19

Vejo muito o uso do hífen ou até ligação, no entanto não sei em que situações do novo acordo ortográfico mudou.

Quando devo usar o hífen para ligar duas palavras e quando devo junta-las?

16

Como regra, com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 (AO), as palavras com prefixos levam hífen, se as letras forem iguais, como "anti-infecioso" ou "anti-infeccioso", e não se separa o prefixo se as letras forem diferentes, como em "antimatéria". Na nova grafia, se o prefixo terminar em vogal e o elemento da composição que lhe segue começar por <r> ou <s>, a consoante deverá ser dobrada, como em "minissaia", em vez de "mini-saia", na grafia pré-acordo.

A hifenização é tratada com alguma extensão no AO, ocupando três das suas bases, a XV, XVI e XVII. Transcrevo parcialmente os Critérios de aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990), na parte relevante:

Palavras com prefixos e radicais de composição

Os prefixos e radicais de composição (elementos não autónomos como mini- ou agro-) não são por princípio geral separados por meio de hífen das palavras a que se juntam: antirrevolucionário, megaconcerto, minissaia, socioeconómico, ultraligeiro.

O hífen é usado após estes elementos quando:

  • a palavra a que se juntam começa pela letra <h>, exceto no caso de palavras formadas com prefixos átonos como des-, in- e re- que já se justapunham, antes da aplicação do AO, sem hífen: anti-histamínico, contra-harmónico, (...) (mas desumano, (...));
  • a letra com que terminam é a mesma com que se inicia a palavra a que se juntam, exceto no caso de prefixos como co-, pre- e pro-, prefixos átonos, que já se justapunham, antes da aplicação do AO, sem hífen: arqui-inimigo, micro-ondas, mas cooperação, preencher;
  • terminam por <n> ou <m> e palavra a que se juntam começa com uma dessas consoantes ou com vogal: circum-adjacência, pan-nacional;
  • terminam por <b> ou <d> e a sua aglutinação provoque uma leitura que não reflita a pronúncia da palavra: ad-rogar, sub-regulamentar;
  • são sota-, soto-, vice-, vizo-, grão-, grã- ou ex- (com sentido de anterioridade): vice-presidente, (...);
  • são acentuados graficamente: pré-reforma, pós-verbal;
  • a palavra a que se juntam é um estrangeirismo, um nome próprio ou uma sigla: anti-apartheid, anti-Europa, mini-GPS.

Locuções

As locuções substantivas escrevem-se por princípio geral sem hífen (mantendo separados por espaço os seus elementos). (...): dia a dia, cor de vinho, fim de semana. (...) Por lhes ser feita referência explícita no texto do AO, são registadas no VOP [Vocabulário Ortográfico do Português] com hífen as seguintes exceções: arco-da-velha, água-de-colónia, cor-de-rosa, mais-que-perfeito e pé-de-meia. Para todas elas o VOP assume como também aceitáveis variantes (não preferenciais) sem hífen.

Constituem exceção à regra geral, sendo os seus elementos sempre unidos por hífen, os nomes que designem espécies zoológicas e botânicas: bico-de-papagaio (flor), (...), mas bico de papagaio (espondilose), (...).

Verbo haver seguido de preposição de

Elimina-se a ligação por meio de hífen das formas monossilábicas do verbo haver à preposição de: hei de, hás de, há de, hão de.

--

Portal da Língua Portuguesa: http://www.portaldalinguaportuguesa.org

1

Estuando sobre o assunto li no livro de Almeida(2009) uma explicação excelente e fiz um pequeno resumo para acrescentar mais uma resposta a essa questão.

Os caso de emprego do hífen são:

a) usa-se hífen na maioria dos substantivos e adjetivos compostos cujos elementos têm acentuação própria e formam uma unidade significativa: guarda-civil, conta-gotas etc;

b) nos compostos designativos de espécies botânicas ou zoológicas: couve-flor, erva-doce, beija-flor, tico-tico, joão-de-barro etc;

c) nas onomatopeias que reproduzem sons repetidos: zum-zum, zigue-zague, tim-tim, cri-cri etc;

d) nos topônimos compostos iniciados pelos adjetivos grã, grão ou forma verbal, ou cujos elementos estejam ligados por artigo: Grã-Bretânia, Grão-Pará, Passa-Quatro etc;

e) nas palavras formadas pelos sufixos -açu, -guaçu ou mirim, desde que o primeiro elemento termine com vogal acentuada graficamente ou nasalizada: araçá-guaçu, tamanduá-mirim, jacaré-mirim etc;

f) palavras formadas com advérbios mal e bem quando esses elementos formam uma unidade sintagmática com significado e o segundo começa por vogal ou h: bem-amado, bem-estar, bem-humorado, mal-alinhado etc;

g) nas palavras formadas com os prefixos além-, aquém-, recém- e sem-: além-mar, aquém-fronteira, recém-formado, sem-teto etc.

h) nas palavras com prefixos ex-, soto-, sota-, vice- e vizo-: ex-diretor, sota-capitão, vice-diretor, soto-mestre etc;

i) nas palavras formadas com os prefixos circum- e pan-, desde que o segundo elemento comece com vogal, m ou n: circum-adjacente, circum-navegação, pan-americano etc.

j) nas palavras formadas com os prefixos inter-, hiper- e super-, desde que seguidos de palavras iniciadas por h ou r: inter-helênico, hiper-hidrose, hiper-humano, super-homem etc;

k) nas palavras formadas com prefixos tônicos pré-, pró- e pós seguidos de palavras de vida autônomas na língua: pré-escolar, pré-natal, pós-graduação, pró-educação etc;

l) nas palavras formadas com prefixo sub- diante de palavras indicadas com b, r ou h: sub-base, sub-região, sub-hidroclorato etc.

m) nas palavras em que os prefixos ou pseudoprefixos antecedem palavras iniciadas com h ou com letra idêntica à que encerra esses elementos: ante-histórico, anti-horário, mini-hotel, infra-assinado, extra-abdominal, tele-educação, eletro-ótica etc.

Não se emprega o hífen

a) nas palavras em que o prefixo ou falso prefixo termina com vogal e o segundo elemento começa com s ou r, casos em que essas consoantes devem se duplicar: antessala, antessépalo, antessentir, antirreumático etc;

b) nas palavras em que o prefixo ou falso prefixo termina com vogal e o segundo elemento começa com letra diferente: aerobalística, aerobarco, antediluviano, radiotáxi etc;

c) nas palavras formadas pelos prefixo co- e re-, mesmo que diante de palavras iniciadas, respectivamente, por o e e: cooperar, cooperação, reembolsar, reeducar etc.

Fonte: ALMEIDA, Nilson Teixeira de. Gramática da Língua Portuguesa. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 2009

  • Deinis, não ficou claro para mim se estas regras estão de acordo com o atual acordo ortográfico ou dizem respeito à grafia anterior. Acho que valia a pena clarificar. O hífen foi sempre das coisas mais complicadas para mim. – Jacinto Mar 29 '16 at 10:51
  • Estão de acordo com o atual acordo ortográfico. – Denis Caixeta Mar 30 '16 at 1:05

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.