4

Estou ciente que, para não errar em acentuação gráfica, deve-se:

  1. saber as três primeiras regras gerais de acentuação, assomadas das regras de exceção;
  2. realizar a separação silábica;
  3. exercer o bom senso.

Entrementes, mesmo tendo seguido essas sugestões, permanece-me uma dúvida pontual em relação ao item 2: separação silábica. Permita-me explicar a dúvida.

No caso da palavra es-pé-ci-e, proparoxítona, aplica-se a regra 1 de acentuação, "todas as proparoxítonas são acentuadas". Porém, num primeiro momento, separei essa palavra assim: es-pé-cie.

Noutra palavra, separei a palavra equilíbrio assim: e-qui-lí-bri-o, mas dessa forma está errado. Porque na última sílaba forma-se ditongo e, eu "hiatizei" a sílaba.

E se, por exemplo, eu estivesse agora numa prova, e tivesse que separar Rondônia, ficaria em dúvida. Porque num caso de separação, a última sílaba, pode ficar em ditongo, mas no outro, acontece hiato.

Qual é a regra de separação silábica que devo adotar e, aprender, para não errar mais nesses casos de separação silábica?

3

Para mim a forma mais simples de acentuar as palavras é perceber onde recai o acento tonico se a palavra não levar acento. Então é:

  • palavras terminadas em A, E, O; AS, ES, OS; AM, EM, OM; ANS, ENS, ONS são graves, caso contrario são agudas.

Agora há a questão da divisão silabica. Neste caso considero:

  • Para efeitos de divisão silabica não se consideram ditongos crescentes.
  • Sempre que há possibilidade de um ditongo decrescente, é considerado que há ditongo decrescente.

Ou seja, sempre que há uma vogal seguida de I ou U (que não seja igual à anterior), há um ditongo, caso contrario, não há ditongo.


Em relação aos exemplos que deste, não podes considerar ditongos crescentes.

Mesmo em relação à divisão silabica, apenas os ditongos crescentes com gu e qu são considerados. Ex.: á-gua. Mas para a acentuação, é tratado como se fosse um hiato, até porque sem acento corresponde ao verbo aguar, onde existe mesmo um hiato.


tl;dr independentemente da pronuncia, considera-se os ditongos crescentes como hiatos (duas silabas), a não ser que este seja com gu ou qu.

1

No caso de equilíbrio - o final não pode ser separado, porque temos uma semivogal mais uma vogal - pois o "o" final tem som de "u". O mesmo não ocorre com "espécie" e "Rondônia", pois ambos têm suas últimas sílabas formadas por duas vogais, logo não pode-se ter duas vogais na mesma sílaba, por isso deve haver a separação, como em farmácia, que é acentuada por ser proparoxítona.

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.