9

O português há alguns anos (centenas ?) já teve o plural de siglas ou abreviações similar ao espanhol, dobrando letras na abreviação, exemplo Estados Unidos: EEUU (ou EE.UU.)

Seria um erro ou uma afronta às regras ortográficas atuais abreviar palavras com essa regra ? Ou só é permitido as abreviações atuais documentadas? E quais as condições para a reprodução de textos antigos ?

MAIS INFORMAÇÕES E EXEMPLOS:

Há também organizações ou sociedades, como a Maçonaria, que mesmo em Português, utilizam desta regra dobrando as letras quando é um plural abreviado, e profissionais que convivem com textos antigos lidam também com abreviações nesta forma, muitas vezes preservando o original replicando a forma de como eram escritas - profissionais da área de direito com mais frequência.

De uma foma ou de outra há resquícios dessa prática (ou regra). Há textos na internet documentando a abreviação do plural de algumas palavras onde se dobram as letras, exemplo:

  • Vossas Majestades: VV.MM.
  • Autores: AA.

  • Vossas Altezas: VV.AA.

Há regras também para o plural de letras, como exemplo as vogais no plural teriam um s ao final ou são dobradas ?

  • Múltiplos as: Múltiplos aa
  • Múltiplos is: Múltiplos ii.
  • etc

Algumas fontes:

  • 1
    Eu via em vários textos EEUU e não entendia o porquê! – Peixoto May 26 '17 at 17:38
  • Para os plurais das letras vê esta pergunta : podes dobrar a letra ou acrescentar s ao nome da letra. – Jacinto May 26 '17 at 19:06
  • @Peixoto Você pode compartilhar esses textos ? Já vi alguns casos que parecem misturar Espanhol com Português, pode ser uma tradução do Espanhol pro Português sem alguns cuidados. – Luciano May 26 '17 at 19:44
  • 2
    Luciano, DD é digníssimo, e MM (Priberam) é meritíssimo; são singulares, não são plurais, como indica o crescabrasil linkado na pergunta. – Jacinto May 28 '17 at 15:01
  • 1
    @jacinto Tinha visto isso, mas jurava que tinha encontrado divergências com outra fonte. Bem se eu achá-la adiciono às referências, por ora os removi dos exemplos. – Luciano May 28 '17 at 15:37
9

A pluralização de abreviações por duplicação das letras é aconselhável apenas nos casos já consagrados, como VV.MM. ‘Vossas Majestades’, SS.MM. Suas Majestades, VV.AA. ‘Vossas Altezas’, etc. O que muitos gramáticos recomendam e o uso vem consagrando é a formação do plural pela adição de um s minúsculo: uma ONG, duas ONGs (‘organização não governamental’). Por exemplo, este artigo no Gramaticalhas cita quatro gramáticos que aprovam a formação do plural de siglas com s. É essa também a recomendação no Manual de Redação da Folha de São Paulo e no Manual de Comunicação do Senado Federal do Brasil). A única posição discordante que encontrei (Ciberdúvidas e Dúvida Linguística no FliP) recomenda manter a sigla invariável: uma ONG, duas ONG.

Agora, tudo isto são apenas recomendações. Como diz Cláudio Moreno (“Plural das Siglas”,Sua Língua), que também aprova o plural com s, “não há um deus da gramática”, e o Acordo Ortográfico em vigor nada diz sobre o assunto. Por isso não podemos dizer que o plural por duplicação de letras fora dos poucos casos consagrados seja um erro ou uma afronta às regras ortográficas atuais; mas vai com certeza contra a prática corrente. E cada um dirá qual das seguintes formas melhor favorece a comunicação (“notícia” inventada):

Várias OO.NN.GG. pediram à C.P.L.P. (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) que melhorasse o seu site. Mas parece haver duas CC.PP.LL.PP, uma interessado em progredir, outra em protelar.

Várias ONGs pediram à CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) que melhorasse o seu site. Mas parece haver duas CPLPs, uma interessado em progredir, outra em protelar.

Várias ONG pediram à CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) que melhorasse o seu site. Mas parece haver duas CPLP, uma interessada em progredir, outra em protelar.

Eu prefiro a versão com s, que é aliás a que vem ganhando consenso. A versão com letras dobradas deixaria muitos leitores a coçar a cabeça.

Um argumento a favor do s é que nós tendemos a tratar as siglas, mesmo aquelas pronunciadas por soletração (como CD, que é lido como cê-dê, ao contrário de ONU), como uma palavra, e é por isso natural acrescentar um s, para formar o plural, lendo-se um cê-dê, dois cê-dês (ver artigo do Cláudio Moreno). Isto é válido, naturalmente, apenas para siglas que designam entidades singulares que podem ser pluralizadas: uma ONG, duas ONGs. Algumas siglas já são gramaticalmente plurais, como os EUA, não havendo necessidade de indicar o número plural com s ou dobragem de letras. Encontrei de facto alguns exemplos de EE.UU. em textos do século XIX, mas não vejo nessa sigla qualquer mérito. Mas eu diria, “existem dois EUAs [e-u-ás], um urbano, outro rural”.

Quanto à citação de textos antigos, é perfeitamente legítimo reproduzi-los fielmente, juntando notas explicativas se necessário. É aliás boa prática em qualquer texto indicar por extenso o significado da sigla, exceto as sobejamente conhecidas, na primeira vez que ela aparece no texto. Depois, em domínios específicos pode haver normas ou tradições próprias. O plural das siglas não está regulamentado; a explosão de siglas é uma coisa relativamente recente na história da língua, e o consenso está ainda em formação. Portanto é uma questão de bom-senso e ver o que favorece a comunicação.

Onde há consenso é que não se usa apóstrofo: ONGs, tudo bem, mas não *ONG’s. Este uso do apóstrofo é provavelmente influência do inglês, mas mesmo aí ele é desaconselhado salvo raras exceções (ELU.SE). No passado indicava-se a parte de cada palavra numa sigla com um ponto (E.U.A., O.N.U), mas a tendência atual é para evitar esse “entulho gráfico” (Veja, manuais da Folha e do Senado). No entanto, os pontos são usados nos plurais com letras dobradas. Por razões históricas—esses plurais são heranças do passado—e ajudam-nos a saber que cada duas letras representa uma só palavra, por exemplo: SS.MM. é ‘Suas Magestades’ e não, por exemplo, ‘sem sal é muito melhor’.

O plural das letras pode formar-se por duplicação ou acrescentando um s ao nome da letra: aa ou ás, bb ou bês, ff ou efes, hh ou agás, etc., como explicado na resposta a esta pergunta. Isto é no entanto uma questão diferente: por exemplo, vv referem várias letras v, como em, “há três vv em vavavá”; em VV.MM os dois vv referem a palavra vossas, não referem letras.

  • Só um adendo: no Brasil (não sei se em todas as regiões) a pronúncia de ONG é ôngui, e o respectivo plural é ônguis. Mas pelo jeito não há uma regra geral para a pronúncia de siglas. A Agência Nacional de Saúde (ANS), que poderia ser pronunciada exatamente como âns, acaba sendo soletrada (a-ene-esse). Já a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), que deveria ser soletrada, acaba sendo transformada em palavra (fefeléchi). – user1798 May 28 '17 at 17:24
  • @Hugo, não sabia disso. Vou incluir o exemplo da ANS então. O argumento para a adição do s é válido de qualquer modo. – Jacinto May 28 '17 at 21:09
  • Agora surgiu uma dúvida: se a sigla termina em S, como ficaria o plural? Com um s minúsculo depois do S? – user1798 May 28 '17 at 21:12
  • 2
    @Hugo, Sim, as SSs (lol, esse-esses) dos países envelhecidos correm risco de falência. Bem imagino que CD seja cê-dê em todo o lado. – Jacinto May 28 '17 at 21:14
  • 1
    @Hugo: Não tenho dados estatísticos, apenas conversando e conhecendo culturas, notei que no nordeste do Brasil, em especial na Bahia, há tendência a pronunciar siglas como palavras inteiras, o caso da Fefeleche (FFLCH), seria um exemplo - apenas um exemplo. – Luciano May 29 '17 at 17:40

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.