17

Pela nova reforma ortográfica da língua portuguesa não existe mais acento diferencial em palavras homográficas.

Exemplo:
Para (verbo) = Para (preposição)
Pelo (substantivo) = Pelo (contração)

A forma escrita do verbo "para" ficou idêntica à preposição "para".

É claro que dependendo do contexto podemos diferenciar o verbo da preposição.

Mas isso não gera dúvidas em alguns casos?

Por exemplo se uso "para" de forma isolada em um chat.

  • 4
    Evite utilizar de forma isolada – LucasMotta Jul 16 '15 at 11:57
  • 2
    Adenda: em Portugal essas duas palavras não são homógrafas. – ANeves thinks SE is evil Jul 16 '15 at 12:43
  • 3
    Com o acordo ortográfico ficaram homógrafas "para(verbo)/para(preposição)". Na pergunta está a forma antiga, mas retirei. – Denis Caixeta Jul 27 '15 at 11:39
  • 3
    Gera dúvidas? Sim, às vezes. Por que caiu? Porque quem decidiu isso também é humano e às vezes toma decisões ruins. E também é humano evitar admitir o erro :-( – marcus Aug 17 '15 at 14:18
  • Em caso de dúvida, coloca-se o acento. Aqui há uns tempos houve uma publicidade para o canal do Benfica cujo slogan era 'pára tudo'. Se se parasse para ler as letras miudinhas, via-se que tudo no poster respeitava o acordo ortográfico... excepto, claro, a mensagem. – SC for reinstatement of Monica Feb 3 '17 at 16:43
14

Na verdade alguns acentos diferenciais como por (preposição) e pôr (verbo) ou pôde (pretérito perfeito do indicativo do verbo poder) e pode (presente do indicativo do verbo poder) foram mantidos. Também foram mantidos os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos ter e vir.

Todas alterações introduzidas com o novo acordo ortográfico tiveram como objetivo a (pretensa) unificação ortográfica dos países que têm (olha só um uso de acento diferencial!) a língua portuguesa como idioma oficial. Deve ter se acreditado que esta unificação fosse mais benéfica que eventuais dúvidas na escrita.

| improve this answer | |
  • 3
    +1 por (pretensa) – iled Dec 24 '15 at 13:25
  • 2
    Nunca percebi o alarido com a supressão de alguns acentos diferenciais para palavras homógrafas não homófonas, quando tal é prática na língua muito antes do AO90 e já então levantando ambiguidades. Vejamos: acordo com a minha mulher É o acordo a primeira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo acordar, ou seja sair do sono; ou refere-se unicamente ao substantivo referente ao entendimento entre duas pessoas? – João Pimentel Ferreira Jan 14 '18 at 13:04
5

O objetivo principal do Acordo Ortográfico de 1990 foi unificar as grafias. Mas neste caso as palavras alteradas já antes tinham grafia igual em todos os países lusófonos, pelo que o motivo foi apenas simplificar as grafias. As palavras afetadas estão listadas abaixo (com links ao Priberam) na grafia antiga; na grafia do AO 90 escrevem-se todas sem acento:

pára (de parar) e para (preposição)
péla (‘bola’), péla, pélo (de pelar) e pela, pelo (contração de preposição com artigo)
pêlo (‘cabelo’) e pelo (contração de preposição com artigo)
pêra (fruto), péra (forma antiquada de pedra) e pera (preposição antiga)
pólo (vários substantivos) e polo (antigo; agora pelo, por o)

Um anexo da lei portuguesa do Acordo Ortográfico apresenta alguns princípios e motivos que orientaram as alterações. Acerca desta supressão, diz (ponto 4.1) que ela é coerente com a reforma de 1971 no Brasil e de 1945 em Portugal, as quais aboliram acentos diferencias em casos semelhantes; por exemplo os substantivos que na grafia anterior a essas reformas se escrevia (o) acôrdo e (o) acêrto, e que com a eliminação do acento passaram a ser homógrafos de (eu) acordo, (eu) acerto. Diz ainda que as palavras que se tornam homógrafas com a supressão destes acentos pertencem a classes gramaticais diferentes, o que facilita a identificação do seu significado.

No entanto, confusões são sempre possíveis. Houve aqui em Portugal quem facetamente apontasse que a frase seguinte fica agora ambígua:

Alto… e para o baile!

Na atual grafia isto tanto pode querer dizer ‘alto… e vamos para o baile’ ou ‘alto… e que pare o baile’. Quer-me parecer no entanto que não há motivo para grandes preocupações. A verdade é que mesmo na grafia pré-AO 90 estes acentos diferenciais (em paroxítonas) eram exceções entre as centenas de pares ou mesmo ternos de palavras homógrafas e homónimas sem acentos diferenciais, e que nós compreendemos sem problemas pelo contexto. Deixo aqui uns exemplos:

Era uma era turbulenta.
Sede vigilante: há uma grande sede de poder na sede do Partido Revolucionário.
Chama a ateia que ateia a chama.
Não cobres muito por esse cobre que já nada cobre.
Encontrei-o no caminho, quando vinha da vinha.
Disse-lhes que não vale a pena descer ao vale.
Mas eles vão. Em vão.
Mesmo de luto, luto.

| improve this answer | |
  • Muito interessante essa do acôrdo e acêrto, nunca tinha pensado nisso. – Jorge B. Nov 15 '16 at 22:03
  • 2
    @JorgeB. Há resmas de casos desses (não tenho a certeza se se usava acento diferencial, mas eu vou usar para ilustrar): o gôsto, eu gosto; o encôsto, eu encosto; o apêrto, eu aperto, o consêrto, eu conserto, o entêrro, eu enterro, o tempêro, eu tempero; o desespêro, eu desespero. – Jacinto Nov 15 '16 at 22:09
  • Atenção que era (substantivo) e era (forma verbal do verbo ser), e muitos dos outros exemplos, já são também pares homófonos, o que não é o caso de para e pára. De facto julgo que houve uma pequena revisão atual ao AO90 que tratou exatamente deste tópico. – João Pimentel Ferreira Jan 2 '18 at 2:04
  • @João, é verdade, e eu refiro-o no texto; o ponto é que a supressão dos raros acentos diferenciais da grafia pré-AO80 dificilmente gerará confusão, uma vez que nós conseguimos facilmente identificar a palavra pretendida em pares de homónimos ou homógrafos. – Jacinto Jan 14 '18 at 12:06
  • Verdade! Até porque antes do AO90 tal já acontecia. acordo com a minha mulher É o acordo a primeira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo acordar, ou seja sair do sono; ou refere-se unicamente ao substantivo referente ao entendimento entre duas pessoas? – João Pimentel Ferreira Jan 14 '18 at 12:59
0

Vejamos:

Os acentos diferenciais servem para distinguir graficamente formas idênticas de palavras pertencentes a categorias gramaticais diferentes.

Exemplos de palavras alteradas por este Acordo Ortográfico são:

  1. pelo: (contração da preposição latina per + artigo masculino singular o) ;

  2. pêlo: substantivo comum, masculino;

  3. pêra: substantivo;

  4. pára: verbo;

  5. para: preposiçâo;

  6. pólo: extremidade

| improve this answer | |
  • Quanta incongruência. E pensar que existam pessoas que pensem que um idioma não se possa orientar, até mesmo na ortografia, em direção à Fonética que também é importantíssima. – tucasilvapontes11584 Nov 9 '16 at 6:31
  • O ser humano adora tomar decisões que não imediatamente, mas a longo prazo, danificam a si mesmo e ao próximo. O dano não é só físico, mas pode ser de várias formas, inclusive ideológicas. – tucasilvapontes11584 Nov 9 '16 at 6:41
  • Às vezer, muma frase, estas palavras como se escrevem atualmente, podem parecer-se trocadilhos. – tucasilvapontes11584 Dec 16 '16 at 13:13

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.