6

Briba, no dialeto cearense, significa lagartixa. Qual a origem dessa palavra? Há alguma relação com a etimologia das palavras homónimas francesa/inglesa "bribe" (suborno) e espanhola "briba" (malintenção, vagabundagem)?

4
  • O Aulete diz que é um sinónimo popular de víbora. É sobre essa palavra que perguntas? Ou sobre uma homónima?
    – ANeves
    May 22 '17 at 12:56
  • 1
    @Seninha - Tenho uma amiga piauiense que chama lagartixa de "víbora". Não sei se "briba" é uma corruptela de "víbora", mas não é impossível (víbora -> vibra -> bibra -> briba). May 23 '17 at 0:09
  • 1
    @Luís e Seninha: bíbora e bíbera eram formas correntes e, parece-me, predominantes, nos séculos XV e XVI. O Camões escreveu bibora. Outras palavras que aparecem com b em vez de v no nordestino popular (barrer, bassoura) é também com b que aparecem num dicionário do século XVI. Acrescentei à resposta.
    – Jacinto
    May 30 '17 at 11:46
  • Descobri que a "briba" do Espanhol (malintenção/vagabundagem) vem de "bribia" (arte de enganar com bajulações), que por sua vez veio de "biblia" (bíblia). Coincidentemente, por aqui também é comum na língua vulgar chamar bíblia de briba.
    – Seninha
    Nov 21 '17 at 16:28
4

O dicionário Houaiss (Lisboa, 2003) diz que briba é provavelmente uma modificação popular de víbora, e Mário Marroquim em A Língua do Nordeste, (1934) convence-me que foi isso mesmo que aconteceu. Ou melhor, foi provavelmente modificação popular de bíbora ou bíbera, que eram formas correntes e cultas nos séculos XV e XVI. Dou pormenores mais abaixo. Mas primeiro, víbora designa no seu sentido primário, como todos sabem, várias espécies de cobra; mas designa também segundo o Houaiss várias espécies de lagartos do nordeste do Brasil, sendo neste sentido o mesmo que briba. Transcrevo o Houaiss:

briba s. f. (1913 cf. CF2) 1 HERP design. comum às lagartixas do gén. Briba, representadas no Brasil por uma única sp. (Briba brasiliana), que ocorre do Piauí a Minas Gerais 2 HERP design. comum a algumas spp. de lagartos da fam. dos cincídeos, e dos anguídeos, que ocorrem no Nordeste do Brasil, de corpo alongado e membros reduzidos; víbora 3 B infrm aguardente de cana; cachaça ʘ ETIM lat. cien. gén. Briba, prov. corruptela de víbora

Briba passou a latim científico em 1935, quando o herpetólogo brasileiro Alfrânio Amaral descobriu um nova espécie de lagarto e a batizou de briba brasiliana (Wikipédia). A palavra briba já então existia, e Mário Marroquim em A Língua do Nordeste (Brasiliana, série V, vol. XXV, 1934) diz explicitamente que bibra é uma modificação popular nordestina de víbora. Mas mais: ele identifica, entre os muitos fenómenos linguísticos do Nordeste, três que, juntando-os eu, possibilitam a transformação de víbora em briba; a ordem por que apresento os fenómenos é arbitrária, ele não diz que isto tenha acontecido por qualquer ordem em particular:

  • víbora > bíborav inicial passa a b; aqui vou citar (p. 77; grafia original, negrito meu):

    Algumas palavras têm o v inicial trocado por b. A mudança, aliás, vem da formação da lingua: vesicam > bexiga, vagiram > bainha, votum > bôdo. Dizem os matutos: barrer, bassôra béspa ou bespra, berruga, briba, por varrer, vassoura, vespera, verruga, vibora.

  • bíbora > bibra—supressão em palavras esdrúxulas da vogal a seguir à tónica (p. 43-44); ele dá como exemplos precisamente o par víbora – briba e ainda véspera – bespra ou bespa (também aqui o v passa a b), Cícero – Cirço (também aqui o r muda de sílaba) e ainda outros;

  • bibra > briba—mudança do r de sílaba (p. 97); ele dá como exemplos largatixa, bicabornato e ainda ciloura, trigue e triato, que eu imagino que seja ceroula, tigre e teatro. Estes saltos dos rr não é exclusivo do falar popular do Nordeste: bicabornato é tão comum em Portugal que eu fiquei uns momentos a olhar para a palavra até ver o que se passava com ela (é, obviamente, bicarbonato); e encontramos cangrejo em vez de caranguejo no Dicionarium Latino Lusitanicum & vice versa de Jerónimo Cardoso de 1570; o Vocabulário Português e Latino de Raphael Bluteau de 1712, ainda traz Caranguejo, ou cangrejo.

Bíbora ou bíbera poderá muito bem ter sido a palavra que os primeiros colonos trouxeram de Portugal. Estas eram, a julgar pelo Corpus do Português e o Google Books, as formas mais correntes nos séculos XV e XVI. O Camões escrevia “bibora” (aqui e aqui). Aliás aparecem na letra b do Dicionarium Latino Lusitanicum & vice versa de Jerónimo Cardoso de 1570 sete palavras que hoje escrevemos com v. Coincidência ou talvez não, cinco dessa palavras correspondem precisamente aos exemplos apresentados na Língua do Nordeste: barrer (mais barredor e barredeira), barruga (‘verruga’), basoura (‘vassoura’) béspera e bibora. As outras duas são bitualha e bousear (‘vozear’). Destas, apenas vitualha e víbora aparecem também na letra v.

7
  • Hmm. Então não tem relação com a palavra "briba"/"bribe" dos outros idiomas, como eu achava que tivesse.
    – Seninha
    May 22 '17 at 16:33
  • 3
    @Seninha, não encontrei qualquer autor que avançasse essa hipótese, e encontro outros, além dos que citei, que associam briba a víbora. No norte do Portugal era comum substituir o [v] por [b] na fala (dizia-se por lá, e ainda há quem diga, barrer e bassoura); pergunto-em se esses bb na fala dos matutos teria sido influência da imigração de Portugal (o grosso foi do norte).
    – Jacinto
    May 22 '17 at 18:13
  • 2
    @Seninha, descobri a "revista brasiliana", que afinal é um livro e não revista. É muito interessante. Incluí mais material na resposta; tou agora convencido que briba vem mesmo de víbora. Segundo o que o autor diz, muita coisa do falar do Nordeste, de 1934, como possivelmente o b por v, era simplesmente português popular quinhentista que os primeiros colonos trouxeram de Portugal e se manteve inalterado. E muitas coisas que por lá se dizia, como home por homem ou tamém por também, eu ouvi em criança aos meus pais e avós, a 50km a norte de Lisboa!
    – Jacinto
    May 22 '17 at 23:00
  • No Minho também se ouve home, da mesma maneira que se ouve manino (menino).
    – ANeves
    May 23 '17 at 9:03
  • 1
    @Seninha, pois o Mário Marroquim também refere essa supressão da vogal na sílaba seguinte à tónica em palavras proparoxítonas. Em todos os teus exemplos e os exemplos que eu citei dele, o encontro consonantal resultante é sempre dos tradicionais na língua (br, lg); bem o mr não é. Na aldeia onde eu cresci, 50km a norte de Lisboa, também se dizia arve por árvore e numro por número; e agora coisas dessas ouvem-se mesmo na fala norma padrão, por via do cancelamento do e átono (mais raramente do o) em muitas palavras.
    – Jacinto
    Sep 30 '18 at 20:58

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.