9

Qual a função do verbo haver, em “Pequei, Senhor; mas não porque hei pecado”, de Gregório de Matos?

O Priberam traz as seguintes definições para haver, como verbo transitivo:

  1. Ter, possuir, estar na posse de.
  2. Conseguir.
  3. Considerar, julgar.
  4. Existir (ex.: há café acabado de fazer; há pessoas assim). [Verbo impessoal]
  5. Acontecer, suceder (ex.: hoje à noite há festa; houve dois acidentes graves). [Verbo impessoal]
  6. Ser decorrido ou ter passado determinado período de tempo (ex.: são amigos há mais de trinta anos; vi-o há uma hora na biblioteca). [Verbo impessoal

Nenhuma delas parece se adequar perfeitamente ao trecho em questão.

  • Não entendo o ditado, então não posso responder com certeza, mas por que transitivo e não auxiliar, já que pecado pode ser particípio? – Dan Getz Jun 29 '16 at 12:27
  • Você tem razão. Eu estava partindo do pressuposto que "pecado", neste caso, é substantivo. De qualquer modo, se for este o caso, o significado do verso continua obscuro. Basicamente: "pequei, mas não porque pequei". Do outro lado, tratando-se de um poema barroco, talvez isso tenha sido intencional... – Otavio Macedo Jun 29 '16 at 12:51
  • 2
    É preciso o verso seguinte para compreender: Pequei Senhor: mas não porque hei pecado/ Da vossa Alta Piedade me despido (despido = despeço). A minha interpretação é: não é por ter pecado que me despeço da vossa Alta Piedade. – Jacinto Jun 29 '16 at 12:56
  • Obrigado, Jacinto. Você pode transformar esse seu comentário em uma resposta, para que eu possa aceitá-la? – Otavio Macedo Jun 29 '16 at 13:22
13

O verbo haver é usado nesse verso como verbo auxiliar, tal como acontece uns versos mais abaixo no soneto completo (ênfase minha):

Pequei Senhor: mas não porque hei pecado,
Da vossa Alta Piedade me despido: [= me despeço]
Antes, quanto mais tenho delinqüido,
Vos tenho a perdoar mais empenhado.

Se basta a vos irar tanto pecado,
A abrandar-vos sobeja um só gemido:
Que a mesma culpa, que vos há ofendido,
Vos tem para o perdão lisonjeado.

Se uma ovelha perdida, já cobrada,
Glória tal, e prazer tão repentino
Vos deu, como afirmais na Sacra História,

Eu sou, Senhor, ovelha desgarrada;
Cobrai-a; e não queirais, Pastor Divino,
Perder na vossa ovelha a vossa glória

A minha interpretação dos dois primeiros versos é:

Pequei Senhor: mas não é por ter pecado que me despeço da vossa Alta Piedade = mas apesar de ter pecado não me despeço da vossa Alta Piedade.

Atualmente o pretérito perfeito composto haver + particípio passado é relativamente pouco usado, ao contrário de ter + particípio passado. Mas era frequente no século XVII, ao tempo do autor Gregório de Matos (1636-96). No entanto, enquanto atualmente tenho pecado signfica que pequei contínua ou repetidamente até ao presente, naquela altura significava apenas que cometi pecados no passado: só mais tarde é que ter + particípio passado passou a implicar necessariamente a ideia de continuidade ou repetição da ação até ao presente. Quando é que esta mudança no sentido do pretérito perfeito composto se deu é objeto desta pergunta.

| improve this answer | |

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.