2

Como todo estudante de português, uma das primeiras coisas que me ensinaram foi que ir embora significa o que em espanhol se diz irse. Desde então eu tenho ouvido mais de uma vez ir-se embora em contextos informais. Será que ir-se embora é também correto, ou pelo menos aceitável? Ou pelo contrário, é malsoante? Existe essa forma em todos os dialetos?

3
  • "Vou-me embora" ou é um uso em que a pessoa se exige autocorreção o tempo todo para poder falar erudito; ou é alguém fazendo graça, querendo falar diferente. – André Lyra Jan 12 '17 at 17:07
  • Sim, é totalmente correto e aceitável. No Brasil, está em desuso, tendendo aos casos que o @AndréLyra citou. Em Portugal, já não sei. – bfavaretto Jan 12 '17 at 19:17
  • Em Portugal apenas se "vou-me embora", qualquer outra forma será imediatamente notada. – Jonas Jan 13 '17 at 0:47
3

Ir embora e ir-se embora são igualmente corretos. Na minha experiência de falante nativo de Portugal, nenhum deles é mais formal ou coloquial que o outro; nem mais bem-sonante que o outro com uma ou duas exceções. Tu foste embora rola muito melhor que tu foste-te embora ― aquele te-te é chatinho de articular e não soa particularmente bem. Na prática, na fala relaxada em Portugal aquilo é simplesmente pronunciado como um duplo t, fostt’ embora, que mal se distingue de fost’ embora. Nós fomo-nos embora soa bem, mas dá mais trabalho a articular que nós fomos embora. Já nas outras pessoas, o clítico articula-se muito bem. Eu vou-me embora, ele vai-se embora, eles foram-se embora, etc. rola muito bem: na fala o me e o se enfiam-se ali muito bem entre o verbo e embora. No caso da próclise (clítico ante do verbo; e.g. não me vou embora), a articulação é fácil e bem-sonante em todos os casos.

Com estas ideias eu fui ao Google ver se as frequências das várias frases confirmava a minha intuição: que o pessoal tenderia a evitar foste-te embora, vamo-nos embora, e fomo-nos embora. Confirma mais ou menos. Já que tive o trabalho de coligir aqueles números todos, ponho-os aqui para quem tiver curiosidade.

Alguns padrões que se observam. De uma maneira geral os portugueses são mais adeptos do clítico que os brasileiros. A exceção é no eu vou-me e eu me vou: estas formas são muito usadas quer por brasileiros quer por portugueses; é onde o clítico é mais usado. Depois aquilo que me levou a ir ver estes números. Realmente tu foste-te embora é pouco frequente; nomeadamente, em Portugal, muito menos que tu te foste embora ou tu vais-te embora, o que sugere que de facto aquele te-te afugenta o pessoal.

Com nós, o caso é mais complicado. O clítico é pouquíssimo usado, mas tanto o é após o verbo (onde dá trabalho) como antes do verbo (o que eu não estava à espera). Além disso com a locução pronominal a gente, semanticamente equivalente a nós, o clítico também é pouquíssimo usado, e aí a facilidade de articulação é a mesma que com elevai-se em ambos os casos). Isto leva-me a crer que a razão do baixo uso do clítico com nós terá que ver com outras razões. Omitindo o nós, a frequência do uso do clítico antes do verbo aumenta em Portugal. Por exemplo quando nos fomos embora está a 66% de quando fomos embora (não está na tabela).

Resultados da busca no Google

                         Portugal                        Brasil
                   Sem      % de “sem clítico”      Sem     % de “sem clítico”
                  clítico   ênclise  próclise     clítico   ênclise  próclise
Eu vou embora       136       110%      24%         142      163%      41%
Tu vais embora       32        97%      84%         105       19%      18%
Ele vai embora      129        64%      62%         285       40%      16%
A gente vai embora   20        30%       5%         260        2%       0%
Nós vamos embora    120        20%      13%         261        5%       1%
Eles vão embora     102        74%      51%         324        6%      11%

Eu fui embora        87        71%      51%         255       35%       7%
Tu foste embora      50        42%      74%          89       22%      22%
Ele foi embora      159        74%      52%         129       65%      23%
A gente foi embora    7        14%       0%         185        3%       0%
Nós fomos embora     81        10%       6%         217        1%       9%
Eles foram embora    99        77%      47%         306       14%       6%

Chave: Por exemplo, na primeira linha de Portugal, há 136 ocorrências sem clítico (“eu vou 
embora”); com clítico há 150 (110% de 136) ocorrências de ênclise (“eu vou-me embora”) e
32 (24% de 136) de próclise (“eu me vou embora”).

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.