10

No vocabulário brasileiro existem muitas palavras que, no Tupi, possuiam o som de /s/ (como em saca e caça) e foram inseridas no dicionário português com o C-cedilha ⟨ç⟩ ou o C-palatalizado ⟨ce, ci⟩. Por exemplo: "paçoca", "açai", cipó, "jacaré-açu", "minhocoçu", cupuaçu (e várias outras palavras com o sufixo "-açu/-oçu"). Pergunto por que, como no tupi não havia uma diferença fonética tal como a representada pelo ⟨s, c⟩ no Português, optaram por uma letra cujo som é sensível ao contexto (ca vs. ce) em vez da opção óbvia ⟨s⟩ ou ⟨ss⟩, que representa o mesmo som?

Minhas opções são:

  • Quando o tupi foi escrito, ainda havia a diferença na pronúncia entre o par ⟨ss, ç/c⟩ no dialeto dos portugueses colonizadores e/ou dos padres jesuítas que documentaram a língua local; daí preferiu-se usar a grafia ⟨ç⟩ por ser a grafia do português que melhor representava o som /s/ tupi.
  • O par ⟨ss, ç⟩ já era homófono aos colonizadores, mas preferiu-se grafar o tupi com ⟨ç⟩ por outro motivo qualquer (e qual seria?).

Nesta gramática tupi, do padre jesuíta Luis Figueira, publicada em Lisboa em 1687, usa-se a grafia ⟨ç⟩. O padre jesuíta José de Anchieta escreveu o seguinte, no primeiro parágrafo de seu livro sobre a língua local:

Nesta lingoa do Brasil não ha f, l, s, z, rr dobrado nem muda com liquida, ut cra, pra, etc. Em lugar do s in principio ou medio dictionis, serve ç com zeura, ut Açô, çatâ. [sic]

O que seria um "s in principio ou medio dictiones" e um "ç com zeura"? E por que esse tal "ç com zeura" era diferente do ⟨ç⟩ normal?

  • 3
    Encontrei esta "tradução" desse trecho do José Anchieta: Nesta língua do Brasil não há f, l, s, z, rr nem (encontro de consoante) muda com (consoante) líquida, como cra, pra, etc. Em lugar do s no início ou no meio da palavra, serve ç, como açô [a-só], çatâ [s-atá]. – Jacinto Jul 26 '17 at 17:54
  • Então o dialeto dos jesuítas tinham a diferença s/ç, a ponto de ser notável em outras línguas? Eu pensava que essa diferença tinha se perdido no sul de Portugal antes da colonização e já teria chegado ao Brasil (e demais colônias) como par homófono. – Seninha Jul 26 '17 at 18:02
  • 2
    Zeura parece significa 'cedilha'. Vê aqui e também aqui. – Jacinto Jul 26 '17 at 18:03
  • 1
    Fui eu que escrevi que "foi esta a pronúncia [com fricativas só pré-dorsais] que foi para o Brasil"; é mais cauteloso dizer que foi essa pronúncia que vingou também no Brasil. De qualquer modo os tipos que escreveram o tupi chegaram ao Brasil já adultos e numa fase muito inicial da colonização. – Jacinto Jul 26 '17 at 18:34
  • 2
    Para complicar, José Anchieta (1534-97) era das Canárias; foi estudar para Coimbra já aos 14 anos, e foi para o Brasil aos 19. O que ele chama "mudas" são provavelmente as oclusivas; vê Ortografia do Duarte Nunes de Leão (1576) f. 6 (acerca de d e t); vê também b, g e q. Ele sugere também que distingue o som de s do ç f. 23 esquerda: z "soa entre .s. & .ç. A qual letra, porque muitos vulgares a confundem com o .s. & aas vezes com o .ç. E aqui diz que ç soa como uma "specie de .z." Mas ele é complicado. – Jacinto Jul 26 '17 at 19:43
2

A pseudorresposta que encontro é que simplesmente é a regra. Parece ser bem estabelecido (ver, e.g., 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7) que se prefere a cedilha em

palavras de origem árabe, italiana, africana e indígena

E aqui vale observar que não é portanto só no tupi e no guarani, mas também em outras línguas indígenas que se usa o ç (outro exemplo é o kaipó).

Claro que isto apenas altera a pergunta do título para algo como

O que motivou a regra de se usar a cedilha em muitas palavras estrangeiras?

E para essa não tenho resposta!

O outro assunto da pergunta - a fonética dos portugueses da época e dos indígenas - é complicado e não parece ter resposta unânime pelas publicações que pude encontrar.

Dentre os complicadores, vários já mencionados na pergunta e comentários, se destacam:

  • a qualidade de muitas fontes, inclusive de primárias, por vezes é questionável;
  • não se trata de uma língua, mas de muitas;
  • o tupi é língua viva, não é estática, então mesmo uma descrição correta se refere não apenas a um grupo em particular de falantes, mas a um tempo em particular;
  • a fala indígena, especialmente dentre aqueles que mais contato tinham com os estrangeiros, era provavelmente influenciada por suas línguas - ao ponto de uma nova língua se desenvolver, o "brasiliano", ou língua-geral.

As publicações mais relevantes que encontrei defendem posições díspares. Por exemplo, Mansur Guérios defende [1] que os sons de s e ç eram distintos na época:

O estudo explica por que o fonema (s de vocábulos tupis introduzidos no léxico português não é transcrito com s (ou ss), mas com c (+ e, i) e ç. O fato se baseia na existência do fonema africano / ts /, no século 16, tanto no tupi quanto no português, neste representado pelas grafias c (+ e, i) e ç.

Enquanto o, aparentemente mais conceituado e melhor embasado, Edelweiss escreve em sua sequência de artigos [2] quase sempre (mas há exceções) com s em tupi, explicitando no início da obra que "tem o valor [fonêmico] de ss", e com ç em português e brasiliano (e.g., "ygûasú" -> iguaçu). Um excerto da página 37:

   Brasiliano         Forma Tupi         Tradução Portuguêsa   

abá angaipaba oçú - abâ agaipab-eté   - pessoa terrível, tirano;   
abá karimbab oçú  - abá kyreymbá-katú - valentão;   
abá guaçú         - abá-gúasú         - grande homem, ilustre;   
abaiba oçú        - abai-katú         - abrasador, destruidor;   
anama oçú         - anam-usú          - basto, fechado (mato, capim);   
apyá oçú          - apyab-usú         - valoroso;   

[1] "Transcrição portuguesa de um fonema tupi", Revista Letras vol. 29 (1980), p. 129.
[2] "Gûaçú e usú na diacronia das línguas e dialetos Tupi-Guaranis", Revista do Instituto de Estudos Brasileiros: n. 7 (1969), p. 33-45; n. 8 (1970), p. 51-64; n. 9 (1970), p. 65-80; n. 10 (1971), p. 29-62; n. 11 (1972), p. 77-89; n. 12 (1972), p. 59-78.

| improve this answer | |
  • Resposta excelente. – Lambie Oct 24 '19 at 17:11
  • @stafusa, esta resposta deixou-me um bocado desconsolado. A fonética dos portuguese no sXVI não é “outro assunto”, é uma questão central. Houve no português antigo dois sons diferentes, um representado por s, ss (/s/ apicoavelar), outro por ç, c(e, i) (/s/ pré-dorsal); vê esta pergunta. Precisamente uma possibilidade, a que a pergunta alude, é que os colonizadores que escreveram o tupi achassem que o /s/ do tupi era prédorsal. – Jacinto Oct 28 '19 at 19:07
  • Agora, tu citas Guérios, que o ç representava no português o fonema /ts/. Pensa-se que este fonema existiu na evolução do latim para o ç no português; agora que ele persistisse no sXVI foi a primeirissimamente que ouvi. No sXVI muitos falantes já não faziam a antiga diferença entre ss e ç, coisa que já tinha começado no sXIII, portanto muito me espanta que o /ts/ ainda existisse na altura. Não me aumenta a confiança o Guérios chamar ao /ts/ fonema africano — é africado. Não sei se leste além do abstract, se sabes se isto foi um engano só ali ou se persiste no resto do texto? – Jacinto Oct 28 '19 at 19:07
  • Ou eu não percebi, ou o Edelweiss simplesmente optou por grafar com s palavras indígenas que em português se grafam com ç. Mas isso diz-nos alguma coisa acerca da fonética antiga? Nós termos coisas como massa e maça deve-se exclusivamente à história particular do português. Atualmente não há razão fonética para as grafias diferentes. – Jacinto Oct 28 '19 at 19:10
  • A tua regra inicial apoia-se em fontes (que tu numeras 1 a 7) que não me inspiram confiança nenhuma. São artigos genéricos sobre a cedilha. Duvido que na adaptação ao português de palavras do árabe, italiano, línguas africanas e indígenas, o ç fosse uma mera preferência. O português antigo conviveu diretamente com o árabe numa altura em que a distinção fonética entre ss e ç ainda era a norma. Então o pessoal ia escrever com ç só por preferência e não por o som árabe ser o pré-dorsal que os portugueses representavam com ç? >> – Jacinto Oct 28 '19 at 19:10

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.