13

Atualmente a o s em fim de sílaba é pronunciado como ç de ração ou z de razão pela maioria dos brasileiros (s não chiado); e como ch de chato ou j de jato) por portugueses, cariocas e alguns outros brasileiros (s chiado). Esta resposta explica quando é que é ç ou ch (antes de consoante surda ou pausa) e quando é que é z ou j (antes de consoante sonora ou vogal). E as respostas a esta pergunta dão-nos uma ideia das regiões do Brasil onde se chia o s.

A minha questão é qual é a origem destas duas pronúncias: quando é que surgiram e se propagaram? E se alguém conseguir explicar como surgiram, tanto melhor. Consigo pensar pelo menos em três possibilidades:

  1. As duas pronúncias vêm já da pré-história do português, e o s não chiado extinguiu-se em Portugal depois de passar ao Brasil.
  2. O s chiado é o original no português, e o s não chiado surgiu e expandiu-se no Brasil.
  3. O s não chiado é o original no português, e mais tarde o s chiado surgiu e substituiu o não chiado em Portugal e partes do Brasil.

Posso adiantar já que a (2) me parece improvável, porque já no século XV há textos que sugerem a existência do s não chiado em Portugal. Encontramos frquentemente nacer em vez de nascer e conciência em vez de consciencia. Isto sugere que o s era nesta palavras não chiado e o sc era pronunciado como um único ç. E encontramos parescer em vez de parecer e nescessaria em vez de necessaria, o que sugere que o escritor sabia da existência de ss mudos e hipercorrigia. Deixo aqui exemplos do Livro da Montaria de D. João I, 1357-1433 (ênfase minha):

Ora devedes a saber que dos cadelinhos a nacença que milhor he assi he na entrada do inverno. E portanto todollos monteiros non devem a lançar as cadelas aos caães senon no tempo do estio, e esto por lhe naçerem os cadelinhos na entrada do inverno.
[...]
Assi, quando os monteiros quiserem escolher os cadelinhos non os devem a escolher senon do dia que nascerem a dez dias atá quinze

Por outro lado, se a hipótese (3) for correta, põe-se a questão de como é que o s se manteve na escrita em palavras como nascer. Haveria na pronúncia do português antigo uma distinção entre consoantes duplas e únicas, como acontece hoje no italiano?

  • 2
    Boa pergunta! Em teoria há mais uma possibilidade: o s chiado podia ter nascido em Portugal e depois desaparecido no Brasil. Me parece que o Wikipédia no inglês está a concordar com a sua opção (3), mas parece não citar nenhuma fonte. – Dan Getz May 24 '16 at 20:29
  • @DanGetz Há muitas mais possibilidades. Eu identifiquei "pelo menos três", que me parecem as mais básicas. A tua sugestão parece-me uma variante das minhas (2) ou (1), não? – Jacinto May 26 '16 at 14:13
  • sim, é verdade. – Dan Getz May 26 '16 at 14:19
  • Jacinto o povo facilmente inventa sonoridades novas e descobrir como aparecem não é simples. Imagina que estávamos em 1900 e Braga era a capital de Portugal, a esta altura toda a gente dizia «b» e «v» da mesmo forma... – Jorge B. Oct 30 '16 at 1:55
  • Sou brasileira e fiz mestrado em ciências da linguagem em Portugal. Uma colega do mestrado comentou que sua mãe (que era de Trás-os-montes, se não me engano) pronunciava de formas diferentes os ss, sc, c e ç, e usava essa sua pronúncia para ensinar a grafia correta das palavras à filha. A colega não conseguiu repetir as pronúncias, e fiquei muito curiosa para saber como eram. Qualquer dia pergunto-lhe. – Tamires Nov 28 '18 at 10:03
3

Acredito que a pronúncia [s] (s não chiado) é a original no latim. Provavelmente, ela chegou ao Brasil sem mudanças e, depois, passou a ser [ʃ] (s chiado) em Portugal e no Rio de Janeiro (talvez pela influência lusitana durante o período em que foi capital do Brasil). Essa mudança, contudo, não afetou dialetos periféricos ou mais conservativos.

Quanto à existência do dígrafo sc, provavelmente vem de formas resgatadas da escrita latina, mas já com pronúncia alterada. Nascer originou-se do latim nascĕre, palavra pronunciada de forma semelhante a "nas-ke-re" (s não chiado). Fascículo vem do latim fascicŭlus, pronunciado de forma semelhante a "fas-ki-ku-lus".

O mesmo ocorreu com anel, cuja origem é o termo latino annellus. N intervocálico desapareceu, com certa frequência, na passagem do latim para o português, fenômeno que fez annellus tornar-se elo na língua portuguesa. Entretanto, com o resgate de grafias semelhantes às latinas, o uso de anel tornou-se mais comum.

  • Está bem observado que se a pronúncia desses ss era não chiada no latim, que essa pronúncia se mantivesse no português. Já o sc ser resgatado mais tarde me parece menos plausível. Não é só uma questão de grafia; é pronúncia também: os portugueses, e imagino que todos os que chiam o s, pronunciam /ʃs/ o sc de nascer, crescer, consciência, etc. Se o sc dessas palavras passasse a certa altura a ser pronunciado como um só /s/, não estou a ver como é que o [ʃ] apareceria mais tarde nessas palavras. Se fossem palavras eruditas, tudo vem; (continua) – Jacinto Oct 28 '16 at 20:00
  • Mas essas palavras são tão comuns, que não estou a ver a pronúncia delas vir a ser influenciada pela grafia erudita. Portanto estou mais inclinado a pensar que houve sempre gente em Portugal que de algum modo identificava dois sons nesses sc; isto é, que (ele) desce e (se ele) desse não eram homófonos, como imagino que são atualmente na pronúncia com s chiado. – Jacinto Oct 28 '16 at 20:12
  • Tenho uma grande curiosidade: quem começou a chiar primeiro e o que influenciou esse chiado? – felipe.zkn Nov 29 '18 at 14:34
-2

O S chiado não se deve considerar como português mas, sim, como lisboeta (ou alfacinha), quer dizer, relativo à região da capital de Portugal. Fora de Lisboa continua a usar-se o S não chiado. Também em Lisboa, as consoantes SC têm som de CH, assim, descer pronuncia-se "dexer (decher)", mas noutras regiões a pronúncia é "des-cer", com destaque do S e do C.

  • 2
    Deves estar a fazer uma confusão qualquer. Eu não sou lisboeta, e em todo o lado por onde andei em Portugal sempre ouvi o s chiado em fim de sílaba. O JorgeB e o ANeves são do norte e dizem a mesma coisa nas respostas a esta pergunta. Descer é um bom exemplo. Quem não chia o s pronuncia come se fosse decer; quem chia, pronuncia como dech.cer. Ouve aqui as duas pronúncias. – Jacinto Dec 14 '16 at 9:29

Your Answer

By clicking “Post Your Answer”, you agree to our terms of service, privacy policy and cookie policy

Not the answer you're looking for? Browse other questions tagged or ask your own question.