indeterminada, ou “sem importância”, apenas para simbolizar existência de outros indivíduos, geralmente falamos: “fulano”, “beltrano” e “sicrano”.

De onde surgiram os termos “fulano”, “beltrano” e “sicrano”?

| improve this question | | | | |
  • Viana, incluí os exemplos conhecidos mais antigos de cada uma das palavras, caso estejas interessado. – Jacinto Aug 18 '19 at 18:15
10

Fulano, de acordo com o dicionário Houaiss (Lisboa, 2003), vem do árabe fulān, que significa ‘alguém, um certo, determinado (indivíduo)’; também se encontra no português antigo fuão e fulan.

A origem das outras duas palavras é mais incerta, mas uma opinião comum entre os filólogos citados no Houaiss é que ambas foram adotadas ou alteradas para rimarem com fulano, o que faz sentido já que beltrano e sicrano são quase sempre usadas com fulano, e fulano parece ser a mais antiga das três palavras.

Beltrano é segundo Antônio Geraldo da Cunha (Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa) o nome próprio castelhano; segundo Antenor Nascentes vem do nome português equivalente, Beltrão, com a terminação alterada para -ano para rimar com fulano (Houaiss).

Sicrano tem a origem mais problemática. Cito o Houaiss, desabreviando as abreviaturas:

sicrano […] ETIM origem controversa, José Pedro Machado (Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa) considera vocábulo de origem obscura, levantando a hipótese de ser talvez uma formação expressiva para rimar com fulano; compare com o espanhol zutano (1438 sob a forma çutana), vocábulo de origem incerta, segundo Corominas, que, no entanto, sugere tratar-se de uma interjeição cit! ou çut!, empregada como forma de chamamento e, logo, para nomear um desconhecido qualquer, cujo nome se ignora e, finalmente, adaptada à terminação de fulano; o espanhol apresenta diversas variantes, entre as quais cicrano, citrano, cistrano, formas que, segundo o autor, asseguram a indissociabilidade entre o espanhol zutano e o português cicrano;

Ciclano ou siclano, forma que o Bruno Lopes me trouxe à atenção, é uma variante de sicrano comum no Brasil e que também já se usou em Portugal, mas que eu desconhecia. Não vem nos dicionários, e não falta gente a dizer que “é termo inexistente” (aqui) ou que é “errado” (aqui). Mas a palavra aparece já em 1720 no Vocabulario Portuguez e Latino de Raphael Bluteau, ainda que no verbete sicrano, portanto sem direito a verbete próprio. Depois parece desaparecer dos dicionários, mas encontra-se em várias publicações em Portugal no século XIX, e até ao presente no Brasil.


Exemplos mais antigos

Encontrei fulan, fuan e foan, na versão portuguesa das “Flores de las leyes”, provavelmente do século XIII (o que confere com o dicionário Houaiss), já que o original é desse século (ver em Jácome Ruiz, o autor). As palavras aparecem numas fórmulas para o requerente se dirigir ao rei, em que fulan, etc. aparecem no lugar dos nomes relevantes. Exemplo (negrito meu):

[…] eu fulan me vos querello de fuan que me ouve de pagar en tal dya c. maravedis que lly emprestey e nõ mos pagou
“Versão portuguesa das ‘Flores de las leyes’”, Revista da Universidade de Coimbra, 1917, p. 358

A forma fulano aparece no século XV; segundo Fernando Venâncio (Dobletes e formas divergentes no português, p. 4-5) terá sido um cultismo influenciado pelo castelhano: formas populares que se tinham formado pela supressão de enes e eles intervocálicos, foram “corrigidas” pela reintegração dessas letras. Aconteceu com muitas outras palavras; por exemplo latim gelus > português antigo geo > gelo (mas ainda temos geada), latim opponente > português antigo opoente > oponente.

O sicrano mais antigo conhecido do Houaiss é de 1587; uma sicrana, na verdade:

Não vedes aquilo mana
não me afogo entã pouca agoa
olhayme a dona sicrana
Jerónimo Ribeiro, “Auto do Físico”, em Primeira parte dos autos e comédias portugueas, 1587, folha 106

Mas merece também menção um exemplo para aí um século depois, numa tradução portuguesa da Bíblia (Rute 4:1):

E Boaz subio á porta, e assentou se ali; e eis que o redimidor, de que Boaz tinha fallado, hia passando ; e disse lhe, ó fulano ou cicrano, desvia te para cà, assenta te aqui : e desviou se para ali, e se assentou.
A Biblia Sagrada, traduzida por João Ferreira d’Almeida (1628-91)

Podem ver que traduções posteriores, como esta e esta outra usaram um estilo um pouco diferente.

O ciclano mais antigo que conheço é mesmo a menção do dicionário do Raphael Bluteau em 1720.

Finalmente, o beltrano mais antigo indicado no Houaiss é de 1890, mas eu encontrei vários a partir de 1822:

[…] donde lhes veio o conhecimento de que em fulano e sicrano, melhor de em beltrano, se reunem essas relevantes qualidades e condições?
“Portugal—Continuação do Juizo sobre o Decreto das Eleições”, O Conciliador, Maranhão, 13 de Novembro de 1822, p. 1.

| improve this answer | | | | |
  • No Brasil existe uma cidade com nome de Francisco Beltrão. – viana Aug 19 '17 at 5:23
  • 1
    @white, estive a ver; paisagem bonita. Eu não conheço nenhum Beltrão. Acho que nunca conheci. Mas é nome antigo: há um "frey Beltrã de valuerde" ('Valverde') mencionado em 1273 em Santarém; vários no sXIV, escrito ora Beltrã ora Beltram; e encontrei a foram moderna, Beltrão, a partir de 1657. – Jacinto Aug 19 '17 at 9:24
  • 2
    Aqui no Brasil é comum dizermos "ciclano". As únicas pessoas que já ouvi falar "cicrano" foram meus professores de português. – Yuuza Aug 21 '17 at 17:46
  • 1
    @Bruno, desconhecia. Mas já se usou em Portugal, e aparece já em 1720. Adicionei um parágrafo sobre o assunto. – Jacinto Aug 21 '17 at 22:12

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.