4

O nome do diacrítico procede do latim circumflexus (dobrado em torno de) - tradução do grego perispomene (περισπωμένη)

Wikipédia

Circunflexo: Acento que denota o fechamento das vogais a, e, o (português) ou nasalização, quando precedida de m ou n;

Exemplos: âmbar, pêssego e fenômeno

É usado em outros idiomas, tais como:

francês: indica geralmente a supressão da letra s;

italiano: denota a formação dos singulares dos adjetivos terminados em -io, terminando certas palavras com i longo ou jota. O italiano atual emprega duas letras ou uma letra i somente: Exemplos: vario: varj, vari ou varii;

Observação: De acordo com a Wikipédia:

É às vezes empregado para distinguir certas palavras, como por exemplo por e pôr. Seu uso tem sido bastante reduzido como conseqüência das reformas ortográficas.

Outros idiomas podem usá-lo de formas diferentes, tais como: o inglês, no empréstimo de palavras estrangeiras, que o usam na palavra original: rôle (posição social), aôut (agosto);

Em eslovaco (em eslovaco vokáň) transforma a letra o no ditongo ô /u̯o/.

2
  • Tuca, estou aqui a pensar em qual será o tag mais apropriado. Etimologia é origem de palavras; não sei se se aplica a acentos. Mas nós temos o tag «origem-histórica» que me parece que ficaria bem aqui. – Jacinto Nov 15 '16 at 20:02
  • É verdade. A coisa é que eu quero conseguir mais pontos, mas eu mesmo não consigo achar termos apropriados para qualquer questão. – tucasilvapontes11584 Nov 15 '16 at 20:31
3

Como quase tudo na civilização ocidental, parece, o acento circunflexo também é uma invenção dos Antigos Gregos. Surgiu no período helenístico, literalmente do encontro do acento agudo (´) com o grave (`). No grego antigo uma vogal era acentuada sendo proferida, não com mais força como entre nós, mas em tom mais agudo. Na escrita marcava-se com o acento agudo as vogais acentuadas, e com o grave as não acentuadas. Quando uma vogal acentuada seguida de uma não acentuada formavam por contração uma única vogal longa, esta era grafada com acento circunflexo, e era proferida num tom descendente, de agudo para grave. (Circumflex na Wikipedia em inglês.)

O acento circunflexo é reaproveitado nas línguas modernas europeias a partir do século XVI. O primeiro exemplo que se conhece é na obra de Jacques Dubois (1478-1555), conhecido por Sylvius (Wikipédia em francês). Outros franceses se lhe seguiram, cada um usando o circunflexo para fins diversos. Só no século XVIII se normalizou um uso próximo do atual, que consiste em assinalar a supressão de uma letra, tipicamente um stête é cognato de testa, forêt é floresta. (Accent circonflexe en français na Wikipédia em francês.)

No português a aparição do acento circunflexo também não tardou. O primeiro uso de que tenho conhecimento é de 1576, na Orthographia da Lingoa Portuguesa de Duarte Nunez de Lião. O autor preconiza o seu uso, não para indicar a sílaba tónica, mas exclusivamente para distinguir palavras que doutro modo seriam homógrafas (f. 66)

enter image description here

Mas algumas sugestões são no entanto deveras curiosas (f. 67):

enter image description here

Não sei se a último a de amará, ouvirá, etc. teria na altura um timbre diferente do atual? Mas nunca vi em qualquer outro texto amarâ, ouvirâ, etc. Saltando para o século XIX, encontra-se um uso dos acentos que corresponde mais ou menos à ideia de Duarte Nunez: não para assinalar a sílaba tónica, mas para distinguir palavras que doutro modo seriam homógrafas, assinalando o circunflexo os sons fechados. Assim escrevia-se amára e amará; comêra e comerá; pôr, verbo, e por, preposição. Mas a situação era confusa, porque parece que cada pessoa escrevia à sua maneira. Isso mesmo nota em 1871 Domingos Vieira no seu monumental Thesouro da Lingua Portugueza (verbete circumflexo)

—Termo de Grammatica romanica. Accento circumflexo, signal orthographico em fórma de pequeno v voltado (^), que tem usos diversos conforme as linguas romanicas que o empregam. Em portuguez o accento circumflexo serve para indicar unicamente que a vogal sobre que se coloca é fechada, assim em vêl-o, pômo; mas ha a maior arbitrariedade em pôr ou não o accento circumflexo sobre as vogaes fechadas. N’isto, como em tudo, se revela o estado cahotico da nossa orthographia miseravel e preguiçosa.

O próprio Thesouro de Domingos Vieira é um exemplo do estado caótico da ortografia. Nele encontramos palavras como (em) tôrno e (o) entêrro, presumivelmente para se distinguirem de (eu) torno e (eu) enterro; mas também (o) emprego e (o) acordo, sem acento circunflexo para as distinguir de (eu) emprego e (eu) acordo. Por outro lado encontramos o acento circunflexo em vogais que, pelo menos no meu sotaque, têm timbre aberto, como idêa e assemblêa, e onde o acento não faz falta para distinguir estas de outras palavras.

O nosso moderno sistema de acentuação, com a identificação da sílaba tónica, tem a sua origem no final do século XIX e princípio do século XX. Tudo começou com iniciativas individuais, como o dicionário de Cândido de Figueiredo de 1899. O dicionário está pejado de acentos: para assinalar a sílaba tónica e o timbre da vogal, como o próprio título da obra ilustra—Nôvo Diccionário da Língua Portuguêza.

A grafia oficial aprovada em Portugal em 1911 e a brasileira de 1943, que basicamente instituíram a nossa ortografia atual, foram mais comedidas: os padrões mais comuns—como paroxítonas acabadas em a(s), e(s) e o(s) (cabra, bode, chibo) ou oxítonas acabadas em i(s), u(s), l, r, z (colibri, peru, papel, azar, rapaz), etc.—não levam acento, ficando estes reservados para as exceções. Mas mantiveram ou introduziram o acento circunflexo em inúmeras palavras como, nessas grafias, acôrdo, acêrto, sôbre, sêde, não porque fosse necessário para identificar a sílaba tónica, mas para as distinguir de (eu) acordo, (eu) acerto, sobre (de sobrar), sede (‘quartel-general’). A esmagadora maioria destes acentos diferenciais foi abolida em Portugal em 1945, e no Brasil em 1971. O Acordo Ortográfico de 1990 aboliu mais uns tantos dos poucos que tinham sobrevivido, e agora restam bem poucos (ver esta pergunta sobre este último ponto).

E pronto, aqui está por alto a história do acento circunflexo desde a sua origem grega atá ao uso atual no português.

5
  • Gostei das informações, Jacinto. Era tudo o que eu queria ter escrito, mas fiquei com medo de deixar a resposta muito comprida e no final vocês não aceitarem. – tucasilvapontes11584 Nov 17 '16 at 21:23
  • @tuca Mas a ideia é haver uma pergunta, e depois uma ou várias respostas. Tu fizeste a pergunta. Eu escrevi uma resposta. Outra coisa: compreendeste bem as passagens de escrita antiga que eu incluí? Eu, ao princípio, tive de ler com calma, por vezes voltar atrás, para compreender. – Jacinto Nov 17 '16 at 21:39
  • Verdade. Entendi tudo. Mas o que percebi então, é que o circunflexo, atualmente continua sendo muito menos usado, se comparado ao acento agudo. – tucasilvapontes11584 Nov 18 '16 at 12:25
  • 1
    @tuca Isso é verdade, pelo menos no português europeu. Creio que a razão é a seguinte. Atualmente usamos os acentos quase só para assinalar a sílaba tónica, e a sílaba tónica normalmente mais frequentemente é aberta (acento agudo) do que fechada (acento circunflexo). O português do Brasil têm mais acentos circunflexos que o europeu, porque tem muitas vogais fechadas onde no português europeu são abertas: Antônio vs. António; gênero vs. género, etc. No século XIX era ainda mais raro: li algumas obras na grafia da época, e quase não se encontra o circunflexo. – Jacinto Nov 18 '16 at 18:18
  • Outra coisa: para poder me concentrar melhor nas perguntas e respostas, acho que deverei alternar e concentrar-me pelo menos um dia com outros Stacks, tais como o espanhol, inglês ou alemão. (respondendo ao seu comentário anterior a respeito de pesquisar com calma sobre perguntas e respostas). – tucasilvapontes11584 Nov 18 '16 at 20:52

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.