5

Com alguns verbos, eu claramente prefiro custa-me a:

(a) Custa-me a crer nisso (em vez de custa-me crer nisso)
(b) Custa-me a respirar com este calor

Com outros, prefiro simplesmente custa-me, sem o a:

(c) Custa-me dizer-lhe que não
(d) Custa-me deixá-lo sozinho

Fui ver se seria só mania minha, mas parece que há aqui mesmo qualquer coisas. Embora os números, mesmo os de Portugal, não espelhem exatamente as minha preferências, em ambos os países a propensão a usar o a é claramente maior nos verbos em que eu o usaria do que nos outros.

Resultados da busca no Google

                              Google geral                            Google Books
                   Portugal                   Brasil                 todos os países
          Custa-me a   Custa-me      Custa-me a   Custa-me         Custa-me a   Custa-me
crer          227         71             131        237               24/19*     22/6*
respirar       35         50              17         23               21         10
dizer          13        140               1        117                3         13
deixar          1         78               2         32                3         10

* Nota: 19 contra 6 se excluirmos gramáticas; parece que todas elas usaram o verbo “crer” 
para ilustrar estas regências de “custar”.

Ao que parece eu falo à Machado de Assis:

Eu sei? custa-me a crer no amor.
Machado de Assis, Contos Fluminenses

Custa-me dizer isto, mas antes peque por excessivo que por diminuto.
Machado de Assis, Dom Casmurro

A questão então é: porque é que tendemos a usar este a mais com uns verbos do que com outros? Que propriedades do verbo favorece o uso do a? Que faz o a neste tipo de frases?

  • Eu talvez só usa-se o a no primeiro exemplo. E "Custa-me a dizer-lhe que não" não me parece nada gramatical... Uma boa pergunta! – Jorge B. Nov 3 '16 at 15:22
  • @JorgeB. Também não digo custa-me a dizer; mas custa-me crer soa-me ainda pior. – Jacinto Nov 3 '16 at 17:46
  • A forma recomendada por gramáticos é "custa-me crer", e "custa-me a crer" é dita ser aceitável. Já "eu custo a crer" é certamente errado. Eu diria que "custa-me a crer" tornou-se idiomático e, por esse motivo, passou a ser considerado aceitável por gramáticos. Eu, pessoalmente, digo "custa-me a crer" e acredito ser a forma mais prevalente em pt-BR. Mas ouço muita gente dizer "eu custo a crer" e "eu custo a acreditar" e acredito que esse uso de custar não tenha o significado de "ter um preço" e sim "demorar", i.e., "levo tempo para acreditar". É a forma como entendo, não é uma resposta. – Centaurus Nov 3 '16 at 22:59
  • @Centaurus Ainda bem que custa-me a crer é a forma prevalente no Brasil também. Custa-me crer não me soa nada bem. Parece-me até que o 3-a-1 para o custa-me a crer em Portugal é pouco. Os melhores autores escreveram custa-me a crer, Machado de Assis, José de Alencar, etc. Que gramáticos é que recomendam custa-me crer? Se nós usamos o a com uns verbos e não com outros, o a deve desempenhar uma função expressiva qualquer. – Jacinto Nov 4 '16 at 17:33
  • Acho que "custa-me crer", da forma como eu pronunciaria soa como um cacófato: "custa mecrer", embora não exista a palavra "mecrer". Acho que o "a" serve para formar um hiato. Calma, eu disse acho. – Centaurus Nov 4 '16 at 21:46
1

De fato, é curioso. Em tese, o que está em questão é a regência de custar; os outros verbos não deveriam em absoluto influenciar o uso da preposição. Mas se os dados que você coloca têm alguma relevância estatística, parece que influenciam. Mais em Portugal, aparentemente, onde "custa-me a crer" é inclusive majoritário.

Essa diferença entre Brasil e Portugal talvez tenha a ver com uma tendência maior do português do Brasil a elidir partículas. Mas não me ocorre nenhuma explicação razoável para a diferença entre "crer" e os outros verbos, a não ser uma talvez improvável analogia com "acreditar":

Custa-me acreditar

Talvez percebido como

Custa-me a creditar

Donde

Custa-me a creditar => Custa-me a crer

Mas é puro chute.

| improve this answer | |
  • É capaz de ser um bom chute... Mas agora é preciso provar ;) – Jorge B. Nov 3 '16 at 16:13
  • 1
    Eu uso a preposição a mesmo com acreditar. No meu sotaque a pronúncia de me acreditar é diferente da de me a acreditar: /mɐkɾɨdi’taɾ/ versus /makɾɨdi’taɾ/. – Jacinto Nov 3 '16 at 17:27
  • @Jacinto - então não deve ser. Outra coisa que me ocorre é que crer e respirar são (ou podem ser) intransitivos, enquanto dizer e deixar exigem complemento. Será mais natural dizer custa-me a crer! do que custa-me a crer no milagre da transubstanciação? – Luís Henrique Nov 3 '16 at 17:34
  • Talvez, mas «custa-me a crer no amor» (Machado de Assis), «Custa-me a crer que um homem se case» (idem), «custa-me a crer em tamanha felicidade» (Bernardo Guimarães), «custa-me a crer taes boatos» (Revista do IHGRGS). – Jacinto Nov 3 '16 at 17:44
  • @Jacinto não sei se percebeste mas é "a creditar" e não "a acreditar"... Ou eu é que percebi mal... – Jorge B. Nov 3 '16 at 22:14

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.