2

Tenho dúvidas sobre a formação de verbos com mais de uma palavra.

Por exemplo:

  • não dizer nada;
  • gostar de dançar;
  • criar um filho;

Os exemplos acima são verbos ou podemos classificá-los como tendo outra função gramatical?

  • 1
    Cada frase tem UM VERBO: dizer, gostar, criar. Não existe formação de verbo com mais de uma palavra. O que você colocou são frases inteiras. – Lambie Feb 1 '17 at 0:16
3

Esta pergunta, na verdade, é sobre funções sintáticas, e não sobre classes gramaticais.

Na língua portuguesa, verbos são constituídos de uma única palavra (às vezes, seguida de um pronome, como em rir-se ou tratar-se). Quando uma ação usa mais de um verbo, chamamos de locução verbal, composta de um verbo auxiliar (geralmente ser/estar/ter/haver/ir) e um ou mais verbos no infinitivo, particípio ou gerúndio:

Ainda estou pensando se sairei esta noite.

As crianças têm sido deixadas de lado pelos pais.

Os exemplos que você citou não são locuções verbais, porém. São predicados: verbos propriamente ditos, acompanhados de conjuntos de palavras de outras classes gramaticais (substantivos, artigos, advérbios, outros verbos) que desempenham funções sintáticas complementares ou subordinadas aos verbos. Tomando a liberdade de fugir um pouco da função gramatical:

não dizer nada

"não" é da classe gramatical advérbio e desempenha a função sintática complemento adverbial;

"dizer" é da classe gramatical verbo e desempenha a função sintática núcleo do predicado;

"nada" é da classe gramatical pronome e desempenha a função sintática objeto direto.


gostar de dançar

"gostar" é da classe gramatical verbo e desempenha a função sintática núcleo do predicado;

"de" é da classe gramatical preposição e desempenha a função sintática adjunto adnominal (apesar de "dançar" ser um verbo!);

"dançar" é da classe gramatical verbo e desempenha a função sintática objeto indireto. Aqui é que fica complicado: como "dançar" é um novo verbo independente do anterior, ele define uma nova oração, composta somente por ele mesmo. Nesta nova oração, ele é o núcleo do predicado. Como esta nova oração serve de objeto indireto ao verbo "gostar", uma função geralmente reservada aos substantivos, dizemos que ela é subordinada substantiva objetiva indireta.


criar um filho

"criar" é da classe gramatical verbo e desempenha a função sintática núcleo do predicado;

"um" é da classe gramatical artigo e desempenha a função sintática adjunto adnominal;

"filho" é da classe gramatical substantivo e desempenha a função sintática núcleo do objeto direto.


Então, respondendo à pergunta: não, eles não são verbos, eles são predicados, ou seja, são verbos acompanhados de palavras que lhes completam o sentido.

| improve this answer | |
  • Neste caso não e nada não formam um conjunto sintático qualquer? Afinal não disse nada não é a negação de disse nada. – Jacinto Jan 31 '17 at 17:43
  • Coisas como rir-se, arrepender-se serão exceções à regra de o verbo ser formado por uma palavra só? O clítico não tem nenhum significado próprio nestes exemlos. – Jacinto Jan 31 '17 at 17:47
  • @Jacinto Eu concordo sobre o "não dizer nada", mas achei que ficaria confuso demais para entender. Do jeito que ficou, já penso que a transição do assunto "classe gramatical" para "função sintática" não ficou das mais suaves. Como você sugeriria refrasear este trecho? – Ramon Melo Jan 31 '17 at 17:57
  • @Jacinto Considero que estes verbos seriam uma palavra só (composta), mas acho válida a clarificação. Vou editar. – Ramon Melo Jan 31 '17 at 17:59
  • @Jacinto Refletindo melhor aqui, não se consideraria o -se como um pronome oblíquo? Afinal, na flexão dos verbos e na colocação pronominal, ele se comporta como um: não me arrependo de ter-me rido durante a cerimônia. – Ramon Melo Jan 31 '17 at 18:03
0

Uma coisa não dita na resposta do @Ramon é que nenhuma das frases nos exemplos dados constitui uma oração bem formada.

Para uma oração ser bem formada ela tem que ter um sujeito e um predicado.

Nenhuma das frases dos exemplos contém um sujeito, nem sequer um predicado, como o @Ramon sugeriu.

A razão é muito simples, a wikipédia explica:

Quando é um caso de oração sem sujeito, o verbo do predicado fica na forma impessoal, 3ª pessoa do singular. O núcleo do predicado pode ser um verbo significativo, um nome ou ambos.

Pondo esta regra em prática os exemplos dados pelo perguntador ficariam:

não disse nada;

gosta de dançar;

cria um filho;

Agora sim cada uma das orações, tem um predicado válido. Também é possível entender estas orações com sujeito nulo subentendido e o sujeito pode até ser diferente, consoante o contexto, veja-se:

(Eu, ele) não disse nada;

(Ele) gosta de dançar;

(Ele) cria um filho;

É possível construir orações com sujeito nulo subentendido para qualquer pronome pessoal:

Vou ao cinema

Vais ao cinema

Vai ao cinema

Vamos ao cinema

Ides ao cinema

Vão ao cinema

| improve this answer | |

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.