4

Existe algum órgão que une ambos países em relação aos acordos ortográficos ou simplesmente existe uma troca de propostas entre o que deve ou não ser aceito ou removido da ortografia de cada país?

3

Não existe um órgão unificado da língua portuguesa. Existe a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, mas é uma organização de integração política internacional que não tem nenhuma intenção explícita de normatizar a língua escrita ou falada.

Existe, sim, um Acordo Ortográfico que unifica a ortografia das diferentes variações da língua portuguesa. Este acordo previa a criação de um vocabulário comum a ser utilizado por todos os países signatários. Porém, a divergência nos prazos de adoção do Acordo gerou uma discrepância na interpretação destes termos, e cada país resolveu lançar seu próprio vocabulário.

A Academia Brasileira de Letras publicou o Vocabulário Oficial da Língua Portuguesa em 2009, que foi imediatamente aceita no país como oficial e já alcançou sua 5ª edição. Divergências internas entre a Academia de Ciências de Lisboa e o Instituto Camões abriu a brecha para o Instituto de Linguística Teórica e Computacional publicar o Vocabulário Ortográfico Português em 2010, mas o reconhecimento por parte do governo português só veio em 2011.

A Galiza, que não é signatária do Acordo, produziu em 2011 o Léxico da Galiza, com 800 palavras a serem incluídas em ambos os Vocabulários. O órgão responsável pela obra é a Academia Galega da Língua Portuguesa, já que o país não reconhece o português como língua oficial.

Moçambique decidiu basear-se nos vocabulários português e europeu para lançar seu próprio Vocabulário Ortográfico Nacional de Moçambique em 2016. Diferentemente dos demais vocabulários, o país decidiu publicar sob selo governamental, em vez de acadêmico. O Timor-Leste teve seu Vocabulário Ortográfico Nacional de Timor-Leste criado pela CPLP em 2015 e revisado pelo Instituto Nacional de Linguística de Timor-Leste e pela Universidade Nacional de Timor Lorosa’e.

Os demais países signatários (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe) estão no processo de compor seus próprios vocabulários. A CPLP disponibiliza o Vocabulário Ortográfico Comum como forma de mitigar as diferenças regionais. Entretanto, esta obra não possui valor legal ou de normatização, já que cada país decide o Vocabulário que vai adotar a nível de governo federal.

Vale lembrar que os países possuíam prazos distintos para a ratificação do Acordo Ortográfico, e os termos relacionados ao Vocabulário eram vagos e passíveis de interpretações distintas. O fato de ter sido publicado antes ou depois não provê maior ou menor validade a qualquer dos Vocabulários.

0

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.