7

Estes tempos estive pensando sobre o verbo mudar. Em seu uso mais comum significa substituir, trocar ou alterar. No entanto aos ser usado na conjugação reflexiva (eu me mudei) seu sentido (pelo menos em PT-BR) é o de mudar de habitação ou residência.

Achei este fato curioso e gostaria de saber de outros verbos que possuem o mesmo comportamento, no entanto não sei se há um nome para este fenômeno. O que me ocorreu primeiro foi buscar por verbos pronominais ou reflexivos, mas assim eu estaria buscando apenas verbos que exigem ou podem ser acompanhados por pronomes pessoais oblíquos.

  • Existe um termo para classificar estes verbos que mudam de sentido ao serem acompanhados por um pronome pessoal oblíquo?
  • Como posso achar outros verbos deste tipo?
  • 2
    Interessante pergunta. Em pt_PT mudar-se também toma o mesmo significado. Não sei porquê o primeiro exemplo de que me lembrei foi largar - que normalmente significa deixar, ceder, libertar, soltar, no entanto, mas largar-se ou abrir-se pode informalmente ou em calão significar peidar, bufar ou traquejar hahah – Duarte Farrajota Ramos Jul 29 '16 at 23:40
  • 1
    No teu exemplo, o significado muda apenas na conjugação reflexa, não simplesmente por juntares um pronome pessoal oblíquo. Em qualquer verbo transitivo direto, o objeto direto pode em princípio ser substituído por pronome pessoal oblíquo sem alterar o significado: «se ainda não mudaste o óleo ao carro, temos de o mudar». Portanto referes-te a pronomes pessoais oblíquos em geral, ou apenas a conjugação reflexa? – Jacinto Jul 31 '16 at 13:17
  • 1
    @Jacinto, realmente me refiro ao seu uso na conjugação reflexa. Inclusive a 1a versão do titulo da questão era "verbos que mudam de sentido ao serem usados reflexivamente", mas achei que não ficou claro. Vou editar a questão e corrigi-la. – gmauch Jul 31 '16 at 13:52
5

Chamam-se verbos frasais aqueles que mudam de significado quando acompanhados de pronomes pessoais oblíquos, preposições e palavras de outras classes gramaticais. Da Wikipedia:

O fenômeno dos "phrasal verbs" também ocorre na língua portuguesa. Contudo, não é muito comum. É mais encontrado no português coloquial falado no Brasil . Exemplos: "Não quero mais saber de você! Cai fora!" (cair fora = sair, retirar-se); "Depois de ter sido xingada, ela partiu para cima dele com uma faca." (partir para cima = atacar algo ou alguém).

Exemplos com pronomes pessoais oblíquos

  • Tocar: Pôr a mão ou o dedo em. (ex. Eu toquei o vaso)
  • Tocar-se: perceber, dar por si. (ex. Entrei em casa e nem me toquei que você estava no sofá)


  • Conter: Ser constituído de algo. (ex. Este alimento contém glúten.)
  • Conter-se: Impedir que alguém aja. (ex. Quando a vi, não me contive e a abracei.)

Outros exemplos

Além destes exemplos, acredito que o mais notório seja o verbo dar. Segundo o dicionário Priberam (ênfase minha):

  • sem preposição: Ceder gratuitamente (ex.: dar um cigarro).
  • Dar + per: Tomar conhecimento na altura em que acontece (ex.: a vítima nem deu pelo furto).
  • Dar + com: Achar, descobrir, encontrar (ex.: deu com a fotografia escondida no livro).
  • Dar + para: Conseguir ou ser possível (ex.: sei que prometemos, mas não deu para ir). [Verbo impessoal]

Editado conforme comentários

| improve this answer | |
  • A pergunta trata-se só da diferença entre duas formas específicas de um verbo: a forma pronominal e a forma não pronominal. Por exemplo, ir (eu vou) e ir-se (eu vou-me) tem significados bastante diferentes, mas não há nenhuma ideia de reflexividade (ir não é transitivo, pelo que não teria sentido) – user0721090601 Aug 1 '16 at 8:16
  • Sim. Mas a pergunta é: "existe um termo para verbos que mudam de significado ao serem acompanhados de um pronome pessoal oblíquo?" A resposta é: sim, chamam-se verbos frasais, que mudam de significado não só com pronomes pessoais oblíquos mas também com palavras de outras classes gramaticais. – Bell App Lab Aug 1 '16 at 9:39
  • 1
    @BellAppLab sendo «chamam-se verbos frasais» a resposta que queres dar, acho que a tua resposta ficaria muito mais sólida com um par de exemplos de «verbos frasais» com pronomes oblíquos :) , em vez de um exemplo sem pronomes oblíquos. – ANeves thinks SE is evil Aug 1 '16 at 17:24
  • Editado confirme sugestões. – Bell App Lab Aug 1 '16 at 18:35
  • Nalguns dos teus exemplos o clítico pode ser substituído por um nome sem alterar o significado do verbo: eu deitei-me (para dormir)/eu deitei o bebé; não me contive/não contive o Pedro, e ele começou a disparatar em frente de toda a gente. Portanto o clítico não altera o significado nestes casos. – Jacinto Aug 4 '16 at 13:04
3

Se o que queres é uma lista, podes ver o anexo da tese de doutoramento de Fernanda Rosário de Mello, intitulada “Acabou-se o que era doce, quem comeu se regalou-se”: uma análise do clítico se em João Pessoa na interface Sociolinguística/Gramaticalização”. No final, num anexo, há uma tabela de verbos com uma coluna ≠ SGDO:

A coluna [...] diz respeito a um critério semântico: a diferença de significado quando o verbo se faz pronominalizado. Como indicam Cunha e Cintra (1985), a instauração de um sentido distinto daquele dado pela forma não-pronominalizada é um forte indício de que estamos diante de um se que é inerente.

| improve this answer | |
3

Não encontrei nenhum nome para esse tipo de verbos. A Gramática do Português da Gulbenkian tem trinta páginas de escrita cerrada e miudinha (1188-1218) sobre tipologia só dos verbos plenos, mas a classificação baseia-se apenas nos argumentos que o verbo seleciona — se tem ou não sujeito, complemento direto, etc. — e nas propriedades dos argumentos.

Mas não é difícil encontrar verbos com variação de significado associada ao pronome do paradigma reflexo. Encontrei dois tipos de variação: uma muito acentuada, em que os dois sentidos parecem não ter nada em comum; e verbos da chamada alternância causativa-incoativa, em que a diferença de significado é mais subtil. O que é comum a todos os casos é que o pronome ‘reflexo’ é na verdade inerente.

Comecemos com alguns exemplos das grandes diferenças. Algumas das aceções poderão ser desconhecidas no Brasil, por isso incluo uma curta explicação:

Dei bem com o João (‘encontrei, descobri com facilidade’, Priberam 28)
Dei-me bem com o João (‘relacionou-se, conviveu’, Priberam 49, 50)

A Maria passou aqui com o namorado (Priberam, 15, 19, 23)
A Maria passou-se aqui com o namorado (‘perdeu completamente a calma’, Priberam 31)

Vieram os dois juntos
Vieram-se os dois juntos (pois, coiso e tal, Priberam 22)

Estes exemplos têm a gracinha de o clítico ser a única diferença entre as frases. Se não formos tão exigente, encontramos mais exemplos:

Ela trata da criança (Priberam 6, 9)
Temos de falar: trata-se da criança (‘o assunto é a criança’, Priberam 20)

Ele saiu com uma moça engraçada (‘foi ao cinema’ ou coisa assim, Priberam 17)
Ele saiu-se com uma engraçada (‘disse inesperadamente’, Priberam 20)

Esse circo passou em Coimbra [‘esteve’, Priberam 23)
Esse circo passou-se em Coimbra [‘essa cena pouco edificante, etc. aconteceu’ Priberam 29)

Em todos estes exemplos, os verbos, tal como os verbos da tabela indicada na resposta do Artefacto, são usados intransitivamente; e o clítico é inerente. Ou seja o verbo não exprime uma ação que o sujeito exerça sobre si mesmo, como em eu visto-me, ele veste-se. Diferentemente o clítico faz parte do verbo, como em arrepender-se. (Isso confirma-se pela impossibilidade de acrescentar um a mim mesmo, a si mesmo, etc. ao verbo.) Note-se no entanto que clítico inerente não implica necessariamente que o mesmo verbo sem clítico tenha significado diferente. Por exemplo, rir e rir-se significam o mesmo.

Talvez não seja de surpreender que grandes diferenças de significado surjam com a adição do clítico apenas em verbos com clítico inerente. Se o clítico for verdadeiramente reflexo, em princípio o verbo admite complemento direto ‘normal’, mais ou menos com o mesmo significado. Na verdade é isso que acontece com mudar, o exemplo da pergunta. Imaginem que uma empresa tem residências próprias para empregados que vêm do estrangeiro:

Entre colegas no departamento de alojamento: Vamos mudar o Silva para a Av. De Roma

O Silva aos amigos: Vou ter de me mudar para a Av. de Roma

E se um verbo admite complemento direto, tipicamente será possível conjugá-lo reflexamente, mesmo quando seja materialmente impossível a sujeito exercer a ação sobre si mesmo:

É materialmente impossível um líquido beber-se a si mesmo.

Temos que mudar o óleo do carro, porque ele não se muda sozinho.


Verbos da Alternância Causativa-Incoativa

Nestes verbos a diferença de significado é bem mais subtil. Vejamos um exemplo:

(a) A Maria assustou o João = a Maria causou um susto ao João
(b) A Maria assustou-se ≠ a Maria causou um susto a si mesma

Em (b) entendemos normalmente que alguma coisa ou alguém assustou a Maria. Se quiséssemos dizer que a Maria tinha, de algum modo, causado um susto a si mesma, teríamos que acrescentar um a si mesma para evitar a interpretação normal. Ou seja, assustar em (a) significa ‘causar um susto’; em (b) significa ‘sofrer um susto’. Em bom vernáculo diríamos (a) pregar um susto e (b) apanhar um susto, mas causar e sofrer são mais gerais e aplicam-se a qualquer verbo desta categoria. Estes verbos têm duas versões, como se vê melhor no seguinte exemplo:

Transitivo, causativo: o estrondo assustou a Maria.
Intransitivo, incoativo: a Maria assustou-se (com o estrondo).

Diz-nos a Gramática do Português (p. 1210) que «a grande maioria» do verbos da alternância causativa-incoativa têm pronome do paradigma reflexo na sua versão intransitiva. Nem todos têm: o sol aqueceu a casa; a casa aqueceu. Apresento os verbos com pronome ‘reflexo’ de entre a lista da Gramática do Português:

Verbos relativos a alterações psicológicas: aborrecer (ele aborreceu-me; eu aborreci-me), afligir, assustar, comover, emocionar, enfurecer, envergonhar, escandalizar, espantar, inquietar, irritar, maçar, preocupar, ralar.

Verbos relativos a alterações físicas: abrir (o vento abriu a porta; a porta abriu-se), afundar, agoniar, curar, encharcar, encher, fechar, girar, magoar, mover, queimar.

| improve this answer | |

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.